Dois super-aviões russos chegaram esta madrugada para ajudar no combate às chamas

Dois aviões pesados Beriev chegaram esta madrugada a Portugal vindos da Rússia, ao abrigo do protocolo de proteção civil assinado entre os dois países, disse à Lusa fonte do Ministério da Administração Interna.

Os dois aviões aterraram na base aérea de Monte Real, distrito de Leiria, entre as 04h00 e as 05h00 de sábado, tendo sido depois deslocados para os locais onde o comando nacional de proteção civil entender serem mais necessários no combate aos incêndios florestais.

O Beriev Be-200 Altair é uma aeronave anfíbia utilizada para combate a incêndios, busca e salvamento, patrulha marítima, carga, e transporte de passageiros, tendo uma capacidade de 12 toneladas (12.000 litros) de água, ou até 72 passageiros.

O distrito de Aveiro era esta sexta-feira a zona de Portugal continental que mais meios mobilizava no combate às chamas, com mais de mil operacionais no terreno e vários meios aéreos, segundo a Proteção Civil.

Na lista de “ocorrências importantes” destacadas na página da Internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil (com mais de três horas e mais de 15 meios de socorro), apenas relativas ao continente, o distrito de Aveiro surge com quatro incêndios ativos.

Às 10h00, a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), destacava sete incêndios ativos: quatro no distrito de Aveiro, dois em Vila Real e um em Viana do Castelo.

Marcelo diz que não houve má vontade europeia

O presidente da República acredita não ter havido má vontade europeia na resposta ao pedido de ajuda feito por Portugal para o combate aos incêndios florestais que devastam o país.

“Não penso que haja má vontade europeia em relação à solicitação portuguesa”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa depois de uma reunião com o presidente da Liga dos Bombeiros, Jaime Marta Soares.

O chefe de Estado recordou que “em curto espaço de tempo” houve respostas de Espanha, Itália, Marrocos e Rússia que deslocaram para Portugal vários meios aéreos.

“É uma resposta, que não sendo massiva, vem ajudar significante a intervenção das forças no terreno”, declarou aos jornalistas.

Na quinta-feira, em Arouca, a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, mostrou-se insatisfeita com a resposta dos parceiros europeus ao pedido de ajuda de Portugal civil para fazer face aos muitos incêndios que lavram no país.

“Estava à espera de uma maior solidariedade dos parceiros europeus”, afirmou a ministra, sublinhando que Marrocos, apesar de não pertencer à União Europeia, respondeu prontamente ao pedido de auxílio.

O Presidente prometeu ainda “acompanhar muito de perto” decisões políticas que devem ser tomadas relativamente à prevenção dos incêndios e à implementação de medidas de proteção das florestas, após este período de incêndios.

Incêndios são causados por “onda terrorista”

O presidente da Liga dos Bombeiros Jaime Marta Soares considerou que há uma “onda terrorista devidamente organizada” que provoca incêndios florestais, mas julga que devia ter sido ante antecipado o pedido de ajuda de meios aéreos.

Depois de uma audiência com o Presidente da República o presidente da Liga dos Bombeiros não classifica de incompetência política o tempo em que foi feito pelo Governo o pedido de ajuda dos meios aéreos, mas admite ter sido “um erro estratégico”.

Sobre o que diz ser uma “onda terrorista” que provoca os incêndios florestais, o presidente da Liga considera impossível haver ignições de fogo com uma frente tão vasta como as que se têm verificado nestes últimos fogos na zona norte e centro do pais e Madeira.

Marta Soares lembrou que 98% dos fogos florestais têm mão humana e que desses 75% serão de origem criminosa.

O responsável da Liga espera que, depois deste período de incêndios, sejam efetivamente tomadas decisões políticas de verdadeira prevenção dos incêndios, para que se evite repetir todos os anos as mesmas discussões, sem consequências.

Uma das propostas da Liga dos Bombeiros é a criação de um observatório nacional para os incêndios florestais, que analisa as diversas questões no que respeita quer à prevenção quer ao combate aos fogos.

“Há uma negligência criminosa em não se levarem por diante projetos de reflorestação”, disse Marta Soares, como um dos exemplos do que não tem sido feito em Portugal.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

13 COMENTÁRIOS

  1. Grande Putin, os americanos e a Merkel é tudo treta só conversa, temos uns aliados da trampa, é só sugar com medidas de austeridade, sou capaz de jurar com a desgraça que assolou Portugal a Merkel vai mandar a troika ainda vai impor mais medidas.

  2. É tudo um grande jogo!
    Russia e Marrocos: somam quatro aviôes!
    EU: dois!
    Será benéfico para Portugal estar entalado com tantas régras?
    …. EU…………………………………………….

  3. Realmente tem-se de agradecer a quem ajuda. Os meios pedidos á união europeia ficaram em saco roto… Muito obrigado Putin e obrigado Marrocos por enviar meios para minimizar e salvar a floresta Portuguesa.

  4. Não há duvida que isto leva-nos a tirar algumas conclusões.
    Para mim, é visivel há muito tempo que esta UE, principalmente desde que alguns atores politicos neoliberais assumiram destaque, como Merkel entre outros, perdeu um dos pilares da sua fundação. Esse pilar chamava-se solidariedade. Se duvidas existiam, ficam agora desfeitas. Com quem podemos realmente contar dentro da UE foi com a Espanha e a Itália ( curiosamente dois países do sul da europa ), todos os outros podiam ver um Estado membro (Portugal) arder duma ponta a outra que não ajudavam NADA. Bandalhos!
    É nas horas dificeis que se vêm os amigos, ditado bem nosso, e neste caso viu-se bem quem foram os nossos amigos, ESPANHA, ITÁLIA, TIMOR, MARROCOS E RUSSIA.
    Como português, para estes países o meu BEM HAJAM!

  5. Concordo com todos os comentários aqui escritos.
    Embora agradeça a todos os países que mostraram disponibilidade para ajudar eu destacaria TIMOR.
    A Espanha ajudou mas também por conveniência deles ( pois o fogo poderia bem passar para o lado deles, principalmente os de Arcos de Valedez, Viana e Caminha), A Russia e Marrocos ajudaram porque são acordos existentes e que naturalmente contemplam contrapartidas. No caso dos Russos isto é contrapartida pela compra que lhes fizemos dos helicópteros KAMOV. Relativamente a Marrocos, esta ajuda tambem vem ao abrigo de um acordo entre nós e eles.
    Por isso digo, a ajuda de um país pequenino e pobre como Timor, foi sem duvida a que mais me impressionou e a que mais me comoveu porque considero-a genuína, desinteressada e solidária. Aquele povo tem de facto um sentimento especial por este Portugal, visivel até nas manifestações de alegria quando ganhámos o Euro. Olhar para Timor no dia da nossa vitória foi quase como se Timor fosse português, tanta gente com bandeiras portuguesas por todo o lado. Um grande obrigado e um abraço para Timor.

    • Você tem toda a razão e ainda em relação ao negócio ruinoso dos Kamov sempre avariados e sem material de substituição muita coisa está por esclarecer e é um negócio de muitos milhões, quanto a Timor esses sim são amigos sem interesse no negócio e só lamento que não haja por cá empresários no negócio do turismo capazes de colaborar com as autoridades locais para o incentivo do turismo lá pois parece ser um lindo país onde muitos de nós uma vez na vida talvez tivéssemos a possibilidade de apreciar e conviver com as gentes locais.

      • Sem duvida, muito carece ainda de explicações sobre aquele negócio.
        Quanto a irmos a Timor, também concordo. Acho que devíamos todos poder lá ir nem que fosse uma vez. Alguns empresários portugueses já la investem mas, ainda são poucos. Pelo que li, Timor é muito bonito. No plano dos negócios, é um país estratégicamente bem situado também.

  6. Gostava mesmo que a Tv mostrasse imagens dos aviões russos a combater os nossos fogos e abastecer em pleno voo e já agora a realçar a sua contribuição que é bem vinda. Será distracção minha!

  7. Será uma boa ajuda que agradecemos, mas já no passado parece-me que a ação se centrou em torno dos helicópteros Kamov os quais acabaram por comprar meia dúzia que parecem estar constantemente avariados e sem peças de substituição, ficaram caríssimos e pelos vistos é só sucata e não há governantes capazes de nos explicarem o fracasso do negócio de tantos milhões.

  8. Será para aproveitarem mais uma oportunidade para verem se nos vendem uns aviões para levarem o mesmo destino dos helicópteros Kamov que nos impingiram e que não funcionam e nem sequer peças de substituição existem para eles?

RESPONDER

Bruxelas propõe alívio das regras para slots das companhias aéreas até 2022

A Comissão Europeia propôs esta segunda-feira prolongar, até março de 2022, o alívio das regras da União Europeia (UE) para faixas horárias de descolagem e aterragem das companhias aéreas, devido aos efeitos ainda visíveis da …

Termos associados à pandemia foram os mais pesquisados no Google

Num ano marcado pela pandemia, os termos mais pesquisados no Google em Portugal estão relacionados com a covid-19, sendo a primeira vez em que a liderança do 'ranking' de pesquisas não está associada à meteorologia. "O …

Dois dos portugueses suspeitos de violarem jovens espanholas podem ficar em prisão preventiva

O Ministério Público (MP) espanhol pede que dois dos portugueses suspeitos de violarem duas jovens espanholas fiquem em prisão preventiva. Os quatro jovens dizem que as relações sexuais foram consentidas. O Ministério Público (MP) espanhol quer …

Trofense: todos os titulares portugueses, todos os suplentes brasileiros

Curiosidade à volta da equipa da Trofa, que não foi além do primeiro jogo na Taça da Liga. "É a equipa Roberto Leal". O Trofense conseguiu o regresso às competições profissionais de futebol e, por isso, …

Polícia encerra escritório do canal de televisão Al-Jazeera na Tunísia

A polícia encerrou esta segunda-feira o escritório em Tunes do Catar Al-Jazeera, depois de expulsar todos os jornalistas das suas instalações, disse o diretor do canal televisivo, Lotfi Hajji, à agência de notícias France-Presse (AFP). "Cerca …

Oito semanas é o intervalo "ideal" para aumentar eficácia da vacina da Pfizer

Estudo desenvolvido pelo Department of Health and Social Care (DHSC) comparou os resultados obtidos com um intervalo de 4 semanas (como é feito em Portugal) e um intervalo de 10 semanas. Os resultados sugerem que …

Afinal, receitas escritas à mão são válidas por mais um ano

Médicos já não podiam passar receitas escritas à mão desde 30 de junho, mas agora o Governo prolongou essa possibilidade até 30 de junho de 2022. De acordo com a TSF, o Governo decidiu prolongar até …

Groundforce garante pagamento atempado dos salários de julho

A Groundforce comunicou esta segunda-feira aos trabalhadores que, depois da garantia do Governo de que a TAP irá pagar os serviços de junho antes do processamento salarial, a empresa terá condições para o pagamento atempado …

Tunísia. Presidente demite primeiro-ministro e suspende parlamento

As autoridades tunisinas cercaram o parlamento esta segunda-feira, após o Presidente do país, Kais Saied, suspender o parlmanento e demitir o primeiro-ministro, Hichem Mechichi, devido aos protestos que decorrem no país, cujo o foco são …

Galp critica Governo. Relatório sobre margens na venda de combustíveis está “cheio de erros”

O presidente executivo da Galp criticou esta segunda-feira o relatório da Entidade Nacional para o Setor Energético (ENSE) que foi a base para o Governo avançar com um diploma para limitar as margens na comercialização …