Diminuição do número de incêndios deve-se a humidade deste verão

www.Bombeiros.pt / Facebook

A Liga de Bombeiros e a Associação dos Bombeiros Profissionais atribuíram à chuva a responsabilidade pela redução do número de incêndios neste verão, mas admitem que o aumento dos meios de combate também ajuda.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Liga Portuguesa de Bombeiros (LPB), Jaime Soares, disse que este verão tem sido “muito fraco” em termos de calor e isso tem contribuído para o registo de menos incêndios.

“Este verão ainda “não existe”, pois temos tido muitos períodos de chuva e de humidade e esta é uma das melhores armas [de combate aos fogos]. O S. Pedro é o melhor bombeiro que nós temos”, realçou.

No entender de Jaime Soares, também o aumento dos meios de combate veio favorecer a situação.

“Houve um aumento dos meios humanos, materiais e de equipamentos a que não estávamos habituados. Há muito mais organização do que no ano passado”, disse.

Jaime Soares criticou, no entanto, a falta de prevenção através da limpeza de terrenos, uma lacuna antiga que “continua mal” e urge ser resolvida.

“Isto é um problema cultural de fundo e que não se resolve de um dia para o outro. Há zonas do interior que é difícil resolver, uma vez que os terrenos na sua maioria pertencem a idosos que não têm nem dinheiro para a limpeza, nem têm condições físicas para o fazer”, disse.

Calor fora de época

Também o presidente da Associação Nacional dos Bombeiros Profissionais (ANBP), Fernando Curto, disse à Lusa que o estado do tempo tem favorecido o registo de menor número de fogos.

“O tempo é um fator muito importante nestes processos. Temos tido um verão quase de inverno e isso tem vindo a favorecer a situação”, salientou.

Apesar disso, Fernando Curto considera que não “há motivos para grandes festejos” e lembrou que na semana passada um bombeiro ficou ferido com gravidade e outros três sofreram ferimentos ligeiros no combate a um incêndio em Cortiços, Macedo de Cavaleiros.

Fernando Curto disse ainda que estas situações relacionadas com o tempo são enganosas, uma vez que muitas vezes o calor vem fora de época.

“Se há muito calor temos incêndios antes do tempo, se não há vão acontecer depois do tempo, prolongando a época. Na minha opinião, continua a faltar uma reforma estrutural de tudo o que tem a ver com os incêndios: uma maior profissionalização, formação organização dos bombeiros”, disse.

O responsável salientou ainda que a “culpa está na falta de prevenção” de incêndios e de investimentos.

“Não há uma situação estrutural de prevenção municipal, do Estado e do cidadão. Se o Estado não cuida como o cidadão pode fazer. Há também um investimento maior no combate do que na prevenção e enquanto isso acontecer estaremos sempre sujeitos às catástrofes que são os incêndios florestais em Portugal”, disse.

No dia 1 de julho teve início a época mais crítica em incêndios florestais com um dispositivo de combate reforçado este ano com mais 250 bombeiros e quatro meios aéreos, em relação a 2013.

De acordo com dados da Autoridade Nacional de Proteção Civil, desde o dia 1 de julho registaram-se mais de 750 incêndios.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Disney+ alerta para estereótipos racistas. Filmes clássicos com avisos sobre "maus tratos"

Embora já exibisse mensagens padrão desde o ano passado, a nova plataforma de vídeo Disney+ mostra agora um aviso, que não pode ser passado à frente, no início de vários filmes clássicos - como Dumbo …

Curados da covid-19 continuam com sintomas meses depois de terem contraído o vírus

Um estudo da Universidade de Oxford indica que 64% dos pacientes hospitalizados com o novo coronavírus apresenta falta de ar 2 a 3 meses depois de serem infetados. E quase 40% tem sintomas de depressão. Já …

Portugal vai estar no Mundial sub-20 (sem jogar o apuramento)

Todas as fases do Europeu sub-19 foram canceladas e a seleção portuguesa foi uma das eleitas para participar no Mundial do próximo ano. Portugal já sabe que vai estar na fase final do Mundial sub-20 (se …

Novos implantes cardíacos podem salvar 10 mil vidas por ano

O chamado envelope antibiótico envolve o implante cardíaco e previne infeções no paciente. Por ano, morrem cerca de 10 mil pessoas devido a infeções geradas pelo implante. O pacemaker é um pequeno aparelho que é colocado …

Banda dá concerto com músicos e público envoltos em bolhas de plástico para evitar contágio

A banda norte-americana Flaming Lips utilizou bolhas insufláveis ​​de tamanho humano num concerto em Oklahoma, uma solução para proteger os músicos e o público do novo coronavírus, enquanto tenta encontrar uma forma segura para atuar …

EUA. Especialista diz que as próximas semanas "vão ser as mais negras de toda a pandemia"

Um especialista em doenças infecciosas disse que no caso dos Estados Unidos, as próximas seis a 12 semanas vão ser as mais negras de toda a pandemia de covid-19. Michael Osterholm, diretor do Centro de Investigação …

Chelsea inscreve... Petr Cech

Antigo guarda-redes poderá voltar aos relvados nesta época, embora seja pouco provável, para já. Petr Čech entrou em campo pela última vez em maio de 2019, há quase um ano e meio. Já tinha anunciado a …

Disparos de satélites e naves do Star Trek? Relatório revela como seria uma guerra no Espaço

A criação da Força Espacial dos Estados Unidos evocou todos os tipos de noções fantasiosas sobre o combate no Espaço. Assim, um novo relatório explica o que é física e praticamente possível quando se trata …

Japão prepara-se para lançar água tratada de Fukushima no mar

O Japão vai libertar mais de um milhão de toneladas de água tratada da usina nuclear de Fukushima no mar, numa operação que levará cerca de 30 anos para ficar concluída. Ambientalistas e pescadores locais …

Turismo de mergulho? Submarino da "frota perdida" de Hitler aguarda o seu destino no fundo do Mar Negro

Coberto por “redes fantasmas” deixadas por pescadores, os destroços de um submarino U-20 enviado para o Mar Negro pela Alemanha nazi tornou-se recentemente tema de um documentário produzido na Turquia. Localizado a uma profundidade de 20 …