Quem devem os carros autónomos matar? O MIT já sabe

O famoso dilema moral e ético da situação de acidente onde é possível salvar o condutor e atropelar peões, ou vice-versa, ganhou todo um novo campo de discussão desde que a decisão passou a poder ser tomada não apenas pelo condutor, mas pelo próprio automóvel. E o enredo complica-se.

Em 2016, o MIT lançou um inquérito chamado Moral Machine, no qual perguntava a pessoas de todo o mundo que tipo de decisões os automóveis autónomos deviam tomar em situações complicadas onde tivessem que decidir “quem matar”. E agora, temos os resultados.

A questão deu bastante que falar na altura, recriando problemas hipotéticos do tipo: se um carro autónomo estiver na iminência de matar uma pessoa, deverá evitar matá-la, mesmo que para isso tenha que chocar com uma parede e potencialmente matar os ocupantes? E se em vez de uma pessoa for um grupo de crianças; ou um criminoso; ou um executivo?

As variantes são mais que muitas, e o MIT relembra o facto de que estes resultados visam apenas espelhar a opinião de milhões de pessoas pelo mundo, e não deverão ser encarados como um “guia directo” que deva ser transposto para os sistemas de controlo dos automóveis. O estudo foi publicado a semana passada na revista Nature.

Os resultados são curiosos, no sentido em que por um lado confirmam uma tendência moral global que se manteve constante entre todas as pessoas que responderam, como a de dar prioridade às vidas humanas face à vida de animais, maior valor a grupos de pessoas do que uma só, e também valorizar a vida de crianças face a adultos.

Mas por outro lado, há diferenças regionais. Países mais ricos têm maior probabilidade de dar preferência a salvar uma pessoa com estatuto elevado face a um “mendigo”; em países mais pobres essa tendência inverte-se.

São resultados que deverão ser analisados em detalhe, já que será inevitável que, por iniciativa própria dos fabricantes destes sistemas, ou por legislação, este tipo de questões tenha que ser considerada.

Até ao momento, o único país que já legislou sobre isto foi a Alemanha, para especificar que todas as vidas devem ser consideradas como tendo valor igual, e que por isso não será admissível que um carro eventualmente desse prioridade a salvar uma pessoa rica face a uma pobre.

Mas de igual modo, a legislação alemã sobre o tema também prevê que o veículo autónomo não daria prioridade a salvar uma criança face a matar uma pessoa velha.

É um tema que seguramente irá dar bastante que falar. Mas num mundo ideal, é de esperar que os automóveis autónomos atinjam tal nível de segurança, que nunca chegue a ser necessário colocar em acção estas regras morais.

Até porque, antes de esta legislação ter sido aprovada na Alemanha, a Mercedes já tinha deixado muito clara a sua escolha: confrontados com o dilema, os seus futuros veículos autónomos iriam salvar os condutores (e sacrificar os peões) – opção que pode parecer duvidosa a qualquer peão… excepto se estiver a pensar comprar um Mercedes.

ZAP // AadM / MIT

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. A Marca Mercedes é fruto e fornecedor do egoísmo, dando prevalência à causa própria ou seja a quem causa o problema e não à vítima (um terceiro sem vantagem na existência da marca automóvel).

    Caso o peão seja dono, acionista, empregado ou concessionário da marca ou mesmo também proprietário de um Mercedes, então estou-me nas tintas

RESPONDER

Utentes da Soflusa estão “cansados” de constantes supressões

Os utentes da Soflusa mostraram-se esta segunda-feira "cansados" das constantes supressões das ligações fluviais entre o Barreiro e Lisboa, que estão hoje a acontecer durante todo o dia devido à falta de mestres. "Já estou a …

Banco Alimentar recolhe 1.605 toneladas de alimentos no fim de semana

O Banco Alimentar contra a Fome recolheu 1.605 toneladas de alimentos durante o fim de semana da campanha nacional que decorreu em mais de duas mil superfícies comerciais, anunciou a presidente do Banco Alimentar contra …

Sérgio Conceição apontado à Lazio

A imprensa italiana aponta esta segunda-feira o treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, à Lazio. O técnico português, recorde-se, passou pelo emblema italiano em duas ocasiões como jogador de futebol. O jornal italiano Il Messaggero adianta …

Filial portuguesa de multinacional alemã envolvida em subornos em Angola

A sucursal portuguesa em Angola da multinacional alemã Fresenius Medical Care, que actua na área médica, esteve envolvida num esquema de pagamento de subornos a médicos e militares angolanos que renderam 124 milhões de euros …

CGD acaba com empresa que criou há quase 20 anos com a PT

Criada há quase 20 anos pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) e pela Portugal Telecom (PT), a Caixanet foi liquidada no início deste ano, bem como a Caixa Tec e a Sogrupo, duas outras empresas …

MB Way. Bancos "fecham" aplicação para cobrar comissões diferenciadas nas transferências

Em pleno arranque do 'open banking', os bancos estão a substituir a aplicação MB Way por soluções próprias que "amarram" os clientes, com o propósito de cobrar comissões diferenciadas nas transferências através do telemóvel. Segundo noticiou …

A abstenção venceu. É a mais alta de sempre

A abstenção foi a grande figura das eleições europeias deste domingo, tendo 68,7% dos portugueses optado por não votar. A abstenção em Portugal voltou a atingir um novo recorde, enquanto que a taxa de participação …

Neurocirurgia do Hospital de São João deixa os contentores ao fim de 12 anos

O novo serviço de neurocirurgia do Hospital de S. João, no Porto, está a funcionar desde este sábado. Ao fim de 12 anos, os serviços de neurocirurgia do Hospital de S. João, no Porto, deixaram de …

Derrota histórica para o PSD. O PS resiste, o Bloco chega-se à frente e o PAN estreia-se

A derrota do PSD, com uma desvantagem de mais de 10 pontos percentuais sobre o PS que foi o vencedor da noite eleitoral, o reforço do Bloco de Esquerda como a terceira força política e …

Sindicalista que parou o país vai representar seguranças privados

O vice-presidente do Sindicato Nacional de Motoristas e Matérias Perigosas (SNMMP), Pedro Pardal Henriques, vai acumular este cargo com a vice-presidência de um outro sindicato, o Sindicato de Segurança e Vigilantes de Portugal (SSVP), que …