Escolas violam as suas próprias regras para inflacionar notas de alunos

Marcos Santos / USP Imagens

Pela primeira vez, um relatório da Inspeção-geral da Educação e Ciência (IGEC) mostra as estratégias utilizadas pelas escolas para inflacionar as notas dos seus alunos, facilitando assim o acesso ao ensino superior.

Tal como nota o jornal Público, que avança com os dados nesta segunda-feira, esta não é uma prática nova no entanto, frisa, é a primeira vez que um documento faz uma radiografia ao fenómeno, notando que as escolas contornam os seus próprios critérios de forma a conseguir atribuir notas mais elevadas aos alunos.

De acordo com o documento a que o diário teve acesso, há determinados domínios como a oralidade ou as atividades laboratoriais que, por não terem testes ou outros critérios mensuráveis que permitam suportar as avaliações feitas pelos docentes, são usados para puxar para inflacionar as notas dos alunos.

O IGEC utiliza, a título de exemplo, a disciplina de Português. Por regra, é atribuído ao parâmetro de avaliação “oralidade” um peso de 20% na nota final da disciplina. Segundo o documento, são comuns os exemplos de alunos com classificação 20, nota máxima, neste domínio, sem que a razão para essa avaliação seja clara.

Outro fator utilizado para subir as notas dos alunos prende-se como o “domínio social e afetivo”. A ponderação desta dimensão – que incluiu variáveis como o comportamento, a assiduidade e a pontualidade – pode variar, dependendo das escolas ou da disciplina, entre os 5% e os 30% da nota final. Uma vez mais, nota o relatório, há vários casos de alunos que têm muitas vezes a nota máxima sem justificação.

Em 2017, a IGEC realizou “operação de verificação” em 12 escolas, entre as quais oito privadas. A maioria destes estabelecimentos de ensino (9) estava localizada na região norte. A cada uma destas escolas, a inspeção-geral mandou uma equipa de dois inspetores, que passaram dois a três dias na escola, avaliando os seus procedimentos de avaliação, entre outras práticas.

Cada uma destas visitas deu origem um relatório, com um conjunto de recomendações para que a escola alterasse alguns dos seus procedimentos a fim de corrigir os desalinhamentos das notas. Foi depois feita uma segunda intervenção, já depois dos exames nacionais de 2016/17, em que os inspetores verificaram se as recomendações feitas foram acolhidas pelas escolas.

Tal como nota o relatório final agora divulgado pelo Público, a intervenção da IGEC teve efeitos positivos: 80% das escolas melhoraram o valor do indicador de alinhamento das notas internas — isto é, as classificações internas dos alunos – que são atribuídas pelos professores – estão agora mais próximas das classificações que estes conseguem obter nos exames nacionais.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Em apenas três anos, a Austrália perdeu um terço dos seus coalas

A seca, os incêndios florestais e a desflorestação na Austrália levaram o país a perder um terço dos seus coalas nos últimos três anos. A Austrália perdeu cerca de 30% dos seus coalas nos últimos …

Há modelos matemáticos que preveem se uma música vai ser viral — os mesmos utilizados com a covid-19

O uso de modelos matemáticos para antecipar o nível de sucesso de uma música pode começar a ser usado, a partir da publicação do presente estudo, por artistas e editoras para melhorar o desempenho dos …

Alemanha. Funcionário de posto de combustível abatido a tiro por cliente que se recusou a usar máscara

Um homem de 49 anos matou um funcionário de um posto de combustível na Alemanha, após tentar comprar cerveja sem utilizar a máscara. No país, o uso deste equipamento de proteção é obrigatório para entrar …

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …

Preços das casas voltaram a aumentar no segundo trimestre

Entre abril e junho, o índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu 6,6% em termos homólogos. A revelação foi feita esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O Índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu …