Empresas vão perder 1,17 mil milhões de euros graças aos falsos “influencers”

Os chamados “influencers”, que por vezes compram seguidores e criam perfis falsos, vão fazer com que as empresas percam este ano 1,17 mil milhões de euros.

A fraude no mercado emergente dos chamados “influencers” é muito maior do que se pensava e, de acordo com um novo relatório da CHEQ, uma empresa de cibersegurança sediada em Nova Iorque, nos Estados Unidos, só este ano vai fazer com que as empresas percam 1,3 mil milhões de dólares, cerca de 1,17 mil milhões de euros.

E estes são apenas os custos calculáveis do marketing de falsos influenciadores, porque “os custos indiretos são muito mais difíceis de medir”, afirma Roberto Cavazos, economista e professor da Universidade de Baltimore que conduziu esta análise, citado pela CBS News.

A nível mundial, as empresas gastam cerca de 8,5 mil milhões de dólares por ano para persuadir estes influenciadores a publicitar os seus produtos, de acordo com a empresa de “influencer marketing” Mediakix.

Num bom dia, alerta Cavazos, cerca de 15% dos valores gastos pelas empresas são perdidos neste tipo de fraude, uma vez que nem sempre os influenciadores têm tantos seguidores como querem fazer parecer. “É um enorme desperdício”, afirma.

As marcas geralmente pagam a estas pessoas com base no seu alcance nas redes sociais, medido pelo seu número de seguidores. O problema, no entanto, é que muitos destes utilizadores compram falsos seguidores ou continuam a contar seguidores que já nem interagem numa determinada plataforma, ou seja, as marcas estão a pagar por uma coisa que na realidade não existe.

Os grandes influenciadores, com contas que atingem milhões de seguidores, podem receber até 250 mil dólares, cerca de 220 mil euros, para partilhar um post numa rede social. Segundo Cavazos, cerca de 38 mil dólares deste dinheiro são perdidos no meio desta fraude.

De acordo com o economista, esta situação pode abalar a confiança das empresas e dos próprios utilizadores nos “influencers”. “Toda a gente tem redes sociais e vê estes influenciadores a mostrarem como este ou aquele produto são ótimos e até sentimos afinidade. Mas, à medida que a fraude aumenta, começamos a perder a confiança“.

“Se existe uma conta com um milhão de seguidores, mas com posts que têm 80 ou cem gostos no máximo, isso é imediatamente suspeito”, explica Daniel Avital, diretor de estratégia da CHEQ, que deixa ainda um apelo às redes sociais.

“Facebooks e Twitters deste mundo, vocês precisam de criar tecnologia que consiga de forma automática e autónoma encontrar estas contas falsas e desativá-las. Este processo é principalmente manual e é como o ‘Whac-A-Mole’ [famoso jogo arcade]: as toupeiras estão a aparecer a ritmo muito mais rápido do que qualquer um é capaz de as derrubar”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"Pés de café" ajudam robôs a andar mais rápido (e sem tropeçar)

Uma das principais aplicações para robôs com pernas é a exploração de locais de desastre. No entanto, para atravessar os escombros, estas máquinas precisam de ter "pés" firmes. Uma equipa de investigadores da Universidade da Califórnia, …

Famalicão 2-1 FC Porto | Dragões falham reentrada

O FC Porto ficou hoje com a liderança da I Liga portuguesa de futebol em risco, ao perder em casa do Famalicão, por 2-1, na 25.ª jornada, que marca o regresso após a paragem devido …

Empresas chinesas compram soja dos EUA apesar de suspensão imposta pelo Governo

Empresas estatais chinesas terão comprado pelo menos três carregamentos de soja aos Estados Unidos (EUA), mesmo após o Governo ter levantado uma suspensão. Esta surgiu depois de Washington afirmar que terminaria com o acordo comercial …

Musk quer bombardear Marte. Pode ser só um "pretexto" para enviar armas nucleares para o Espaço

O plano de Elon Musk de bombardear Marte é apenas um pretexto para o lançamento de armas nucleares para o Espaço, disse o diretor da agência espacial russa Roscosmos, Dmitry Rogozin. Bombardear Marte para tornar o …

Quase 20 mil toneladas de combustível derramadas em rio na Rússia

https://cache-igi.cdnvideo.ru/igi/video/2020/6/2/%D0%BD%D0%BE%D1%80%D0%B8%D0%BB%D1%8C%D1%81%D0%BA.mp4 Quase 20 mil toneladas de combustível foram acidentalmente derramadas num rio no extremo norte da Rússia, levando as autoridades a declarar uma situação de "emergência" e levantando preocupações entre ambientalistas e residentes. Em comunicado, a associação …

Mais verde e mais barato. Suécia segue a Alemanha e instala a primeira turbina eólica de madeira

A Suécia instalou uma nova e interessante turbina eólica: uma torre construída em madeira. A Alemanha também já tem esta nova tecnologia. Construída a partir de materiais de fontes sustentáveis e que oferecem desempenho comparável às …

Já não mostra só as filas do supermercado. App "Posso ir?" também diz se pode ir à praia

A aplicação móvel que permite aos utilizadores consultar as filas e as afluências aos supermercados também mostra como está a praia. Agora, a aplicação "Posso ir?" vai também dizer-lhe se é ou não prudente ir dar …

Discurso xenófobo. Na Áustria, "a islamofobia tornou-se uma forma dominante de racismo"

A Áustria regista um aumento preocupante do discurso xenofóbico, em particular em relação aos muçulmanos e refugiados, alerta um relatório do Conselho da Europa. A Comissão do Conselho da Europa contra o Racismo e a Intolerância …

Um em cada quatro russos acredita que a pandemia é uma invenção

Um em cada quatro russos acredita que a pandemia de coronavírus é uma invenção, de acordo com uma pesquisa realizada pela Escola Superior de Economia de Moscou (HSE). Segundo avançou o site de notícias RBC, citado …

"Botellón" está de volta a Lisboa. Ajuntamentos sem controle podem estar a espalhar o vírus

Há cada vez mais ajuntamentos de jovens em Lisboa, nomeadamente nos bairros típicos, mas também em locais como bombas de gasolina, para o convívio e o consumo de álcool. Um tipo de comportamento que está …