Empresas vão perder 1,17 mil milhões de euros graças aos falsos “influencers”

Os chamados “influencers”, que por vezes compram seguidores e criam perfis falsos, vão fazer com que as empresas percam este ano 1,17 mil milhões de euros.

A fraude no mercado emergente dos chamados “influencers” é muito maior do que se pensava e, de acordo com um novo relatório da CHEQ, uma empresa de cibersegurança sediada em Nova Iorque, nos Estados Unidos, só este ano vai fazer com que as empresas percam 1,3 mil milhões de dólares, cerca de 1,17 mil milhões de euros.

E estes são apenas os custos calculáveis do marketing de falsos influenciadores, porque “os custos indiretos são muito mais difíceis de medir”, afirma Roberto Cavazos, economista e professor da Universidade de Baltimore que conduziu esta análise, citado pela CBS News.

A nível mundial, as empresas gastam cerca de 8,5 mil milhões de dólares por ano para persuadir estes influenciadores a publicitar os seus produtos, de acordo com a empresa de “influencer marketing” Mediakix.

Num bom dia, alerta Cavazos, cerca de 15% dos valores gastos pelas empresas são perdidos neste tipo de fraude, uma vez que nem sempre os influenciadores têm tantos seguidores como querem fazer parecer. “É um enorme desperdício”, afirma.

As marcas geralmente pagam a estas pessoas com base no seu alcance nas redes sociais, medido pelo seu número de seguidores. O problema, no entanto, é que muitos destes utilizadores compram falsos seguidores ou continuam a contar seguidores que já nem interagem numa determinada plataforma, ou seja, as marcas estão a pagar por uma coisa que na realidade não existe.

Os grandes influenciadores, com contas que atingem milhões de seguidores, podem receber até 250 mil dólares, cerca de 220 mil euros, para partilhar um post numa rede social. Segundo Cavazos, cerca de 38 mil dólares deste dinheiro são perdidos no meio desta fraude.

De acordo com o economista, esta situação pode abalar a confiança das empresas e dos próprios utilizadores nos “influencers”. “Toda a gente tem redes sociais e vê estes influenciadores a mostrarem como este ou aquele produto são ótimos e até sentimos afinidade. Mas, à medida que a fraude aumenta, começamos a perder a confiança“.

“Se existe uma conta com um milhão de seguidores, mas com posts que têm 80 ou cem gostos no máximo, isso é imediatamente suspeito”, explica Daniel Avital, diretor de estratégia da CHEQ, que deixa ainda um apelo às redes sociais.

“Facebooks e Twitters deste mundo, vocês precisam de criar tecnologia que consiga de forma automática e autónoma encontrar estas contas falsas e desativá-las. Este processo é principalmente manual e é como o ‘Whac-A-Mole’ [famoso jogo arcade]: as toupeiras estão a aparecer a ritmo muito mais rápido do que qualquer um é capaz de as derrubar”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

O antigo campo magnético da Lua pode ter servido de "escudo" para atmosfera da Terra

Há 4 mil milhões de anos, a Lua pode ter protegido a atmosfera Terra, através do seu já extinto campo magnético, do Sol, sugere uma nova investigação, levada a cabo por um especialista da agência …

Coloridos e selados. Descobertos no Egito sarcófagos com mais de 2.500 anos

As autoridades egípcias anunciaram esta segunda-feira a descoberta de uma coleção de sarcófagos datados de há mais de 2.500 anos, na zona arqueológica de Sakkara, a sul da cidade do Cairo. Em comunicado, citado pela agência …

Nokia vai criar para a NASA a primeira rede móvel operacional na Lua

O grupo finlandês Nokia vai fabricar para a NASA aquela que será a primeira rede móvel móvel na Lua, como parte de um projeto de base humana permanente da agência espacial norte-americana, foi esta segunda-feira …

Sarkozy acusado de "associação criminosa". Investigação sobre ligações à Líbia continua

Nicolas Sarkozy, o antigo Presidente francês, está a ser acusado de "associação criminosa" como parte de uma investigação sobre o financiamento da sua campanha presidencial de 2007, particularmente acerca dos seus alegados vínculos com o …

A última década foi a mais quente do Oceano Atlântico em três milénios

A última década foi a mais quente do Oceano Atlântico em quase três milénios, aponta uma nova investigação da Universidade de Massachusetts em Amherst, nos Estados Unidos, e da Universidade de Quebec, no Canadá. As …

NASA apresenta rover "transformer" que vai explorar os penhascos íngremes de Marte

A NASA acaba de apresentar um rover de quatro rodas, denominado DuAxel, que se pode dividir em dois rovers de duas rodas separados. O robô foi projetado para, um dia, explorar alguns dos terrenos mais …

Veneno de vespa pode ter muito "potencial" na composição de antibióticos

Com o passar dos anos, a população começa a ficar mais resistente a certos medicamentos e estes deixam de fazer efeito. Agora, uma equipa de investigadores desenvolveu novas moléculas anti-microbianas a partir do veneno de …

"Ou és infetado ou morres de fome". Trabalhadores da Amazon nas Filipinas denunciam condições precárias

Trabalhadores contratados pela empresa de segurança Ring da Amazon que trabalham em call centers nas Filipinas denunciam condições de trabalho que dizem ser precárias, mostrando-se ainda mais preocupados com a situação por causa da pandemia …

"Momento muito duro". André Almeida sofreu rotura de ligamentos e arrisca paragem longa

O futebolista internacional português André Almeida sofreu uma entorse do joelho direito, que resultou numa “rotura do ligamento cruzado anterior e do ligamento lateral interno”, informou esta segunda-feira o Benfica. O lateral dos encarnados saiu aos …

Apoio à retoma. Empresas com perdas de 25% podem reduzir horário até 33% já esta terça-feira

Empregadores com quebra de faturação igual ou superior a 25% vão poder reduzir até 33% o horário dos trabalhadores, entre outubro e dezembro, segundo a alteração ao regime de retoma progressiva de empresas em crise. O …