EDP recusa encerrar a central termoelétrica mais poluente do país

EDP

Central Termoelétrica de Sines

Central Termoelétrica de Sines

O administrador da EDP, Rui Teixeira, recusa-se a encerrar a Central Termoelétrica de Sines, que é apontada pela empresa ambientalista Zero como a maior unidade poluidora em Portugal.

A Associação Sistema Terrestre Sustentável – Zero elaborou um ranking das empresas e setores com mais emissões de gases com efeito de estufa, baseando-se nos relatórios oficiais do Comércio Europeu de Licenças de Emissão (CELE).

Os dois primeiros lugares do ranking das empresas mais poluentes são ocupados por centrais termoelétricas a carvão – de Sines (da EDP) e do Pego (da Tejo Energia) – que juntas representam quase um quinto das emissões de dióxido de carbono equivalente de Portugal.

“Nas empresas, segundo dados de 2015, em primeiro lugar está a central de Sines, claramente destacada, com mais de 13% das emissões totais de Portugal, seguida da central do Pego, duas centrais a carvão que têm um peso muito grande nas emissões de dióxido de carbono”, revela o presidente da Zero, Francisco Ferreira.

O presidente da associação disse, em declarações à Antena 1, que “é inevitável que as centrais fechem mais cedo ou mais tarde, e portanto aqui a questão é saber quando é que estas empresas o vão fazer”.

No entanto, o administrador da EDP, Rui Teixeira, afirmou à TSF que a Central Termoelétrica de Sines é a mais eficiente do país, dando a entender que não irá encerrá-la.

Os ambientalistas continuam a defender que as centrais poluentes deviam ser substituídas por centrais de ciclo combinado, a gás natural, que poluem muito menos.

Francisco Ferreira destaca que “a queima de carvão é muito ineficiente e por cada quilowatt hora de eletricidade produzida emitem cerca de 900 gramas de dióxido de carbono equivalente”, enquanto uma unidade de ciclo combinado a gás natural emite apenas 360 gramas.

Para o presidente da Zero, a central de Sines da EDP é antiga e está ambientalmente ultrapassada.

Setor rodoviário é o mais poluente

Na tabela divulgada, a associação revela que, “infelizmente sem surpresas”, o transporte rodoviário é o maior responsável por emissões de gases de efeito de estufa (23,5%), seguido pela produção de energia elétrica – a diferença entre os dois setores é de apenas de um ponto percentual.

Segundo adiantou Francisco Ferreira à TSF, estes números revelam a enorme dependência que Portugal tem em relação ao transporte individual ou coletivo de passageiros, mas também de mercadorias, além de uma grande predominância dos combustíveis fósseis mais poluentes”.

A indústria cimenteira, os aterros, e a produção de gado também estão entre os setores mais poluentes.

“Temos um setor relevante que é o da indústria cimenteira que, pela natureza do seu processo, emite consideráveis quantidades de gases com efeito de estufa, em particular o dióxido de carbono, seguindo-se os aterros onde o poluente principal é o metano“, destacou o presidente da Zero.

A associação ambientalista divulga o ranking antes da entrada em vigor do Acordo de Paris, na sexta-feira, depois de cumprida a exigência da ratificação de, pelo menos, 55 países responsáveis que representem 55% das emissões de gases mundiais com efeito de estufa.

BZR, ZAP / Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Segundo estas organizações ambientalistas a central de Sines é a mais poluente do país devido às emissões de… dióxido de carbono. Fenomenal!

    Alguém deveria dizer a estas organizações ou associações que o dióxido de carbono não é um poluente, o monóxido de carbono é mas não o CO2.

    Alguém deveria dizer-lhes também que o CO2 é essencial para a vida na Terra e sem o qual nós nem sequer existiríamos.

    Parece que estas pessoas convenientemente se esquecem que as plantas absorvem CO2 como alimento. Aliás, está cientificamente provado e exaustivamente comprovado por muitos agricultores que o usam nas suas estufas que quanto maior for a concentração de CO2 na atmosfera mais as plantas se desenvolvem. Crescem mais depressa e propagam-se também mais depressa com o curioso efeito a nível mundial (imaginem só) de ajudar a combater o desmatamento descontrolado que ainda ocorre em muitos países.

    O CO2 contribui efectivamente para o aumento da cobertura vegetal a nível mundial e, não menos importante, contribui também (como deveria ser óbvio) para o aumento da produção agrícola. Contribui de facto para o aumento da produção de alimentos em todas as explorações agrícolas de todo o mundo ajudando a combater a má nutrição e falta de alimentos de qualidade que ainda persiste em muitas zonas por esse mundo fora.

    É, assim, de uma enorme irresponsabilidade tentar combater a produção de CO2 quando tantos benefícios nos trás. A real consequência trazida pelo actual combate ao CO2 resume-se à diminuição da competitividade das empresas atrasando o progresso dos países.

    Fariam muito melhor se se preocupassem com os reais poluentes, com as muitas substâncias que tanto mal nos fazem à saúde e que a todo o momento somos obrigados a inspirar com o ar que respiramos ou a comer junto com a comida que ingerimos. Isto sim, seria uma atitude digna, responsável e mesmo louvável para este tipo de organizações que andam agora e desde há muito preocupadas com problemas do faz de conta.

    Já agora, alguém sabe porquê que a EDP não fecha estas centrais?
    Porque as agora tão aclamadas energias renováveis são também energias intermitentes e estas centrais termoeléctricas que funcionam em regime de prontidão são ainda fundamentais como apoio para as múltiplas ocasiões de quebra de produção a partir de centrais eólicas e fotovoltaicas.

    Estas “novas” energias renováveis, por mais que nos digam que são o único futuro possível e que até já produzem em excesso, são na verdade e infelizmente inconstantes e seriam uma autêntica dor de cabeça para todos nós (produtores, distribuidores e consumidores) se não existissem centrais termoeléctricas de apoio a funcionar em regime de prontidão.

RESPONDER

Setor da restauração diz que os apoios e horários estabelecidos aumentam a “escravização"

Segundo um documento da PRO.VAR, dois em cada três (66,4%), dos estabelecimentos localizados em centros comerciais, ponderam apresentar pedidos de insolvência. O trabalho tem por base um inquérito a empresas do sector realizado entre os dias …

Ucrânia diz que Rússia não responde a pedido de conversações, mas conta com o apoio da NATO

O Presidente ucraniano, Volodimir Zelenskii, disse que ainda não conseguiu falar com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, para discutir a escalada do conflito no Leste da Ucrânia. A Rússia e a Ucrânia acusam-se mutuamente de …

"O trabalho liberta." Polícia comunica pichagem nazi no Porto ao Ministério Público

A Polícia Municipal vai comunicar ao Ministério Público (MP) uma pichagem num portão da Avenida do Brasil, no Porto, com a frase nazi "o trabalho liberta". Uma pichagem num portão da Avenida do Brasil, no Porto, …

Um morto e um ferido em tiroteio junto a hospital em Paris. Atirador encontra-se em fuga

Um tiroteio numa rua no bairro 16 da capital francesa causou a morte de um segurança do hospital Henry Dunant e ferimentos muito graves numa utente. Os disparos deram-se em frente ao hospital Henry Dunant, …

Bloco de Esquerda quer plano nacional de férias de Verão financiado pelo Governo

O Bloco de Esquerda vai entregar um projeto de lei na Assembleia da República para que o Governo defina um programa de férias de Verão. Catarina Martins, coordenadora do partido, frisa que a maior parte …

Índia ultrapassa Brasil e é o segundo país mais afetado pela covid-19

A Índia é o segundo país mais afetado pela pandemia de covid-19, ultrapassando o Brasil, depois de registar um valor máximo de 168 mil novas contaminações nas últimas 24 horas. O país, com 1,3 mil milhões …

Dois anos depois, mulher de Assange pede que Reino Unido pressione EUA para acusações caírem

A mulher de Julian Assange, Stella Moris, disse que a Grã-Bretanha seria mais forte a fazer campanha contra regimes autoritários se pressionasse o Governo Biden a retirar o seu apelo para o extraditar sob acusações …

Operação Marquês. Ministério Público pede alargamento do prazo previsto na lei para recorrer

Depois da decisão instrutória tomada pelo juiz Ivo Rosa, os procuradores Rosário Teixeira e Vítor Pinto já entregaram um requerimento a pedir 120 dias para o recurso. O alargamento do prazo passaria assim a ser …

Duas mortes e 271 infetados em 24 horas. Rt continua a subir em Portugal

O boletim da DGS desta segunda-feira dá conta de mais 271 novos casos. Registaram-se ainda mais duas mortes por covid-19. Segundo a DGS existem 25.784 casos ativos, menos 176 do que na véspera, e há mais …

Maioria dos pobres em Portugal trabalha (os "três D" da pobreza e 4 perfis que são uma "supresa")

Um quinto da população portuguesa é pobre e a maior parte das pessoas em situação de pobreza trabalha, mantendo vínculos laborais sem termo. As conclusões são de um estudo promovido pela Fundação Francisco Manuel dos …