Descongelamento das carreiras abrangeu 66 mil trabalhadores de empresas públicas

Miguel A. Lopes / Lusa

O ministro das Finanças, Mário Centeno

Dos 110.757 funcionários do Estado que trabalham em empresas públicas, cerca de 66 mil foram abrangidos até ao final de junho pelo descongelamento das progressões e das promoções, de acordo com dados recolhidos pela Inspeção-Geral de Finanças.

Os dados, solicitados pelo jornal Público à Inspeção-Geral de Finanças, demonstram que estes 66 mil trabalhadores – que representam mais de metade da totalidade dos trabalhadores do Estado (60%) – tiveram aumentos nos seus salários mensais.

O descongelamento das carreiras iniciou-se a 1 de janeiro de 2018, mas o efeito nas remunerações dos trabalhadores vai fazer-se de forma faseada e em quatro momentos diferentes: metade em 2018, em janeiro e em setembro, e a outra metade em 2019, em maio e em dezembro.

De acordo com o diário, se se tiver em conta todo o universo dos funcionários públicos, 344 mil já tiveram valorizações salariais por causa do descongelamento que foi concretizado no início do ano.

Segundo o governo, cerca 80% dos funcionários públicos terão direito a progredir este ano, o que corresponderá a 480 mil trabalhadores. Mário Centeno, em entrevista ao matutino, disse que este é um objetivo “possível”, reconhecendo, no entanto, a dificuldade do processo.

“Ficarei satisfeito se conseguirmos, no período de tempo durante o qual decorre o descongelamento, que todas as situações sejam clarificadas e identificadas e que os trabalhadores recebam os retroativos a que têm direito”, sustentou, sem comprometer quais quer números.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. desde que fui contratado para trabalhar numa empresa publica, já lá vão mais de 10 anos, nunca tive um aumento, nunca tive qualquer progressão na carreira. vi muita malta ser contratada com salários muito superiores ao meu, integrarem posições de carreira muito superiores, promoções via comissões de serviço, atribuição de diversos subsídios, cedências por interesse publico entre organismos públicos, e vejo contratações para a prestação de serviços por valores astronómicos face aos salários praticados. Nas empresas publicas é um fartar vilanagem para quem está próximo do poder. Certamente que esses 66 mil descongelados e aumentados, estão bem posicionados na hierarquia politica. Mas a minha pergunta é, que sociedade é esta que gasta à tripa forra o que não tem, que aumenta e promove os corruptos e amigos e deixa os que trabalham em situação de miséria? A comunicação social não deteta estes escândalos? E este Sr. Centeno não tem vergonha na cara depois da campanha que fizeram?

RESPONDER

Assistente social acusada de maltratar 14 crianças em centro de acolhimento

O Ministério Público (MP) acusa uma mulher de 46 anos, que era assistente social e diretora técnica de um centro de acolhimento na Maia, no distrito do Porto, de maltratar 14 crianças nesta instituição. De …

Marcelo não vê razão de preocupação com empresas portuguesas de Isabel dos Santos

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta sexta-feira ter sinais de que não há razão para preocupação nos setores económicos e empresas portuguesas nas quais a Isabel dos Santos está a vender …

Mina de lítio em Montalegre. "Impactes negativos minimizáveis” e 370 empregos

O Estudo de Impacte Ambiental (EIA) da concessão de exploração de lítio, em Montalegre, conclui que o projeto possui “impactes negativos” que, no entanto, “não são significativos”, “são minimizáveis” e de “abrangência local”. O EIA do …

Cristas faz o mea culpa e abandona o congresso. Corrida à sucessão faz-se a cinco

O 28.º congresso nacional do CDS arrancou este no Parque de Feiras e Exposições de Aveiro com o discurso da líder demissionária Assunção Cristas, que fez uma espécie de mea culpa e agradeceu aos centristas …

Sérgio Conceição sai do FC Porto no fim da época

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, deixará o comando dos dragões no final da temporada. A derrota em casa com o Braga terá ditado a saída do técnico azul e branco. O técnico do FC …

Joacine quer mais direitos para deputados sem partido. "Está a antecipar" o futuro

A deputada Joacine Katar Moreira, do partido Livre, defendeu esta sexta-feira o alargamento dos direitos regimentais dos deputados não inscritos em partidos. A deputada única do Livre assumiu esta posição no final de uma reunião do …

França confirma 3 casos de coronavírus chinês. Já chegou à Austrália e Malásia

Depois de França ter confirmado três pessoas infetadas com o novo coronavírus oriundo da China, também a Austrália e Malásia reportaram casos. As autoridades da Malásia anunciaram este sábado terem registado os primeiros três casos de …

Amadora. Agredido motorista de autocarro que denunciou Cláudia Simões

Foi agredido o motorista de autocarro que chamou a PSP para denunciar a passageira Cláudia Simões, que alegou posteriormente ter sido agredida pelos agentes da polícia. As agressões tiveram lugar na noite desta sexta-feira, em …

"Dos 4 mil euros que ganho, 3 mil vão para os frades". O padre Vítor Melícias recusa que Tomás Correia ainda controle o Montepio

O padre Vítor Melícias, presidente da Assembleia Geral do Montepio, diz que Tomás Correia "faz falta, mas fez muito bem" em abandonar a liderança da mutualista Montepio. "Dizer que Tomás Correia continua a controlar através …

Amesterdão prepara-se para comprar dívidas dos seus jovens

A partir de fevereiro, a capital dos Países Baixos vai comprar dívidas dos seus jovens para ajudá-los a recomeçar e a construir um futuro. Numa nota publicada esta semana na página oficial do Governo local …