Erro administrativo tira quatro milhões aos salários da Polícia Judiciária

Tiago Henrique Marques / Lusa

Um erro no processamento dos salários de cerca de dois mil elementos da PJ, de apenas 12 euros mensais, mas que dura há pelo menos oito anos, levou os funcionários a reclamar um total de cerca de quatro milhões de euros.

O Sindicato dos Funcionários de Investigação Criminal (ASFIC) da PJ está a preparar uma ação em tribunal. Há vários meses que a falta de reposição da totalidade do subsídio está a gerar contestação, avança o Jornal de Notícias esta manhã.

Na origem do erro administrativo está a não reposição, na íntegra, do subsídio de risco, depois de o Governo de José Sócrates ter congelado as progressões nas carreiras e todos os suplementos remuneratórios, entre 2006 e início de 2008.

Logo a seguir, os subsídios foram repostos, mas, no caso da PJ, apenas parcialmente. Em vez dos 402 euros correspondentes a 25% do salário do primeiro escalão da categoria de inspetores, os funcionários da carreira de investigação criminal, os da área funcional de criminalista, assim como os seguranças, passaram a receber menos 12 euros mensais.

Em 2015, um funcionário da PJ do Porto detetou o erro e apelou à intervenção do Centro de Arbitragem Administrativa (CAAD), que lhe deu razão. O funcionário, que pertence ao quadro de seguranças, reclamava a reposição da totalidade dos subsídios de turno e de risco e ainda das horas extraordinárias, desde 2007.

O CAAD entendeu que deveria ser feita a reposição dos suplementos desde janeiro de 2010, condenando ainda o Ministério da Justiça a pagar-lhe juros de mora, desde janeiro de 2015, data em que tinha interposto a ação.

Em junho, a ASFIC tomou conhecimento da decisão favorável do CAAD e diligenciou para que fosse reposta a integralidade do subsídio de risco de todos os inspetores.

“Comunicamos o caso à anterior direção da PJ, no sentido de proceder ao pagamento, com os retroativos. Entretanto, foi nomeada uma nova direção que, sabemos, remeteu o caso ao Ministério. Ainda não há resposta“, disse Ricardo Valadas, presidente da ASFIC, garantindo que a verba em causa, nesta altura, é de cerca de quatro milhões de euros.

“São cerca de 12 euros por mês que durante dez anos não foram pagos e já representa um valor bastante elevado. Com a falta de resposta, estamos neste momento a preparar tudo para avançar com uma ação em tribunal. É que o erro foi detetado e não estamos a pedir o que não é nosso. Continua a insistir-se no erro em vez de o corrigir de imediato. O Ministério tem de resolver”, adiantou Ricardo Valadas.

De acordo com as contas feitas pela ASFIC, o valor acumulado ao longo dos anos representa hoje cerca de 1400 euros, em média, para cada elemento da PJ, mais juros. Para além dos investigadores da PJ, também os seguranças, pessoal de apoio e criminalistas reclamam do erro na reposição do subsídio. São dois mil funcionários.

A Direção Nacional da Polícia Judiciária explicou ter já remetido a decisão do CAAD ao Ministério da Justiça, para que os seus serviços jurídicos analisassem o pedido da ASFIC. Neste momento, aguardam uma decisão.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Em risco de perder a imunidade, Puigdemont fala em "pressão espanhola"

Carles Puigdemont, Toni Comín e Clara Ponsati estão em risco de perder imunidade. O ex-presidente do governo da Catalunha fala em "pressão espanhola" no Parlamento Europeu. O levantamento da imunidade de Carles Puigdemont e de dois …

Plano de desconfinamento a circular nas redes sociais é falso. Governo faz denúncia ao Ministério Público

Esta quinta-feira, começou a circular nas redes sociais um alegado plano de desconfinamento que teria início já no mês de março. O Governo já veio avisar que o documento é falso e vai fazer uma …

Carlos Carreiras diz que "Passos Coelho não é passado, é presente"

O presidente da Câmara de Cascais voltou a criticar a liderança do líder do PSD e, em sentido contrário, deixou rasgados elogios ao seu antecessor. Numa entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Carlos Carreiras …

PSP diz que jovem que se gabou de violação no Instagram pode ter "fantasiado"

A Polícia de Segurança Pública (PSP) de Viseu afirma que "tudo leva a crer" que o jovem que assumiu, em direto no Instagram, ter violado uma rapariga estivesse a fantasiar. A PSP de Viseu identificou o …

Termina hoje o prazo para validar faturas para apresentar no IRS

Os contribuintes têm até esta quinta-feira para validar e verificar as faturas de 2020 no Portal e-fatura e que vão servir de base no cálculo das deduções no IRS. Há já vários anos que as deduções …

“Foi torturada”. Princesa Latifa escreve carta à polícia a pedir que investigue desaparecimento da irmã

Latifa escreveu à polícia britânica em 2019. O caso da sua irmã Shamsa, raptada em Inglaterra há mais de vinte anos, tem muitas semelhanças com o drama agora vivido pela princesa. A princesa Latifa, filha do …

Pelo menos oito mortos após golpe de Estado em Myanmar. ONG pedem embargo ao fornecimento de armas

Pelo menos oito pessoas morreram em Myanmar, como resultado da violência desencadeada após o golpe de Estado realizado pelos militares a 1 de fevereiro, segundo a Associação de Assistência aos Prisioneiros Políticos (AAPP). Até agora, o …

24 mil milhões até 2025 e 100% renovável até 2030. Eis o novo plano estratégico da EDP

A EDP apresenta esta quinta-feira o seu novo plano estratégico, comprometendo-se a investir 24 mil milhões de euros até 2025 na transição energética e anunciando o objetivo de até 2030 se tornar 100% verde. Na nota …

Manchester United e Liverpool querem Raphinha, ex-Sporting

Raphinha, antigo jogador do Sporting CP e do Vitória SC, está a ser sondado pelo Manchester United e pelo Liverpool. O brasileiro tem estado em destaque na Premier League, ao serviço do Leeds. Manchester United e …

50 deputados e menos de 100 pessoas na sala. Posse de Marcelo segue modelo do 25 de Abril

Marcelo Rebelo de Sousa vai tomar posse como Presidente da República, no parlamento, no dia 9 de março, numa cerimónia em que apenas estarão presentes 50 dos 230 deputados e menos de 100 pessoas no …