“Duplicidade” de posições de Costa e Centeno sobre resposta da UE fragiliza Portugal

Luís Forra / Lusa

O Conselho Europeu reúne-se quinta-feira e “ainda não sabemos o que fará o Governo português”. A líder bloquista, Catarina Martins, critica o que diz ser uma diferença de posições entre António Costa e Mário Centeno.

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, criticou as posições diferentes sobre a resposta europeia à crise do primeiro-ministro, António Costa, e do ministro das Finanças, Mário Centeno, enquanto presidente do Eurogrupo, considerando que esta duplicidade fragiliza Portugal.

O “País Ligado” de hoje – um vídeo diário da líder bloquista divulgado pelo partido sobre a pandemia – é dedicado às “decisões essenciais” para o futuro de Portugal e dos vários países que vão ser tomadas no Conselho Europeu de quinta-feira, no qual vai ser decidido “se há ou não uma resposta europeia à crise”.

“Ainda não sabemos o que fará o Governo português. António Costa tem dito que não quer mais austeridade e quer uma resposta solidária, mas Mário Centeno, enquanto presidente do Eurogrupo, tem sustentado as posições alemãs. Esta duplicidade fragiliza Portugal e fragiliza a possibilidade de uma resposta europeia”, critica.

Apesar da pouca expectativa que os bloquistas têm sobre o que fará a União Europeia, Catarina Martins antecipa que “até os europeístas mais convictos se vão perguntar para que serve uma União Europeia se não serve sequer para responder a esta crise”.

O BE já propôs ao Governo português, com o objetivo que fosse discutido neste Conselho Europeu, a criação de um fundo europeu de recuperação económica “concretizável sem austeridade” que poderia financiar Portugal até 30 mil milhões de euros, anunciou na semana passada a eurodeputada bloquista Marisa Matias.

“E hoje mesmo, o Governo espanhol apresenta a proposta de um fundo de recuperação, dentro destas linhas também, com um bilião e meio de euros para recuperar os vários países da União Europeia”, refere a coordenadora do BE.

Este fundo de recuperação, na perspetiva dos bloquistas, é a proposta “mais ambiciosa e que tem mais capacidade estrutural”. “O fundo de recuperação surgiu numa reunião do Eurogrupo, mas por enquanto não passa de um slogan. A ideia é transformá-lo num verdadeiro instrumento para financiar a recuperação económica dos vários países.”

A possibilidade do Conselho Europeu adiar uma decisão neste momento, “face à situação sanitária, económica e social de tantos países da União Europeia”, é, para a deputada do BE, “já uma decisão” e “comporta riscos graves”.

“Há quem tenha vindo a avisar que se não há resposta europeia, em pouco tempo teremos ditaduras na Polónia, na Hungria, fascistas no governo italiano ou espanhol”, alerta.

Um outro cenário é “haver uma resposta europeia, mas semelhante àquela que existiu para a crise financeira 2007/2008″, aponta Catarina Martins.

“Os países endividam-se junto do mecanismo europeu de estabilidade e daqui a um ano ou dois, como os tratados continuam em vigor, serão forçados a medidas de austeridade com o pretexto da consolidação orçamental. Portugal, infelizmente, conhece bem demais esta receita e sabemos que só acrescenta crise à crise”, alerta.

O próximo encontro entre os chefes de Estado e Governo da União Europeia está agendado para a próxima quinta-feira.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Benfica 2-0 Vitória SC | "Águia" vence e adia festa do Porto

Não foi esta terça-feira que o FC Porto festejou o 29º título de campeão nacional. Na recepção ao Vitória Sport Clube, o Benfica venceu por 2-0, num embate relativo à 32ª jornada da Liga NOS, …

Elon Musk lança concurso para ver quem consegue bater um caracol

O multimilionário, através da sua empresa especializada em construção de túneis, lançou um concurso mundial para ver quem é capaz de bater um caracol. De acordo com o jornal Daily Mail, Elon Musk lançou um concurso …

Covid-19. Tóquio quer pagar até quatro mil euros a bares que fiquem fechados

As autoridades de Tóquio, no Japão, estão a ponderar pagar um subsídio, que pode chegar aos quatro mil euros, aos bares que se mantenham fechados para conter a propagação da covid-19 na cidade. De acordo com …

Médicos franceses detetaram primeiro caso de bebé infetado no útero

Médicos em França pensam ter identificado aquele que será o primeiro caso confirmado de um bebé infetado com covid-19 no útero materno. De acordo com o site Business Insider, a equipa médica conta que a …

17 anos depois, Estados Unidos voltam a aplicar a pena capital a nível federal

Os Estados Unidos procederam, esta terça-feira, à primeira execução federal de um prisioneiro no "corredor da morte" em 17 anos, através de uma injeção letal. Daniel Lewis Lee, 47 anos, natural de Yukon (Oklahoma), foi executado …

Com o pretexto de paz, "senhor da guerra" vai ganhando poder na República Centro-Africana

O "senhor da guerra" Ali Darassa foi pago pelo presidente da República Centro-Africana e já influenciou a demissão de um ministro numa tentativa de manter a paz no país. A República Centro-Africana é um país atormentado …

Ministério Público acusa 25 arguidos pela queda do BES

O Ministério Público deduziu acusação, esta terça-feira, contra 25 arguidos, 18 pessoas singulares e sete pessoas coletivas, no âmbito do processo sobre a queda do Universo Espírito Santo. "O Ministério Público do Departamento Central de Investigação …

Agora, até o Toyota Corolla é um crossover

O Toyota Corolla Cross é o mais recente SUV da marca japonesa. Apesar de a marca estar a reforçar a sua gama de SUV, Portugal terá de esperar mais um pouco. Na semana passada, a Toyota …

Da Escócia à Grécia, Kleon pedalou durante 48 dias para regressar a casa

Um jovem grego, "preso" na Escócia devido ao cancelamento dos voos por causa da pandemia de covid-19, decidiu pedalar durante 48 dias consecutivos para conseguir regressar a casa. De acordo com a CNN, Kleon Papadimitriou, de …

Após fugirem da Venezuela, milhares foram obrigados a regressar por causa da pandemia (mas não é assim tão fácil)

Desde 2016, quase cinco milhões de venezuelanos deixaram o país, fugindo da pobreza e dos serviços sociais e de saúde em colapso. Agora, a pandemia de covid-19 forçou-os a regressar à Venezuela - se o …