Dívida pública portuguesa sobe 2,4 mil milhões de euros de maio para junho

Mário Cruz / Lusa

António Costa e

António Costa e

A dívida pública subiu 2,4 mil milhões de euros em junho, face a maio, totalizando 240 mil milhões de euros no final do primeiro semestre, de acordo com informação divulgada pelo Banco de Portugal.

De acordo com o boletim estatístico do BdP, “no final do primeiro semestre de 2016, a dívida pública situou-se em 240,0 mil milhões de euros, aumentando 2,4 mil milhões de euros relativamente a maio”.

Esta variação em junho “reflete principalmente emissões líquidas positivas de títulos (2,0 mil milhões de euros)”, refere o BdP.

“O crescimento da dívida pública foi acompanhado por uma redução dos ativos em depósitos (0,3 mil milhões de euros), pelo que a dívida pública líquida de depósitos da administração central registou um aumento de 2,8 mil milhões de euros em relação ao mês anterior”, refere o boletim.

A dívida pública ascende assim “a 222,0 mil milhões de euros no final do primeiro semestre” deste ano, acrescenta o boletim do Banco de Portugal.

O valor registado em Junho representa um aumento de 3,75% face ao nível observado no final do ano passado.

Ou seja, nos primeiros seis meses do ano, a dívida aumentou em 8.674 milhões de euros.

Ministro da Economia desvaloriza subida da dívida pública

O ministro da Economia desvalorizou a subida da dívida pública, explicando que esta “evoluiu dentro de um padrão” e que como está “em linha” com o crescimento nominal existe uma “estabilização” do rácio de endividamento.

Esta segunda-feira, em Braga, à margem de visitas a empresas do distrito, Caldeira Cabral considerou que o “importante” é que a dívida pública “cresça menos” do que a economia e que haja “contenção” nas contas públicas.

“É uma evolução que vem dentro de um padrão, é um aumento de 3%, que desde que esteja em linha com o crescimento nominal, e é o que se está a ver, significa uma estabilização do rácio do endividamento”, afirmou Caldeira Cabral quando confrontado com aqueles dados do BdP.

Segundo o titular da pasta da Economia, “mais importante é garantir que há uma trajetória de crescimento da economia e contenção nas contas públicas” o que, segundo Caldeira Cabral, “garante um controlo do endividamento e uma redução do rácio de endividamento e é isso que está previsto para esta legislatura”.

O ministro referiu que “a dívida pública vai continuar a crescer dentro do padrão em que vinha“.

“Se crescer menos do que a economia vamos ter uma diminuição do rácio de endividamento”, concluiu.

(notícia atualizada às 17h30)

ZAP / Lusa

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Esta notícia pouco esclarece. Possivelmente os srs. jornalistas ainda não se aperceberam que a dívida continuará a subir enquanto existir deficit. O que seria importante saber – em vez de citar números avulsos – é se o deficit está a diminuir de acordo com as metas traçadas. Uma dívida contida sem deficit ou superavit é sempre pagável, porque o prazo de pagamento é indefinido – já dizia o Sócrates e com razão ” a dívida não se paga [totalmente] gere-se”.

  2. Banif, CGD e Novo Banco…é preciso dizer mais? Andamos todos a trabalhar e descontar para andar a salvar bancos e bancários sem vergonha. Ainda na semana passada descobriu-se que uma senhora das Finanças tem um valor de 1.3 milhões de eur numa conta da Suíça e ganhou esse dinheiro todo sabe-se lá como…aldrabices, e fugas ao fisco, claro está…corrupção num País em que as leis servem para proteger uma mão cheia de pessoas e massacrar o restante.

  3. Estamos no caminho certo. Se a cada mês que passa lá se acrescentam mais 1.445 milhões à dívida pública (8.674 a dividir por 6) então o caminho é este. Força Costa e sócios. Para a frente camaradas!

  4. Grande Vitória do Governo … E vêm estes burros do povo dizer que devia haver sansoes.
    Esses burros ainda podem pagar. Se não poderem gerem a fome. Ó Camarada Vasco onde está o Campo Pequeno?
    Força lá a meter o povo, que os escroques vai gerindo a dívida.

  5. Penso que a maioria do povo deve estar bem recordado das críticas da esquerda à divida pública entre eles a menina Catarina há uns meses atrás, agora também o senhor ministro da economia desvaloriza o acontecimento, afinal a poção mágica de governação que tinham nessa altura parece estar-se a evaporar e não produzir qualquer efeito, vamos lá a ver se amanhã já teremos aí a menina Catarina a carregar forte e feio em tal notícia!.

  6. Menina Catarina, vírgula, a nossa Primeira Ministra, afinal num golpe de Estado, governam os que o apoiaram. E o cassete? Está muito caladinho.
    Ainda vão dizer que a culpa é da conjuntura

  7. Nos primeiros seis meses do ano, a dívida aumentou em 8.674 milhões de euros !!
    A dívida pública situou-se em 240,0 mil milhões de euros, batendo todos os recordes.
    Desgraçadamente, Centeno e Caldeira, querem atirar areia para os olhos dos portugueses, afirmando que está tudo dentro do previsto, e ensinando-nos como deve ser analisado este indicador económico !
    Basta ler o que dizia Galamba quando no governo de Passos Coelho a dívida pública subia umas décimas !

  8. Mas ninguém apresenta uma solução?!
    Francamente!!!, Semana de 25 horas só para funcionários públicos os aumentam-se para 16 horas diárias.
    Assim aumentamos a produtividade e diminuímos a dívida, os Zés assim não vão ter tempo para gastar o pouco que ganham.
    Ah, e citando um velho economista proibir as viagens dos funcionários públicos a cancun…

Costa não tinha dúvidas. O parecer da PGR sobre familiares é “absolutamente inequívoco”

O secretário-geral do PS, António Costa, defendeu hoje que o parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR) sobre as incompatibilidades entre governantes e negócios com empresas de familiares é “absolutamente inequívoco”. “O parecer é absolutamente inequívoco sobre …

Jovens do mundo inteiro ocupam a ONU em inédita Cimeira do Clima

Mais de 500 jovens, representantes de mais de 140 países, ocuparam este sábado o espaço habitualmente destinado aos diplomatas da ONU. A United Nations Youth Climate Summit, primeira cimeira da juventude sobre o clima, em Nova …

Esta zebra nasceu com bolas em vez de riscas

No Quénia, foi avistada uma cria de zebra com uma particularidade: em vez de riscas, esta tinha bolinhas brancas. Habitualmente, as zebras com condições semelhantes acabam por não viver durante muito tempo. Um rara cria de …

Há rochas "saltitantes" e colapsos de penhascos no cometa da Rosetta

  Cientistas que analisam o tesouro de imagens obtidas pela missão da Rosetta da ESA descobriram mais evidências de curiosas rochas "saltitantes" e quedas dramáticas de penhascos. A Rosetta operou no Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko entre agosto de 2014 …

PS e BE afastados "porque dá jeito" (e os riscos de andar para trás)

O líder do PSD alertou este domingo para o distanciamento do PS em relação ao BE, porque “dá jeito para as eleições”, notando ser uma tentativa de “limpar” a proximidade dos últimos quatro anos e …

A KLM vai passar a "voar" de comboio

A KLM, que já tinha sugerido que se voasse menos e se viajasse mais de comboio, confirmou que vai retirar um dos voos Bruxelas-Amesterdão, passando os passageiros a efetuar a rota sobre carris, num comboio …

Cientistas fazem reconstrução facial de um guerreiro escocês do séc XV

Cientistas reconstruiram digitalmente o rosto daquele que terá sido um membro poderoso de um clã do século XV da Escócia, que terá morrido num violento conflito com um clã vizinho. Corria o ano de 1957 quando …

Estudo mostra que os golfinhos também já são resistentes aos antibióticos

Um novo estudo realizado nos Estados Unidos mostra que os golfinhos Tursiops truncatus também já mostram resistência aos antibióticos. Não é segredo que os seres humanos usam demasiados antibióticos, tanto que estamos a desenvolver uma resistência …

Indígenas famosos pela sua saúde cardíaca começaram a usar óleo de cozinha (e a engordar)

O povo Tsimane, que vive na Bolívia, tem permanecido relativamente afastado do mundo exterior durante várias gerações, prosperando da terra e praticando formas tradicionais de caça, pesca, agricultura e recolha de alimentos. Durante vários anos, sabe-se …

Mais de 150 detidos em protestos violentos em Paris. Desta vez, sem coletes amarelos

As autoridades francesas detiveram este sábado mais de 150 pessoas numa nova jornada de protestos em Paris, onde coincidiram uma manifestação dos coletes "amarelos" com outras dois em defesa do clima e contra a reforma …