A despesa pública nunca foi tão pouco produtiva

Tiago Petinga / Lusa

Apenas um em cada seis euros gastos pelo Estado português tem hoje impacto direto positivo no crescimento da economia a longo prazo.

Os dados atualmente disponíveis só vão até 2017, mas os mínimos agora atingidos prenunciam que esta legislatura deverá ficar para a história como aquela que menos verbas investiu a “semear” crescimento económico para o futuro.

Os cálculos, que têm por base as mais recentes estatísticas do Eurostat quanto à função de cada euro gasto pelas administrações públicas (COFOG) nos 28 Estados da União Europeia (UE), são do Expresso.

O filtro usado para separar as despesas públicas mais “amigas” do crescimento dos restantes gastos de cariz mais social ou administrativo foi ditado por Bruxelas. Segundo a Comissão Europeia, são consideradas “despesas públicas de longo prazo” todas as verbas aplicadas em educação, transportes, comunicações e proteção ambiental.

Está também incluído o investimento em investigação e desenvolvimento (I&D) impulsionado em qualquer das áreas governativas como a defesa, segurança e ordem pública, economia, ambiente, habitação e infraestruturas coletivas, saúde, desporto, cultura, educação, proteção social e serviços gerais das administrações públicas.

De acordo com os cálculos, o Orçamento português está cada vez menos amigo da economia. Nunca, como nesta legislatura, foram tão baixas as despesas públicas de longo prazo medidas em percentagem do produto interno bruto (PIB).

No contexto europeu, Portugal está entre os Estados com menos despesas públicas de longo prazo, seja em percentagem do orçamento total ou em percentagem do PIB. Em 2017, só cinco dos 28 Estados-membros alocaram uma percentagem inferior a 16,8% dos seus orçamentos com educação, transportes, comunicações, proteção ambiental e I&D.

Esta visão de curto prazo do Orçamento português contrasta, sobretudo, com a dezena de Estados-membros que apresenta pelo menos 20% da despesa pública de cariz produtivo. A lista é encabeçada pela Estónia que aplica um quarto do seu orçamento para fazer crescer o PIB.

Há dois Estados que alocam uma menor percentagem do PIB para despesas públicas de longo prazo: a Roménia e a Bulgária, que são dos países mais pobres de toda a União Europeia. Os restantes rivais do PIB per capita português estão todos a investir mais no futuro, a começar pela Hungria (9,5% do PIB). A exceção é a Grécia, que está a investir tanto quanto Portugal (7,7% do PIB).

O Fundo Monetário Internacional (FMI) é uma das entidades que têm insistido com o Governo português para que reavalie as suas prioridades no próximo Orçamento do Estado em prol de maior investimento no futuro. Segundo o FMI, as regras do emprego público, as pensões mais altas e as dívidas dos hospitais são três das frentes de batalha do próximo ministro das Finanças.

Onde é que Centeno tem gasto os dinheiros públicos?

A doença e invalidez é a rubrica orçamental que o Estado português mais poupa face à UE. Em 2017, a despesa pública em prol de quem está temporária ou permanentemente incapacitado ficou-se por 1,3% do PIB quando a média europeia é 2,7% do PIB. Na Dinamarca chega aos 4,4% do PIB. Só Malta, Roménia, Chipre e Bulgária gastam menos do que Portugal nesta rubrica que inclui os apoios prestados em dinheiro ou em espécie a doentes e inválidos.

Nos serviços gerais de cariz transversal à administração pública, Portugal aloca 0,2% do PIB quando a média da UE é 1% do PIB. A Finlândia chega a gastar 4,2% do PIB em serviços gerais ou partilhados, que podem incluir desde as estatísticas e o planeamento das políticas até à gestão transversal de arquivos, sistemas informáticos, imobiliário, compras ou emprego público.

Já na saúde e exclusão social, Portugal é o segundo Estado europeu que menos gasta em produtos, aparelhos e equipamentos médicos. A média europeia é 1% do PIB, mas Portugal fica-se pelos 0,3% do PIB, superando apenas a Polónia. O Estado também poupa 0,7 pontos percentuais do PIB no combate à exclusão social face à média da UE. Só a Croácia, Roménia e Bulgária gastam menos.

Em família, crianças e jovens, em 2017, a despesa pública em prol da família, das crianças e dos jovens ficou-se por 1,1% do PIB quando a média europeia é 1,7% do PIB. Só Grécia, Espanha, Malta e República Checa alocam menos riqueza do que Portugal a esta rubrica orçamental que inclui todos os apoios em dinheiro ou em espécie, desde licenças de maternidade, abonos de família, orfanatos, etc.

Na defesa e habitação social, Portugal teve o quinto menor orçamento europeu no que toca à rubrica da defesa militar: gastou 0,7% do PIB, abaixo da média da UE que foi 1,2% do PIB. No domínio da proteção social, Portugal é um dos 11 Estados que alocaram menos de 0,1% do PIB nos apoios à habitação. Já o Reino Unido gastou 1,1% do PIB. A média europeia é 0,5% do PIB.

Por outro lado, a rubrica orçamental em que 
o Estado português mais gasta comparativamente com a média dos 28 Estados-membros da UE é a das operações de dívida pública. A despesa pública com o pagamento de juros e demais encargos do endividamento do Estado ascendeu aos 3,9% do PIB em 2017, acima da média europeia de 2,1% do PIB. Só a Itália teve uma fatura maior, de 4% do PIB. Mas convém notar que, no tempo da troika, Portugal gastava mais de 5% do PIB por ano.

O Eurostat regista os apoios que os vários governos têm atribuído à recuperação do sistema financeiro na rubrica dos chamados assuntos económicos, comerciais e laborais, em geral. O ano orçamental de 2017 foi marcado pela recapitalização da CGD e não admira que Portugal tenha gasto 2,5% do PIB nesta rubrica, quando a média europeia é de 0,8% do PIB.

Portugal é o sexto país europeu que mais verbas aloca à proteção social dos idosos através das pensões de reforma e demais apoios em dinheiro ou em espécie. Em 2017, a despesa pública com velhice foi de 11,7% do PIB em Portugal. É uma fatura inferior aos máximos da Finlândia e da Grécia (13,8% do PIB), mas que fica claramente acima da média europeia (10,1% do PIB).

Outra rubrica em que Portugal gasta sistematicamente acima do padrão europeu é a dos órgãos executivos e legislativos, assuntos financeiros e fiscais e assuntos externos: 3% contra 1,8% do PIB em 2017. Só Croácia, Hungria e Chipre gastam mais na “máquina de topo” que inclui presidente, parlamento, autarcas, primeiro-ministro, finanças ou negócios estrangeiros.

Só há quatro Estados europeus que gastam comparativamente mais do que o português na proteção social da sobrevivência: Itália, Espanha, Grécia e Alemanha. Em causa estão pensões de sobrevivência e demais apoios em dinheiro ou em espécie aos cônjuges, ex-cônjuges, filhos, e outros familiares do falecido. Portugal gasta 1,7% do PIB e a média da UE é 1,3% do PIB.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Se na greve dos camionistas, a acção do governo deve ser elogiada, este artigo é um bom exemplo de como as políticas socialistas nos vão levar para a próxima bancarrota e, consequentemente, para a cauda da Europa.
    Não se pode colher aquilo que não se semeia. O PS, e os seus parceiros de esquerda, sempre foram lestos e prodígos em colher aqulo que não plantaram. E, quando falta na seara deles, não tem problema, metem a foice em seara alheia….

RESPONDER

Morreu o general José Lemos Ferreira

O ex-chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA) morreu aos 90 anos, disse quinta-feira à agência Lusa uma fonte militar. Chefe do Estado-Maior da Força Aérea de 1977 a 1984, o general José Lemos Ferreira foi …

PJ afasta "intervenção de terceiros" na morte de diretor do EuroBic

O diretor nacional da PJ disse, esta quinta-feira, que os elementos recolhidos sobre a morte do diretor do private banking do EuroBic, arguido no caso Luanda Leaks, "apontam para que não haja intervenção de terceiros". Questionado …

Carlos Amaral Dias terá ficado retido na ambulância avariada durante uma hora

Os resultados de um inquérito aberto pelo INEM apontam para que Carlos Amaral Dias tenha ficado dentro de uma ambulância avariada durante uma hora. De acordo com o Jornal de Notícias, a equipa da ambulância dos …

Luanda Leaks. Mário Leite Silva renuncia à presidência do Banco de Fomento Angola

O presidente do Conselho de Administração do Banco de Fomento Angola (BFA), Mário Leite Silva, gestor de Isabel dos Santos, renunciou ao cargo, com efeitos a partir de 22 de janeiro. A informação foi transmitida …

Tempestade “Glória” faz pelo menos nove mortos em Espanha

Pelo menos nove pessoas morreram e outras quatro estão dadas como desaparecidas em Espanha na sequência da passagem da tempestade “Glória”, intempérie que atinge o país desde o passado fim de semana. As autoridades confirmaram cinco …

Há um "milagre da multiplicação" dos votos que os deputados querem travar

Todos os partidos concordam: é preciso travar o "milagre da multiplicação" dos votos na Assembleia da República. Estabelecer regras objetivas para o fazer é o mais complicado. Os deputados começaram esta quarta-feira a discutir como “regrar” …

Pensões entre 877 e 2600 euros têm aumento mínimo de 6,14 euros

Os pensionistas que ganham entre 877,6 e os 2558 euros brutos por mês vão ter aumentos acima dos 0,24% que inicialmente se calculou com base na taxa de inflação (sem habitação) apurada até novembro do …

PCP quer travar "ameaça de despejos" no final deste ano

O PCP entregou uma proposta de alteração ao Orçamento do estado para 2020 para manter congeladas as rendas antigas, quando os locatários tenham um rendimento inferior a cinco salários mínimos nacionais. O PCP quer manter congeladas …

CDS/Congresso: Carlos Meira disponível para acordo que vença João Almeida

Carlos Meira, candidato à liderança do CDS-PP, admite estar disponível para se unir a Filipe Lobo d'Ávila e Francisco Rodrigues dos Santos para vencer João Almeida e lutar "contra o sistema". Carlos Meira, militante de Viana …

Manuais gratuitos também no privado e no cooperativo. Iniciativa Liberal quer igualdade na Educação

O Iniciativa Liberal (IL) propôs uma alteração ao Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) na área da educação, que passa por fornecer manuais escolares gratuitos a todos os alunos da escolaridade obrigatória, quer frequentem o ensino …