Doentes com cancros em estado avançado viram as suas cirurgias adiadas devido à greve

Rodrigo Antunes / Lusa

Nove doentes com cancros de grau 3 e 4 viram as suas cirurgias adiadas devido à segunda greve cirúrgica dos enfermeiros,  apesar de urgentes e abrangidas pelos serviços mínimos.

Segundo a argumentação enviada esta terça-feira ao Supremo Tribunal Administrativo (STA) pelo Governo, os serviços mínimos foram desrespeitados em cerca de 450 cirurgias em quatro centro hospitalares durante a greve em cursos dos enfermeiros nos blocos operatórios.

No documento, a que a Lusa teve acesso, o Governo apresenta casos concretos ocorridos nas quatros instituições abrangidas pela requisição civil: Centro Hospitalar Entre o Douro e Vouga; Centro Hospitalar Tondela-Viseu; Centro Hospitalar e Universitário de São João e Centro Hospitalar e Universitário do Porto.

Entre as cirurgias adiadas, encontram-se nove casos de intervenções a doentes oncológicos classificados com nível de prioridade 3 ou 4, os mais graves e com potencial de risco de vida.

A ação enviada para o Supremo Tribunal Administrativo para contestar a intimação apresentada pelo Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor) pretende que seja invalidada a requisição civil decretada pelo Conselho de Ministros e pelo Ministério da Saúde.

Na resposta, a tutela argumenta que, além do não cumprimento dos serviços mínimos em cerca de 450 cirurgias, há dezenas de exemplos de doentes cujas cirurgias foram adiadas, apesar de estas estarem incluídas nos serviços mínimos definidos pelo tribunal arbitral.

De acordo com o jornal Público, um dos exemplos é o de um paciente com 74 anos, com intervenção marcada para lobectomia do cérebro no hospital de Santo António, no Porto,  classificado como doente oncológico “com nível de prioridade 4”.

Também no hospital de S. João são referidos outros exemplos de doentes oncológicos grau 3 e também o de uma paciente com 68 anos com uma angioplastia marcada que teve que ser adiada, apesar de a doente estar “numa situação de risco de dano irreparável/irreversível”.

Na mesma lista surgem ainda situações clínicas pouco prioritárias, como as cirurgias às cataratas. Nestes casos, o ministério argumenta que havia o risco de incumprimento dos prazos máximos de resposta.

No entanto, apesar de concretizar muitas situações de incumprimento de serviços mínimos, na resposta à intimação o Governo admite que esse não foi o único fundamento que o levou a decretar a requisição civil, sublinhando uma situação de emergência para o serviço público de saúde, face à sucessão de greves prolongadas.

O Governo insiste que “dessa sucessão resultou não apenas o adiamento pontual de este ou daquele ato cirúrgico, mas sobretudo a disrupção generalizada dos serviços cirúrgicos como um todo”.

O Conselho de Ministros decretou a 7 de fevereiro uma requisição civil na greve dos enfermeiros em curso desde 31 de janeiro nos blocos operatórios de quatro centros hospitalares, alegando incumprimento dos serviços mínimos.

A greve cirúrgica” foi convocada pela Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE) e pelo Sindicato Democráticos dos Enfermeiros (Sindepor) em dez centros hospitalares, até 28 de fevereiro, depois de uma paralisação idêntica de 45 dias no final de 2018.

As duas greves foram convocadas após um movimento de enfermeiros ter lançado recolhas de fundos numa plataforma online para financiar as paralisações, conseguindo um total de 740 mil euros.

A requisição civil foi contestada pelo Sindepor no Supremo Tribunal Administrativo, que se deverá pronunciar nos próximos dias.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Mudem de profissão ou… mudem de País já que não se sentem bem em Portugal! Além de cilindrarem, ignorarem e ridicularizarem o Juramento dos Enfermeiros que efectuam no final do curso, como muitos médicos também o fazem, retirem-lhes as carteiras profissionais e proíbam-nos de exercerem a profissão em Portugal. Colocarem em risco a Vida de doentes oncológicos, ou quaisquer outros, é crime de homicídio premeditado.

RESPONDER

Robôs substituem estudantes em cerimónia de graduação no Japão

Impedidos de estarem na sua cerimónia de graduação por causa do novo coronavírus, estudantes japoneses marcaram presença com a ajuda de robôs. Com as universidades fechadas devido à pandemia de covid-19, muitos foram os estudantes universitários …

Governo flexibiliza prescrição eletrónica de medicamentos

Esta quinta-feira, foi publicado em Diário da República o decreto-lei que cria o regime excecional de prescrição eletrónica de medicamentos durante o estado de emergência. O Governo criou um regime excecional de prescrição eletrónica de …

Médicos imigrantes impedidos de ajudar a combater o coronavírus nos EUA

Devido às regras dos vistos, muitos médicos imigrantes estão a ser proibidos de ajudar a combater a pandemia de covid-19 fora do hospital em que trabalham. Os Estados Unidos continuam a sentir em força as consequências …

Espanha insiste em emissão conjunta de dívida europeia "a médio prazo"

A ministra da Economia espanhola diz que o acordo alcançado pelo Eurogrupo "fazia falta", mas insiste que haja emissão conjunta de dívida europeia "a médio prazo". O Parlamento espanhol aprovou, entretanto, a renovação do estado …

Hyundai apresenta conceito de novo elétrico conduzido com joysticks

A Hyundai apresentou o conceito para um novo veículo, chamado Prophecy. O carro elétrico não é guiado pelo tradicional volante, mas sim por dois joysticks. As feiras automóveis estão todas interrompidas devido à pandemia de covid-19, …

Hospital da Cruz Vermelha excluído da rede de combate à pandemia

O Hospital da Cruz Vermelha não vai integrar a "rede covid", criada em resposta à pandemia do novo coronavírus, anunciou esta quinta-feira o executivo, realçando que esta decisão é tomada porque, face à situação atual, …

Coronavírus. Luvas de látex são perigosas quando não utilizadas corretamente

Quase como acontece com as máscaras, caso não sejam utilizadas corretamente, as luvas descartáveis de látex podem ser perigosas, ajudando a disseminar mais facilmente o vírus. A pandemia de covid-19 despertou grande interesse de como as …

Bloco de Esquerda "não vai aceitar austeridade" no pós-pandemia

A coordenadora nacional do Bloco de Esquerda diz que "não vai aceitar austeridade" em 2021, após a pandemia da covid-19, e garantiu que, pelo seu partido, "não faltará maioria" para ajudar Portugal a sair de …

Em Canonica d'Adda, homens e mulheres têm dias diferentes para ir às compras

A presidente da câmara de uma pequena cidade da Lombardia, Canonica d'Adda, em Itália, decidiu que homens e mulheres terão dias diferentes para fazer compras, visando limitar a multidão nas lojas e lutar contra a …

Linhas de crédito alargadas a todos os setores de atividade

O Governo alargou os apoios "à globalidade do tecido empresarial", nomeadamente aos setores do comércio e serviços, dos transportes, do imobiliário, da construção, indústrias extrativas e transformadoras. As linhas de crédito lançadas pelo Governo para apoiar …