Memória ou glorificação? Discurso escrito à mão por Hitler vendido na Alemanha por 34.000 euros

Jaysmark / Flickr

Um discurso que o ditador Adolf Hitler escreveu em 1939 foi vendido em leilão, na semana passada, na Alemanha, por 34.000 euros, noticia a agência noticiosa AP.

De acordo com a revista norte-americana Vice, que cita a AP, o discurso do líder nazi, de nove páginas, foi vendido a um licitador anónimo num leilão da Hermann Historica.

A leiloeira, sediada em Munique, defendeu a venda do manuscrito, alegando que o discurso em causa era historicamente significativo e pertencia a um museu.

“Se destruirmos estas coisas e estas não forem para um museu, onde especialistas podem trabalhar a partir delas, deixaremos a interpretação do que estava acontecer para os apologistas nazis de direita, que dirão que Hitler nunca disse isto”, disse o diretor da leiloeira, Bernhard Pacher, citado pela agência noticiosa.

A lei alemã proíbe a exibição de símbolos e imagens de cariz nazi, mas a memorabilia deste regime é legal, desde que os símbolos estejam cobertos, segundo a Deutsche Welle.

Alguns grupos judeus manifestaram-se contra o leilão, afirmando que este só serviu para glorificar os nazis e encorajar o anti-semitismo.

“Não consigo entender a pura irresponsabilidade e insensibilidade, num clima tão febril, de vender itens como as divagações do maior assassino de judeus do mundo para a licitação mais alta (…) O que leilões como este fazem é ajudar a legitimar os entusiastas de Hitler que prosperam com este tipo de coisa”, disse o rabino Menachem Margolin, líder da Associação Judaica Europeia , citado em comunicado.

A Hermann Historica leiloou vários objetos associados ao regime nazi nos últimos anos, entre os quais uma das fardas do líder nazi (300.000 dólares), uma cartola de Hitler (55.000), uma cópia do manifesto autobiográfico de Hitler “Mein Kampf” (130.000), bem como um vestido de Eva Braun, esposa do ditador (4.600).

A cartola e o manifesto vendidos anteriormente foram comprados por Abdallah Chatila, um milionário de origem libanesa, que os doou posteriormente à associação Keren Hayesod, uma fundação judaica israelita.

Em declarações à Deutsche Welle, o empresário disse, em meados de 2019, que comprou os objetos apenas com um objetivo: evitar que fossem utilizados por neonazis.

“É extremamente importante, para mim, que os objetos daquele doloroso período não acabem nas mãos erradas“, disse o empresário libanês.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Da "política do filho único" a incentivos à natalidade: como a China tem mudado a sua estratégia populacional

A China está a planear incluir novas medidas para estimular a taxa de natalidade do país e lidar com o rápido envelhecimento da população. A estratégia passa pelo “plano de cinco anos” que deverá estar …

Vacinação será “grande prioridade” de presidência portuguesa da UE

O primeiro-ministro português, António Costa, referiu hoje que a vacinação contra a covid-19 deverá ser uma das “grandes prioridades” da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia (UE), após um encontro com o presidente do …

No Cambodja, os aldeões usam "espantalhos mágicos" para afastar a covid-19

Os aldeões do Cambodja têm evitado a pandemia de covid-19 sem máscaras nem distanciamento social, mas sim com "espantalhos mágicos" que espantam o vírus mortal. Os dois espantalhos de Ek Chan, um aldeão de 64 anos, …

O Arecibo desabou. É o fim de uma era à procura de vida extraterrestre

O Observatório de Arecibo, em Porto Rico, morreu. Três semanas depois de um dos principais cabos de sustentação da sua cúpula ter desabado, danificado irremediavelmente o radiotelescópio, o icónico caçador de vida extraterrestre antecipou-se à …

O maior elevador panorâmico do mundo tem vista para os cenários de Avatar

Com o recente lançamento de fotografias subaquáticas dos bastidores do Avatar 2 e a notícia de que Avatar 3 está quase a terminar as filmagens, não há melhor momento para revisitar o parque nacional que …

Pandemia tirou comida da mesa, mas deu asas a startup que transforma plástico do mar em máscaras

A startup portuguesa Skizo transformou a pandemia numa oportunidade de crescimento. Quando faltava comida nalgumas mesas, a empresa de produção de sapatilhas e bolsas passou a fazer máscaras a partir de plástico retirado dos oceanos …

Na Irlanda, o Pai Natal é considerado um "trabalhador essencial"

A Irlanda fez esta semana um anúncio especialmente dedicado às crianças, afirmando que o Pai Natal é considerado um trabalhador essencial no país e, por isso, não terá as suas deslocações restringidas no período natalício. …

Mais 2400 novos casos. Portugal ultrapassa os 300 mil desde o início da pandemia

Portugal ultrapassou hoje a barreira dos 300 mil casos de covid-19 desde o início da pandemia no país, em março, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). Portugal registou mais 2.401 novos casos, tendo passado a contabilizar …

Medidas para o Natal conhecidas no sábado. Passagem de ano com todas as restrições

O primeiro-ministro, António Costa, adiantou hoje que no sábado anunciará as medidas para o Natal “com as melhores condições possíveis”, mas avisou desde já que “a passagem do ano vai ter todas as restrições”. “O Governo …

Os assentos do meio da Delta Air Lines vão continuar vazios

A companhia norte-americana Delta Air Lines anunciou esta semana que continuará a manter os assentos do meio vazios, mantendo a política de distanciamento social decretada por causa da pandemia de covid-19. A bloqueio destes lugares intermediários …