Rússia quis “denegrir” Biden e Irão tentou dificultar reeleição de Trump. China manteve-se neutra

Heikki Saukkomaa / Lehtikuva Handout / EPA

As autoridades norte-americanas não encontraram quaisquer evidências de ingerência estrangeira nas presidenciais de novembro de 2020, apesar dos receios que havia em relação à interferência nas eleições e que obrigaram à adoção medidas adicionais.

Apesar dos receios e das evidências de interferência, nomeadamente do Kremlin, nas eleições presidenciais de 2016 — que elegeram o republicano Donald Trump e cuja investigação levou à tese de conluio entre Moscovo e elementos da candidatura de Trump — não há quaisquer provas que apontem nesse sentido no que diz respeito às eleições de 3 de novembro do ano passado.

O sufrágio que culminou na vitória do democrata Joe Biden decorreu com total integridade, de acordo com vários relatórios divulgados esta terça-feira, citado pela Associated Press (AP).

Contudo, as autoridades norte-americanas encontraram uma “matriz mais ampla” de países que tentaram influenciar as presidenciais, em comparação com atos eleitorais anteriores.

Segundo um relatório do Gabinete do Diretor Nacional de Inteligência, o Presidente russo, Vladimir Putin, autorizou operações de ingerência para prejudicarem a candidatura de Biden e em apoio à de Trump, no entanto, os hackers não tentaram insistentemente entrar na infraestrutura eleitoral, ou seja, na contagem de votos, entre outros.

Já o Irão tentou prejudicar as possibilidades da reeleição de Trump, dá conta o mesmo documento, enquanto a China não tentou influenciar os resultados eleitorais, um possível reflexo do desejo de Pequim de construir uma relação mais estável com Washington.

Em março do ano passado, uma universitária norte-americana apontou que as contas sociais ligadas à Federação Russa estavam a divulgar mensagens ligadas a questões divisivas, como relações raciais, lei sobre armas e imigração, como fizeram em 2016, quando o Kremlin poluiu as contas dos votantes norte-americanos com mensagens a propósito das eleições presidenciais. Desde então, o Facebook removeu as contas.

A Federação Russa tem negado que esteja a interferir nas eleições dos Estados Unidos.

Segundo Thomas Rid, um analista de questões de segurança nacional, os russos refinaram as suas técnicas desde 2016, havendo mais atores estrangeiros em jogo, o que dificultava a identificação da desinformação promovida pelo Kremlin.

  ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Exoplaneta gigante conseguiu sobreviver à morte da sua estrela

Cientistas encontraram um exoplaneta gigante que parece ter conseguido sobreviver à morte da sua estrela, orbitando neste momento uma anã branca. As anãs brancas são o processo final de estrelas e chegam a ser tão densas …

Homem budista a meditar

O tukdam - um estado mental "meio-morto" dos monges budistas - é o novo fascínio da ciência

Os monges budistas conseguem chegar a um estado de meditação tão profunda que não é detectada qualquer actividade cerebral. No Budismo no Tibete, há um conceito mítico conhecido como "thukdam" ou "tukdam". Acredita-se que este é …

Trofense 1-2 Benfica | Águias passam a rasar

O Benfica, da I Liga, venceu hoje o Trofense, da II Liga, por 2-1, no prolongamento, depois do 1-1 no tempo regulamentar, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, e segue …

Como nasceu o mito dos vampiros? Mais doenças e menos Drácula

Os vampiros são um mito com séculos de história e que podem estar associados a doenças como a raiva e a pelagra — e não ao Drácula. O vampiro é uma imagem comum na cultura pop …

Edifícios impressos em 3D pelo exército norte-americano

Exército dos EUA pode agora imprimir edifícios de cimento em 3D em zonas de desastre

O objectivo da tecnologia é facilitar a construção de casas e pontes quando são precisas com urgência em zonas afectadas por catástrofes. O Corpo de Engenheiros do exército norte-americano pode agora imprimir quartéis, bunkers e outras …

Monumento Pillar of Shame, na Universidade de Hong Kong

Pillar of Shame foi, em tempos, um testemunho da liberdade de Hong Kong. Agora, dizem-lhe adeus

Em tempos, a escultura Pillar of Shame, plantada na Universidade de Hong Kong, foi um testemunho das liberdades da cidade. Agora, está a ser removida. Exposta há mais de 20 anos na Universidade de Hong Kong, …

Arquitetura em nome do amor. Homem constrói casa giratória para que a esposa possa escolher a vista

Na Bósnia, um autodidata de 72 anos construiu uma casa invulgar: a habitação gira 360 graus para mudar de vista. Algumas das mais bonitas obras arquitetónicas do mundo nasceram em nome do amor. É o …

Novo SEF deverá chamar-se Agência para as Migrações e Asilo

Afinal, já não vai haver um Serviço de Estrangeiros e Asilo (SEA) para substituir o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), mas sim uma Agência Portuguesa para as Migrações e Asilo (APMA). De acordo com o …

Pinto da Costa, presidente do FC Porto, com o guarda-redes Diogo Costa

Diogo Costa renova com o FC Porto até 2026

O guarda-redes Diogo Costa renovou contrato com o FC Porto até 2026, anunciaram os dragões, na tarde deste sábado. Diogo Costa, de 22 anos, aproveitou a lesão de Marchesín no início da temporada e assumiu a …

O algoritmo das plataformas de streaming afeta o que vemos (e quem somos)

As plataformas de streaming usam um algoritmo que afeta aquilo que vemos e o que queremos ver, moldando a nossa personalidade. Squid Game, o drama coreano distópico da Netflix, tornou-se a série mais vista lançada pela …