Economista canadiano acusado de manipular a dívida pública vai processar Portugal

(dr) Peter Boone

Peter Boone, doutorado em Harvard foi consultor de vários governos britânicos.

Peter Boone, doutorado em Harvard foi consultor de vários governos britânicos.

O economista Peter Boone, que foi acusado pelo Ministério Público (MP) português de ter manipulado títulos da dívida portuguesa, admite processar o Estado por “investigação grosseiramente incompetente e negligente”, segundo uma nota enviada à Lusa pela sua defesa.

O economista canadiano Peter Boone prepara-se para processar o Estado Português por investigação grosseiramente incompetente e negligente conduzida pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) e pelo Ministério Público”.

A intenção foi adiantada em nota à Lusa, poucos dias depois de ter transitado em julgado a decisão do Tribunal da Relação de Lisboa que confirma a decisão de não-pronúncia da acusação, decidida na primeira instância.

O economista, que em 2014 foi acusado pelo MP do crime de manipulação de mercados em 2010 e de ter conseguido ganhos de cerca de 820 mil euros com venda a descoberto de títulos de dívida portuguesa em 2010, admitiu também instaurar ações aos autores dos relatórios da CMVM relacionados com a investigação.

É uma tragédia para Portugal que reguladores e procuradores do Ministério Público considerem apropriado usar as instituições do Estado para fabricar casos contra os críticos, em vez de focarem os seus esforços em prevenir o custo das crises financeiras que emergem sob os seus olhos”, considerou Peter Boone.

O doutorado em Harvard, que sempre viu na acusação do MP um ataque à liberdade de expressão, considerou que “o veredicto do Tribunal da Relação torna claro que o MP tentou, de forma ilegal, alargar o crime de manipulação de dívida além do seu âmbito legal, de forma a torná-lo uma ferramenta mais eficiente para silenciar críticos”.

Para a defesa do economista canadiano, Portugal fica agora na “indesejável posição de o Tribunal Europeu lhe vir a apontar mais violações do direito à liberdade de expressão do que a qualquer outra nação europeia”.

Peter Boone, do Centro de Desempenho Económico da London School of Economics, e Simon Johnson, antigo economista do FMI, publicaram em 2010, no blogue Economix, do New York Times, um artigo defendendo que o país corria o risco de bancarrota e incumprimento, intitulando que Portugal seria “o próximo problema global”.

Os autores apontavam os problemas da dívida pública portuguesa e defendiam que o país iria seguir o caminho da Grécia, pedindo um regaste internacional.

Poucos dias após a publicação, a CMVM deu início a uma investigação ao artigo de opinião, mandando ainda uma carta de solicitação de assistência internacional à Autoridade dos Serviços Financeiros do Reino Unido, para obter mais informações.

Na altura, o regulador do mercado português concluiu que era “exagerado e parcial” considerar que Portugal seria o próximo a necessitar de assistência financeira e, mais tarde, acusou Peter Boone de “tentar manipular o mercado“.

Isto porque, após a publicação do artigo, a taxa de juro das obrigações portuguesas a 10 anos iniciou uma subida vertiginosa, passando de 4,395% para um máximo de 6,285%: um desempenho originado pela queda do preço das obrigações, com a qual Boone terá alcançado uma mais-valia de 819 mil euros graças a uma posição curta, segundo o MP, que acaba por acusar o economista de crime de manipulação de mercado em 2015.

Para o MP, o arguido tinha interesse na desvalorização da dívida portuguesa e na subida das taxas de juro, uma vez que só a respetiva desvalorização permitia recuperar a dívida com mais-valias e potenciar os seus ganhos.

Além disso, segundo o MP, , nos artigos que escrevia o economista não fazia referência explícita a possíveis conflitos de interesse, como o facto de estar ligado à Salute Capital Management, que prestava serviços de aconselhamento de investimento em dívida pública portuguesa ao ‘hedge-fund’ Moore.

Ora, em outubro de 2016, o Tribunal de Instrução Criminal decidiu-se pela não-pronúncia de Peter Boone, retirando as acusações, sendo que o Ministério Público recorreu desta decisão um mês mais tarde.

Mais recentemente, em 21 de junho, o Tribunal da Relação confirmou a decisão da primeira instância e, em 12 de julho, a decisão do Tribunal da Relação de Lisboa transitou em julgado, segundo informação da defesa do economista.

// Lusa

7 COMENTÁRIOS

    • Um “artista” que avisou da crise iminente e que os governantes da altura não só não pareciam saber, mas até negaram. Quando se faz dos governantes e inocentes e de quem nos avisou, de vilão, está tudo dito! O falso ” patriotismo” é paralelo ao fanático clubismo Português, infelizmente.

  1. Mais uma do Teixeira dos santos e seus apaniguados. Diz este Senhor que gastou uma pequena fortuna a defender-se. Agora deve querer uma grande fortuna e é bem feito. Paga zé contribuinte e não bufes!

  2. Tribunal da Relação de Lisboa a 21/06/2017. Processo 4798/12.5TDLSB.L1
    RECORRENTE: Peter David Boone (e não: “Ministério Público”)
    Decisão: NEGADO PROVIMENTO (!).
    Afinal, como é ?!

  3. Não gosto deste tipo de “artistas”. Normalmente manipulam os mercados a seu favor…
    Mas o Governo Português também se tem “posto a jeito” destes indivíduos/instituições abusarem e estragarem a nossa credibilidade nos mercados.
    No final, é mais culpa dos nosso governantes do que destes “artistas”…

  4. Estes indivíduos vivem de especulação financeira. Atiram palavras da boca pra fora e como os meios de comunicação lhes dão cobertura, a coisa alastra-se e as acções e obrigações sofrem variações anormais. Agora ainda quer processar o Estado Português e ir apanhar mais dinheiro do que aquele que ganhou por ter arrotado falsidades. Reparem que ele deve ser de má rês, olhem o nariz dele, está empenado para dentro, alguém que ele tentava “manipular” que não gostou e lhe deu troco.

RESPONDER

Guia de descontos para uma Black Friday em grande

O conceito começou por ser uma referência ao colapso da Bolsa de Valores de Nova Iorque, em 1929. Mas a Black Friday como hoje a conhecemos só surgiu nos anos 60, quando o setor do …

Morreu o actor João Ricardo

O actor e encenador João Ricardo, 53 anos, morreu esta quinta-feira, em Lisboa, disse à Lusa a agência do actor. O actor João Ricardo, conhecido pelo seu trabalho na televisão, no teatro e no cinema, nasceu …

Chegou à Finlândia o pão feito com farinha de grilo

Uma das maiores empresas de produtos alimentares da Finlândia vai começar a vender pão de insetos, no qual grilos comuns são moídos e acrescentados à farinha normal, representando cerca de 3% do peso de cada …

39 anos por um crime que não cometeu. Finalmente livre

Craig Coley, agora com 70 anos, cumpria pena de prisão perpétua pela autoria de dois homicídios em 1978. No entanto, 39 anos depois, a sua inocência foi provada e o norte-americano foi libertado. O governador da …

Neutralidade da Internet em jogo nos EUA. Portugal é mau exemplo

A administração Trump quer reverter o princípio do livre acesso a qualquer tipo de conteúdo na Internet. Jornais internacionais apontam Portugal como exemplo de falta de neutralidade. Os Estados Unidos da América vão votar o fim …

Trabalhadores do privado voltam a receber subsídios de Natal e de férias por inteiro

O pagamento dos subsídios de Natal e de férias no setor privado vai deixar de ser feito parcialmente em duodécimos e voltará a ser feito de uma só vez, em 2018, depois da aprovação de …

O milionário que matou o Gawker quer os restos do cadáver

Os advogados do vingativo milionário Peter Thiel apresentaram, esta semana, uma ação para contestar uma previdência cautelar que o impede de comprar os ativos do já "adormecido" Gawker. Em causa, estão os arquivos de 14 …

Governo quer terrenos privados limpos até 15 de março

Os proprietários privados têm "até 15 de março" para limpar as áreas envolventes às casas isoladas, aldeias e estradas e, se não o fizeram, os municípios terão "até ao final de maio" para proceder a …

Uma explosão, segredos de Estado e rumores, mas ainda não há sinal do submarino

As buscas pelo submarino argentino ARA San Juan, que está desaparecido há oito dias, entraram numa fase crítica, quando as esperanças de encontrar a tripulação viva estão praticamente esgotadas. Sem pistas sobre o submarino, há …

Bancos aumentaram ganhos com as comissões pagas pelos clientes

A banca nacional facturou 1,62 mil milhões de euros em comissões líquidas, pagas pelos clientes, desde Janeiro até Setembro de 2017. Um valor que reflecte uma subida de 5,7% relativamente a 2016. Estes dados são avançados …