Espanha é o único país a progredir, diz Lagarde

WEF / Wikimedia

Christine Lagarde, Diretora do FMI

Christine Lagarde, Diretora do FMI

A Espanha é o único país da zona euro a progredir devido às reformas estruturais que começam a dar resultados, disse a diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), apelando aos outros Estados que “passem das palavras aos atos”.

“O único país que progride, apesar de não ser suficiente” para absorver a bolsa de desempregados “é a Espanha“, afirmou Christine Lagarde numa entrevista divulgada esta segunda-feira pela emissora francesa “Radio Classique”.

Questionada se considera que a França está a atrasar-se na aplicação de reformas, a diretora do FMI insistiu que “há que as por em prática e não apenas ficar contente em falar delas”, numa mensagem que serve para “o conjunto da zona euro e não apenas para a França“.

No campo da recuperação económica na Europa, Christine Lagarde considerou que a Alemanha pode fazer mais, com aumentos salariais e maiores investimentos em infraestruturas que estimulem a procura e favoreçam a recuperação no país e no conjunto da zona euro.

“A Alemanha é um dos raros países da zona euro que tem margem orçamental”, comentou Christine Lagarde assinalando também que o Governo de Angela Merkel já prevê um aumento de vencimentos e mais investimentos públicos em vias de transporte, muito embora, para o FMI, Berlim “possa fazer mais no seu próprio interesse”.

Numa outra entrevista ao diário “Les Echos”, Christine Lagarde precisou que a Alemanha poderia dedicar às suas infraestruturas de transporte 0,5 pontos do Produto Interno Bruto anualmente e durante quatro anos, em vez dos 0,2 pontos previstos pelo Executivo de Merkel.

“A Alemanha poderia também contribuir para a recuperação europeia com maior distribuição de salários” porque assim os consumidores alemães “alimentariam” a procura, disse.

Questionada se a zona euro está a efetuar demasiados cortes orçamentais, Lagarde lembrou que, no conjunto, estes países representam 0,3 pontos do Produto Interno Bruto, razão porque defende que “não se pode falar de uma política de excessiva austeridade“.

“O ritmo de redução do défice orçamental parece-nos o adequado em cada país”, disse ao recordar que no Pacto de Estabilidade estão fixados os objetivos de redução do défice e que “há uma certa margem de manobra” para que a Comissão Europeia tenha em conta as reformas que são realizadas.

Ainda à Radio Classique, e sobre a sua continuidade até final do mandato no FMI, Christine Lagarde, vincou a sua “determinação” em cumpri-lo até ao fim, embora esteja acusada na França de “negligência” num caso que deriva da sua responsabilidade enquanto ex-ministra das Finanças daquele país.

“Estou determinada em cumprir o meu mandato até ao fim”, disse à emissora francesa ao salientar também que os 188 países que integram o FMI, através do seu órgão de Governo, lhe renovaram o apoio depois da acusação que lhe foi imputada a 26 de agosto.

Christine Lagarde afirmou mesmo ter recebido “mensagens calorosas” de numerosos chefes de Estado e de Governo, bem como de ministros.

“Se tivesse tido dúvidas da minha capacidade de assumir as minhas obrigações, essas mostras de apoio tinham-nas dissipado”, comentou ao Les Echos, também hoje publicada.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

Ciência explica porque é que alguns cheiros desencadeiam memórias fortes

O cheirinho de pão acabado de sair do forno pode, por exemplo, funcionar como um portal do tempo, levando-nos de volta àquele pequeno café em Paris que visitámos há alguns anos. Os cheiros têm a capacidade …

Quase 40% dos americanos com dificuldades financeiras. Doar sangue é a sua maior receita

A economia dos Estados Unidos (EUA), considerada uma das maiores do mundo, permitiu avanços sociais e tecnológicos inestimáveis. Contudo, atualmente, cerca de 40% dos norte-americanos afirmam ter dificuldade em pagar por comida, por habitação, por …

"Políticos devem ser colocados contra a parede". Greta pede desculpa

A ativista do clima Greta Thunberg pediu desculpa por ter dito que os políticos devem ser colocados “contra a parede”, após diversas pessoas terem considerado que a jovem estava a defender a violência. A sueca de …

Carnaval belga retirado da lista de Património Imaterial da UNESCO após queixas de antissemitismo

As festas da cidade de Aalst, na Bélgica, foram retirada da lista do Património Imaterial da Humanidade, depois de a UNESCO ter sancionado a presença de carros carnavalescos contendo imagens antissemitas. O presidente da Câmara …

Conselho de Ministros aprova proposta de OE2020 (e foram quase 10 horas de reunião)

O Conselho de Ministros aprovou hoje a proposta de Orçamento do Estado para 2020, dez horas depois de a reunião extraordinária ter começado, anunciou hoje o primeiro-ministro na sua página na rede social Twitter. "O Conselho …

Nova espécie de baleia mostra como este animal evoluiu para conseguir nadar

Cientistas descobriram uma nova espécie de baleia, que existiu há 35 milhões de anos, que pode dar novas pistas sobre como as baleias evoluíram para conseguir nadar. De acordo com a revista Newsweek, os investigadores analisaram …

Casal separado após sobreviver a Auschwitz reencontra-se 72 anos depois em Nova Iorque

Em 1944, David Wisnia e Helen "Zippi" Spitzer eram dois prisioneiros judeus e secretamente namorados que, miraculosamente, conseguiram sobreviver ao campo de concentração nazi Auschwitz, na Polónia. Porém, no final da guerra, foram separados depois de …

Benfica 4-0 Famalicão | Pizzi entrega saco cheio de Natal

O Benfica terminou o seu ano de Liga NOS com mais uma vitória, de novo por 4-0, tal como havia acontecido na anterior partida no Estádio da Luz, ante o Marítimo. Desta vez frente ao …

Morreu o ator Danny Aiello

Morreu esta quinta-feira, em Nova Jérsia, o ator Danny Aiello, que recordamos pelos seus muitos êxitos dos anos 80. Tinha 86 anos. "É com profunda dor que comunicamos que Danny Aiello, amado marido, pai, avô, ator …

Videojogo chinês incita jogadores a atacar os "traidores" em Hong Kong

Há um novo videojogo que está a ganhar popularidade na China. Chama-se "Fight the Traitors Together" e permite que os jogadores ataquem manifestantes de Hong Kong. No jogo, os jogadores podem bater nos manifestantes pró-democracia, sendo …