ERSE quer acabar com as letras miudinhas nos contratos da luz

Marcello Casal Jr / Agência Brasil

Na primeira recomendação de 2019, a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos propõe às empresas vinte medidas para melhorar os contratos da luz.

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) emitiu recomendações específicas a cada um dos 27 comercializadores de energia para alterarem algumas cláusulas dos contratos de eletricidade que considerou não cumprirem a lei.

Segundo o Jornal de Negócios, o regulador afirma que detetou em mais do que um contrato situações que “devem ser corrigidas e não repetidas”, admitindo também alargar as novas recomendações aos contratos de serviços de gás natural.

A lista das melhorias foi elaborada após a entidade ter revisto “todos os contratos de adesão que estão a ser propostos aos consumidores de eletricidade”. De acordo com a ERSE, o estudo “sistematizado e exaustivo” das cláusulas contratuais foi desenvolvido em parceria com a Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa.

Cada uma das recomendações já foi dirigida aos comercializadores “tendo em vista a correção, introdução ou eliminação nos contratos por eles propostos das cláusulas que avaliou como sendo desconformes à lei ou regulamentação”.

Assim, considera a ERSE, “podem ser evitadas práticas comerciais que, se foram efetivadas nos termos das cláusulas ainda propostas, são suscetíveis de constituir infrações sancionáveis”.

Entre as cláusulas “desconformes”, a ERSE destaca a exigência de pagamento pelo consumidor de todos os custos e encargos judiciais em caso de incumprimento, assim como a “exclusão total da responsabilidade do comercializador por incumprimento de parâmetros da qualidade de serviço ou eventuais danos“.

Além disso, o regulador quer ainda que os comercializadores excluam as cláusulas que remetem para documentos ou ligações a páginas na Internet e as que façam depender o fornecimento de energia da inexistência de dívidas de outro contrato.

A ERSE recomenda ainda que os comercializadores aumentem o tamanho de letra utilizada. Os contratos devem também informar melhor os consumidores sobre a possibilidade de haver alterações (como a atualização do preço) e um prazo mais alargado para o consumidor analisar as alterações para, se assim o entender, denunciar o contrato, mudando de operador.

No que toca às cláusulas relativas a eventuais reclamações, quer que as empresas passem a “indicar que a existência de um prazo para o consumidor reclamar não exclui o direito de reclamação posterior” e a especificar “os meios, procedimentos e prazo máximo de resposta a reclamações e pedidos de informação”.

Além destas recomendações, o regulador quer ainda que os comercializadores introduzam cláusulas adicionais sobre as seguintes situações: identificação completa e clara do comercializador; duração do contrato, condições de renovação e de cessação; possibilidade de o consumidor optar pela fatura em papel sem custos adicionais e, entre outras, a previsão de regras sobre o conteúdo, prazos e procedimentos do pré-aviso de interrupção.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. A ERSE a querer mostrar serviço.
    Mas da forma pior e mais infantil.
    Em vez de acabar com as “letrinhas pequeninas”, ACABEM COM AS RENDAS EXCESSIVAS, COM O IVA A 23%, COM OS CMECs, E COM O DÉFICE TARIFÁRIO.
    Reduzam drasticamente os níveis de lucros da EDP exportados para a China.
    Apliquem IMPOSTOS progressivos à EDP como fazem às restantes empresas.
    Quanto é que o MEXIA paga de Imposto por ganhar 5.000 euros por dia ? Nos States teria uma taxa acima dos 80% !!

RESPONDER

Prémios e dados pessoais. Worten alerta clientes para falso SMS em circulação

A Worten alerta os clientes para não partilharem dados pessoais em resposta a mensagens publicitárias falsas que estão a circular por SMS em nome da retalhista, a anunciar um prémio. "Alertamos que não devem ser facultados …

GNR já passou 2200 coimas por falta de limpeza de terrenos. Mais de cem câmaras multadas

Mais de uma centena de câmaras municipais foram multadas por falta de limpeza de terrenos, sendo a ausência de tratamento nas margens das estradas e junto às linhas de distribuição elétrica a principal infração registada …

Presidente do Governo da Catalunha pede a Filipe VI que abdique

O presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, pediu na terça-feira ao rei Filipe VI que abdique e solicitou ao presidente do parlamento que convoque uma sessão plenária extraordinária para estabelecer uma "posição comum" …

Virologista chinesa diz que novo coronavírus foi "criado em laboratório militar"

A virologista chinesa que fugiu para os Estados Unidos deu mais uma entrevista onde assegura que o novo coronavírus foi "criado num laboratório militar". Numa nova entrevista, citada pelo jornal online Observador, Li Meng-Yan, a virologista …

Ministério da Saúde abre 435 vagas para médicos de família

É o maior número de vagas dos últimos anos colocadas a concurso para a contratação de médicos especialistas em medicina geral e familiar para o SNS. De acordo com o jornal Público, o Ministério da Saúde …

MP brasileiro processa pastor por anunciar cura com feijões para a covid-19

O Ministério Público brasileiro pediu a abertura de um processo contra o pastor evangélico Valdemiro Santiago e a Igreja Mundial do Poder de Deus, que anunciaram a cura da covid-19 a partir do cultivo de …

Dívida do Estado à ADSE ascende a 200 milhões de euros

A dívida do Estado à ADSE, em 2019, ascendia a 198,2 milhões de euros, segundo o parecer do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) ao relatório e contas do ano passado, publicado no site do …

Governo dos Açores violou Constituição ao impor quarentena obrigatória

O confinamento obrigatório de 14 dias que o governo regional dos Açores tem imposto a quem chega à região autónoma é inconstitucional, dizem os juízes do Tribunal Constitucional. As autoridades açorianas violaram a Constituição ao impor …

China caminha a passos largos para a normalidade. Gaming, cerveja e Ikea dão empurrão

A China não regista, desde 17 de maio, vítimas mortais causadas pelo novo coronavírus. No entanto, há dois surtos ativos que parecem não impedir a população de caminhar em direção à normalidade. À semelhança do resto …

No regresso ao Superior, o Ministério recomenda aulas presenciais, com máscara e ao sábado

No regresso do Ensino Superior, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior recomenda que voltem as aulas em regime presencial com uso obrigatório de máscara e algumas das quais lecionadas ao sábado. Num comunicado …