Destruição da Lua causaria um cataclismo global na Terra (e outras coisas más)

(dr) Universal Pictures

"Oblivion" (Joseph Kosinski, 2013)

“Oblivion” (Joseph Kosinski, 2013)

A Lua exerce uma enorme influência sobre vários processos no nosso planeta, e desde sempre que a pergunta “o que aconteceria se ela desaparecesse?” captou a atenção de cientistas, astrónomos e simples amadores. O astrofísico Ethan Siegel deu agora a resposta.

A Lua é um dos maiores satélites naturais conhecidos em relação ao seu planeta, e desde o início dos tempos que a sua mera presença nos céus tem sido ligada a todo o tipo de fenómenos na Terra – de carácter geofísico, astronómico, biológico ou psicológico, com maior ou menor fundamento científico.

Desde a insanidade – ou à sua versão mais simpática, muito apropriadamente chamada de lunatismo, passando pelo comportamento de alguns animais (que têm o hábito peculiar de uivar para a Lua), até aos ciclos das colheitas e mesmo o ciclo menstrual da mulher, a Lua tem sido apontada como responsável pelos mais variados efeitos.

A sua destruição iria causar inevitavelmente um cataclismo global, e mudar o nosso mundo de uma forma radical, diz o astrofísico norte-americano Ethan Siegel no seu blog Stars with a Bang na revista Forbes.

Mas segundo explica o astrofísico, a vida na Terra seria dramaticamente alterada por pelo menos sete razões completamente diferentes.

Destroços da Lua cairiam na Terra

De acordo com Siegel, caso uma explosão apocalíptica destruísse a Lua, várias pequenas “luas” formar-se-iam em volta da Terra. Passado algum tempo, alguns desses restos da Lua colidiriam com o nosso planeta.

Mas o poder do impacto destas mini-luas seria muito menor do que o dos asteróides ou cometas, destaca o astrofísico. “Sim, teriam um grande potencial destrutivo, mas teriam apenas 1% da potência de um asteróide desse tamanho…”

“A humanidade poderia sobreviver a isso”, diz Siegel.

O céu nocturno seria muito mais brilhante

O brilho da Lua é o segundo mais forte para quem está na Terra, superado apenas pelo próprio Sol. Enquanto o Sol é 400.000 vezes mais brilhante do que a Lua cheia, esta é por sua vez 14.000 vezes mais brilhante que o próximo objecto mais brilhante no céu: Vénus.

Assim, sem a Lua, mesmo as estrelas distantes seriam muito mais visíveis de noite.

Não haveria eclipses

Qualquer eclipse requer um sistema de três elementos: uma estrela e dois corpos celestes. Sem a Lua, o terceiro componente não existiria.

Há dois tipos de eclipses. No eclipse lunar, a Terra fica entre o Sol e a Lua, e projecta sombra sobre o satélite, fazendo-o desaparecer – total ou parcialmente. No eclipse solar, a Lua fica entre a Terra e o Sol, criando sombra sobre o planeta e fazendo desaparecer a estrela – total ou parcialmente, também.

Bem, naturalmente, sem a Lua, adeus eclipses.

Duração do dia seria constante

A gravidade da Lua exerce uma fraca influência na dinâmica da Terra, diminuindo a sua rotação. Todos os anos a Lua desacelera a rotação da Terra, recebendo um pouco mais de energia do nosso planeta e afastando-se gradualmente dele.

Por esse motivo, o dia “perde” cerca de 1.8 milésimos de segundo por século, mas este efeito acumula-se ao longo de milhões de anos.

O nosso dia de 24 horas era apenas de 22 horas durante a época dos dinossauros, e era menos de 10 horas há alguns milhares de milhões de anos atrás, diz Siegel. Recentemente, um cientista calculou mesmo quando é que os dias na Terra vão ter 25 horas.

Mas sem a desaceleração causada pela Lua, este fenómeno deixaria de acontecer.

As marés seriam insignificantes

Um dos mais visíveis efeitos da presença da Lua é a grande influência que a sua atracção gravitacional tem nas marés – muito maior do que a da gravidade do Sol. Com o desaparecimento da Lua, as marés seriam sempre de mesmo tamanho, e não haveria ondas de tamanho decente.

A diminuição das marés seria o fim de pelo menos um desporto muito popular – o surf – e acabaria precocemente com o fenómeno turístico em que a Nazaré se transformou desde que em 2011 o australiano Garrett McNamara ali surfou a “maior onda do Mundo“.

Além disso, tornaria provavelmente obsoleto o ditado português que garante que há mais marés que marinheiros.

Inclinação axial seria instável

A obliquidade é o ângulo de inclinação da Terra em relação à eclíptica – a linha curva onde o Sol “passa” à volta da Terra no seu “movimento aparente” visto da Terra.

Embora este parâmetro tenha mais a ver com o Sol do que com a Lua, o satélite da Terra estabiliza o eixo da rotação terrestre e dá-nos as estações do ano a que estamos habituados.

Estima-se que, sem a Lua, a obliquidade poderia atingir o dobro do nível atual, 45 graus, contra os actuais 23 graus.

Se tal acontecesse, os pólos não seriam sempre frios e a área do Equador nem sempre seria quente. Além disso, de acordo com o astrofísico, os períodos glaciais repetir-se-iam de alguns milénios em alguns (poucos) milénios.

A exploração espacial da humanidade pararia

O desaparecimento da Lua resultaria na perda de uma plataforma ideal para o homem se expandir para o espaço. Qualquer outro destino “próximo”, como Marte ou Vénus, seria muito mais difícil de alcançar, sem a “ajudinha” de um impulso da gravidade lunar.

Além disso, as viagens à Lua são a melhor maneira de a humanidade “treinar” antes de colonizar o espaço, diz Siegel, que acrescenta que provavelmente a humanidade irá mesmo usá-la no futuro próximo para esse fim.

Excepto, claro, se desaparecer entretanto.

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Muito bonito. Ele há cada um….mas afinal, a que propósito vem isto? Alguém adiantou a possibilidade de destruição da Lua? Seria lógico que o artigo começasse por aí, mas depois de o ler atentamente, nada se conclui. Realmente, cientistas e jornalistas “lunáticos” é o que mais há.

  2. Vamos imaginar que a Coreia do Norte lança um míssil para cair no Mar do Japão mas o kim Jong-un (o Quim da tasca do fugitivo) falha os cálculos e o raio do dito míssil acerta na Lua? Vamos ter uma Lua Cheia fora de época, tá?

  3. Caro jornalista, as marés têm zero influência directa no tamanho das ondas. As ondas que vemos na praia são formadas pelo vento, por vezes a milhares de quilómetros de distância. Não sei porquê mas este mito de que as marés são responsáveis pela formação das ondas que vemos na praia teima em persistir. É um mito ignorante e sem qualquer fundamento científico, e não vos fica bem continuar a partilhar este tipo de inverdades. Seria bom corrigirem a notícia. Obrigado e cumprimentos.

Os dinossauros tinham sangue quente ou frio? A resposta está escondida nas cascas dos seus ovos

Um dos grandes e antigos mistérios do estudo dos dinossauros é a questão sobre se o seu sangue era quente ou frio. A resposta for encontrada escondida nas cascas dos seus ovos. Tradicionalmente, acreditava-se que os …

Eureka. Trabalhadores foram despedidos e fábrica fechou, mas estão a apresentar nova marca em Milão

A empresa responsável pela marca Eureka Shoes, que fechou as lojas e a fábrica, e despediu 150 trabalhadores em Portugal, está agora a apresentar uma nova marca em Milão. No mês passado, a empresa de calçado …

Tribunal de Contas critica modelo de financiamento do Ensino Superior (e diz que Governo não cumpriu lei de bases)

No seguimento de uma auditoria ao método de financiamento do ensino superior, para o Tribunal de Contas (TdC), entre 2016 e 2018, o modelo de financiamento concretizado pelo governo não cumpriu o estipulado na Lei …

Cientistas encontram no Ébola um aliado inesperado contra os tumores cerebrais

Cientistas encontraram um gene do vírus do Ébola que mostrou ser útil no combate contra os glioblastomas, que são tumores cerebrais que reaparecem após serem eliminados. O gliobastoma é um tumor que cresce e espalha-se depressa …

Estivadores do Porto de Lisboa iniciam greve de três semanas

Os estivadores do Porto de Lisboa iniciam, esta quarta-feira, uma greve de três semanas em protesto contra os salários em atraso e incumprimento dos acordos celebrados por parte da Associação de Empresas de Trabalho Portuário …

Michael Vang. Passou despercebido por Portugal, mas carrega os sonhos de toda uma etnia

Michael Vang é dos pouquíssimos jogadores de origem Hmong a jogar futebol profissionalmente. Agora nos Estados Unidos, o jovem teve uma passagem apagada por Portugal. Os Hmong são um grupo étnico asiático originário das regiões montanhosas …

Há pessoas sem a parte olfativa do cérebro que conseguem cheirar (e cientistas não sabem porquê)

Cientistas encontraram casos em que as pessoas não tinham bulbo olfativo, a parte do cérebro responsável pelo olfato, mas mesmo assim conseguiam cheirar. Anosmia consiste na perda total ou parcial do olfato e esta é uma …

Cientistas detetam estranhos movimentos de gás na Via Láctea (em redor de algo "invisível")

Os astrónomos detetaram movimentos de nuvens de gás incomuns perto do centro da Via Láctea, que podem sugerir a presença de um desconhecido buraco negro de classe intermediária. Os investigadores que rastrearam os gases no centro …

Hackers podem facilmente piratear satélites (e transformá-los em armas)

Piratear satélites pode não ser assim tão complicado quanto pensamos. Os hackers podem simplesmente desligá-los ou até mesmo usá-los como armas. No mês passado, a SpaceX tornou-se a operadora da maior constelação de satélites ativos do …

Gelo a cair num buraco faz barulhos estranhos (e parece uma batalha de lasers)

Alguma vez pensou o que se ouve quando deixamos cair gelo num buraco gelado profundo? Já não precisamos de pensar mais - e já podemos ouvir. O vídeo do pedaço de gelo a cair num buraco …