/

O Egito e a Etiópia estão prestes a entrar em guerra (e a culpa é de uma barragem gigante no Nilo)

15

Uma disputa de longa data entre a Etiópia e o Egito sobre a construção de uma nova barragem gigante no rio Nilo está a ameaçar despoletar em guerra entre os dois países.

De acordo com o The Week, a Etiópia está a preparar-se para começar a encher o seu reservatório atrás da represa Grand Renaissance, que está quase pronta e que será a maior central hidroelétrica de África.

A represa tem meio século de construção e pode armazenar 74 mil milhões de metros cúbicos de água – mais do que o volume de todo o Nilo Azul, o afluente nas montanhas do norte da Etiópia, de onde fluem 85% das águas do Nilo.

Uma vez preenchida, a barragem de 3,5 mil milhões de euros deverá produzir seis mil megawatts de eletricidade, duplicando a atual fonte de energia da Etiópia.

Embora as centrais hidroelétricas não consumam água, o enchimento da nova barragem afetará o fluxo de água a jusante. O reservatório terá eventualmente metade do fluxo anual do rio.

Quanto mais lentamente o reservatório for enchido, menor será o impacto no nível do rio. A Etiópia quer fazê-lo em seis anos, mas o Egito sugeriu um cronograma de 12 a 21 anos para que o nível do rio não caia drasticamente, de acordo com a BBC.

“Temos um plano para começar a encher na próxima estação chuvosa e começaremos a gerar energia com duas turbinas em dezembro de 2020”, disse o ministro da Água da Etiópia, Seleshi Bekele, em setembro.

O projeto conectará milhões de etíopes à rede elétrica pela primeira vez e é considerado um símbolo “da evolução do país, de um símbolo de fome e guerra à crescente potência económica da África”, de acordo com o The Times.

No entanto, a criação da barragem pela Etiópia é vista pelo Egito como um desafio à sua reivindicação histórica de domínio sobre o Nilo e a sua forte associação cultural ao rio.

De acordo com o The Economist, mais de 90% dos 100 milhões de pessoas do país vivem ao longo do Nilo ou no seu vasto delta. O rio, há muito visto como um direito egípcio, fornece a maior parte da sua água e os egípcios temem que a represa a sufoque.

As negociações entre Egito, Sudão e Etiópia sobre a barragem estão em andamento há quatro anos, mas pouco progresso foi feito. A falta de acordo desencadeou um uso crescente da retórica e das ameaças da guerra.

O Egito está a ameaçar “consequências” se a Etiópia o fizer sem antes concordar com um tratado para controlar a operação futura da barragem.

Durante uma visita recente a uma base aérea, o presidente do Egito Abdul Fattah al-Sisi disse aos pilotos para estarem “preparados para realizar qualquer missão nas nossas fronteiras ou, se necessário, fora das nossas fronteiras”.

Se a guerra acontecer, pode ser um caso unilateral. O gasto militar do Egito no ano passado foi de 9,7 mil milhões de euros, enquanto a Etiópia apenas investiu 309 milhões de euros em gastos de defesa.

  ZAP //

15 Comments

  1. Bom dia Zap, encontrei uns erros no texto, nada de especial…
    …”maior central hidrelétrica de África”…”a barragem de 3,5 mil mihões de euros”…”Embora as centrais hidrelétricas não consumam água”…”O Egito está a ameaçar “consequências” se a Etiópia ”

    Cumps.

  2. Talvez aqueles que procuram novos mundos fora das fronteiras terrestres estejam dentro da razão, há condição de um planeta para cada nacionalidade, e mesmo assim duvido que os desentendimentos entre os humanos não terminem.

    • Para se ler é preciso primeiro que esteja escrito, portanto não se pode ler como se escreve… antes de ser escrito !

  3. Pior do que brincar com o fogo é brincar com a água!
    A Etiópia, para além de não ter razão pois a água não lhe pertence, está a ignorar o desequilíbrio gritante de forças!
    Se isto der guerra, será a mais curta na História da Humanidade!

    • Entao as aguas proveem das montanhas etiopas, mas nenhuma gota pode lhe pertencer. O Egipto e o dono dessas aguas.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.