Escolas de Pedrógão Grande desativadas passam a residências para alunos

Clonny / Flickr

-

Duas escolas do 1.º ciclo de Pedrógão Grande, no norte do distrito de Leiria, desativadas há três anos, vão reabrir em setembro como residência de estudantes da Escola Tecnológica e Profissional da Zona do Pinhal.

À agência Lusa, o diretor-geral da escola profissional, João Marques, explicou que as duas residências vão ter capacidade para um total de 25 alunos, sendo a prioridade no alojamento dada aos estudantes deslocados de países africanos de língua oficial portuguesa (PALOP), aos que residam a mais de 50 quilómetros de Pedrógão Grande ou aos que sejam oriundos de zonas onde não estejam assegurados transportes públicos.

“Foi feito um contrato de comodato com a Câmara Municipal de Pedrógão Grande, que também colaborou nas obras de adaptação dos dois imóveis”, situados na sede do concelho, adiantou João Marques, referindo que os trabalhos custaram cerca de 100 mil euros.

O responsável justificou o investimento com o facto de o Estado ter deixado de financiar os alunos oriundos dos PALOP.

“Até aqui, a escola recebia um subsídio do Fundo Social Europeu para os ajudar a pagar o alojamento. A partir do momento em que a escola deixou de receber esse subsídio, a solução foi recuperar estas instalações que ficam, com certeza, muito mais baratas ao estabelecimento de ensino, porque os custos são a água, luz e gás, essencialmente”, esclareceu.

Com a abertura das residências, os alunos “têm alojamento gratuito” e a “escola suporta, com a ajuda da câmara, a alimentação”.

“Nas férias escolares do verão, o objetivo passa por aproveitar o espaço para outros grupos, como escuteiros, e a realização de outras atividades”, acrescentou o diretor-geral.

Com 270 alunos – cerca de 30 são dos PALOP – distribuídos por cinco cursos, os objetivos da Escola Tecnológica e Profissional da Zona do Pinhal passam pela “manutenção da população escolar e, eventualmente, fazer alguma alteração na oferta formativa”, abarcando a área das tecnologias, “ligadas à mecânica e eletrotecnia”, disse.

Para João Marques, a captação de alunos estrangeiros é uma oportunidade para estas escolas.

“É importante por duas razões, primeiro mantém os postos de trabalho criados, de docentes e não docentes, e permite que os alunos nacionais e os da região possam fazer aqui a sua formação profissional”, observou, criticando a exigência de 26 alunos para a criação de turmas.

O responsável realçou ser “muito difícil em zonas despovoadas e em zonas de baixa densidade demográfica, como é o caso de Pedrógão Grande, conseguir 26 alunos para abrir uma turma”.

“O mercado de trabalho é pequeno e lançar 26 alunos de uma vez para o mercado de trabalho não é aconselhável”, declarou, classificando como “incongruência” e “irracionalidade” que “o Estado obrigue nestas zonas que um curso abra com o mesmo número de alunos que em Lisboa, Coimbra ou Leiria”.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Surto de sarampo leva Samoa a fechar escolas e serviços. Ativista anti-vacinação detido

Com o objetivo de conter o surto de sarampo que já matou 60 pessoas, o governo de Samoa está a pedir à população que coloque uma bandeira vermelha em frente às casas nais as pessoas …

Poluição do ar leva Sarajevo a cancelar todos os eventos públicos

As autoridades bósnias consideram que a poluição na capital do país, Sarajevo, atingiu níveis perigosos nos últimos dias. Perante a densa nuvem de nevoeiro que paira na cidade, o governo regional decidiu cancelar todos os …

A banana colada à parede que custou 108 mil euros foi comida

A banana mais cara do mundo, presa a uma parede com fita adesiva, foi descascada e comida por um artista que visitava o stand da galeria Perrotin, na feira de arte contemporânea Art Basel, nos …

Empresas norte-americanas reforçam domínio na venda global de armas

O Instituto Internacional de Estudos de Paz de Estocolmo (SIPRI) revelou esta segunda-feira que as empresas norte-americanas aumentaram o domínio no comércio global de armas em 2018, para 59% do volume total entre as 100 …

Faltam medicamentos para doenças crónicas nas Farmácias (e ninguém sabe porquê)

Há medicamentos para doenças crónicas que estão, constantemente, em falta nas Farmácias Portuguesas. Uma situação preocupante, sobretudo para os pacientes que deles precisam, e que não tem uma explicação. A Associação Nacional de Farmácias está …

Mais de dois mil coalas mortos devido aos incêndios na Austrália

O presidente da Aliança das Florestas do Nordeste da Austrália disse que os incêndios florestais que deflagram no leste do país, desde o início de novembro, provocaram a morte a mais de dois mil coalas. O …

Regionalização sem referendo é “golpe de estado palaciano”

Luís Marques Mendes falou este domingo, no habitual espaço de comentário político na SIC, sobre a regionalização, os "tempos difíceis para a direita", Greta Thunberg e Joe Berardo. Houve ainda tempo para falar sobre o …

China diz que detidos em Xinjiang estão "formados" e "vivem felizes"

Um alto quadro do regime chinês afirmou, esta segunda-feira, que os membros de minorias étnicas chinesas de origem muçulmana mantidos em "centros de treino vocacional" no extremo oeste do país já se "formaram" e levam …

Greve geral volta a parar França. Filas de trânsito chegam aos 620 quilómetros

Os acessos a Paris estão, esta manhã, muito complicados devido ao quinto dia de greve contra a reforma das pensões e que afeta sobretudo a rede de transportes na capital francesa. De acordo com as autoridades, …

"Mário Centeno está a perder influência no Governo". Os (maus) sinais para o Orçamento de Estado 2020

A proposta de Orçamento do Estado para 2020 [OE 2020] vai ser apresentada daqui a uma semana e alguns economistas antecipam os riscos do documento, falando de uma "situação potencialmente perigosa para as contas públicas" …