Descida da propina vai retirar bolsas a alunos carenciados. Medida “demagógica e perversa”

Marcos Santos / USP

A descida do valor máximo da propina poderá significar o fim da bolsa para muitos alunos carenciados, alertou o reitor da Universidade Nova de Lisboa, que considera a medida ”demagógica e perversa”.

Segundo a proposta de Orçamento do Estado para 2019 (OE 2019), entregue na segunda-feira no Parlamento, o teto da propina no ensino superior vai descer 212 euros. No próximo ano letivo, os alunos vão pagar, no máximo, 856 euros.

João Sàágua, reitor da Universidade Nova de Lisboa (UNL),  disse à agência Lusa que se trata de uma “medida demagógica e perversa, uma vez que não vai beneficiar quem mais precisa”.

O reitor lembrou que o valor propina entra na fórmula de atribuição das bolsas de estudo e ao baixar o valor da taxa diminui-se o número de alunos com apoio social.

Atualmente, a lei define que as bolsas de estudo no ensino superior são atribuídas a quem tem um rendimento per capita anual de 7930 euros (ou menos), que é o equivalente a 16 vezes o Indexante de Apoio Social (IAS), acrescido do valor da propina máxima anual.

Ao descer o valor máximo da propina no novo Orçamento, o rendimento anual per capita não pode ultrapassar os 7718,40 euros, caso contrário o aluno deixa de ter direito ao apoio social.

“Uma pessoa com um rendimento de 660 euros por mês, que este ano tinha direito a bolsa, ficará sem ela no próximo ano“, disse João Sàágua, alertando para os inúmeros alunos que vão deixar de ter apoio por causa de menos de 20 euros mensais.

“Se se mantiver a fórmula, em casos limiares, as pessoas mais carenciadas irão perder a bolsa”, por outro lado, as famílias das classes média e alta vão ter uma redução de 212 euros por ano.

Reconhecendo que para as famílias é sempre uma boa notícia saber que vão pagar menos, o reitor manifestou-se “totalmente contra a medida” que cria a ilusão de apoiar quem precisa.

Para o reitor da Universidade Nova de Lisboa, a verba da redução das propinas deveria ser aplicada no reforço de apoios sociais dos alunos mais carenciados.

No que toca ao financiamento da instituição que dirige, João Sàágua lembra que a medida não terá qualquer impacto, uma vez que a proposta do OE2019 prevê que a diminuição das receitas resultante da redução das propinas será suportada por receitas que serão transferidas pelo Governo.

Desde que a notícia foi conhecida várias associações de estudantes, como a Federação Académica de Lisboa e a Associação de Estudantes de Coimbra, saudaram a medida, voltando a recordar a luta dos alunos por um ensino gratuito sem propinas.

// Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

    • @Ana: Absolutamente de acordo! Só alguém muito distraído é que não percebe que esta declaração do Reitor Sàágua é um ataque político e nada tem a ver com protecção do interesse dos alunos.
      Tenho pena, porque acho que a educação superior (tal como a justiça, ou a igreja) tem a obrigação de não politizar.

RESPONDER

Este ano não há São João nem Santo António. Festas populares canceladas em Lisboa e Porto

As Câmaras Municipais de Lisboa e do Porto resolveram cancelar as festividades de Santo António e de são João, respectivamente, por causa da pandemia de Covid-19. As marchas populares só voltam no próximo ano, com …

Sem ajudas do Governo, "não sei se os grandes vão continuar a ser grandes"

"É complicado encontrar soluções", assume o presidente do Marítimo numa altura em que o futebol está parado por causa da pandemia de Covid-19. A situação é "aflitiva" para muitos clubes, diz Carlos Pereira que acredita …

Governo dá tolerância de ponto nos dias 9 e 13 de abril

O primeiro-ministro assinou um despacho a conceder tolerância de ponto nos próximos dias 9 e 13, no período da Páscoa, a todos os trabalhadores que exercem funções públicas nos serviços da administração direta do Estado. “É …

Depois do papel higiénico, vendas de snacks e bebidas alcoólicas disparam

A Associação Espanhola de Supermercados fez um estudo sobre as alterações de consumo desde que foi decretado o estado de emergência. A procura por papel higiénico disparou meados de março, mas os produtos mais procurados …

Bloco quer proibir banca de distribuir lucros (e pede ajuda ao PSD)

O Bloco de Esquerda quer proibir os bancos de distribuírem dividendos em 2020 e pede ajuda ao PSD para o conseguir. Em videoconferência, Mariana Mortágua lançou um desafio ao líder social-democrata. O Bloco de Esquerda anunciou …

Ordens duvidam dos números de infetados (e admitem fazer o seu próprio levantamento)

Segundo os números anunciados na quarta-feira, havia 1.124 profissionais de saúde e oito deles estavam internados em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI). Mas estes números não convencem as Ordens. De acordo com o Observador, o bastonário …

Europa tem que ser o seu "próprio Plano Marshall". Centeno defende solução sem o "estigma" da austeridade

Mário Centeno continua a incentivar uma solução conjunta assente na ideia da solidariedade europeia perante "uma crise inesperada e sem precedentes" devido à pandemia de Covid-19. Como presidente do Eurogrupo, o ministro das Finanças de …

Há mais de 10 mil infetados em Portugal. DGS vai fazer testes de imunidade à população

O boletim epidemiológico da Direção-geral da Saúde deste sábado regista 10.524 casos de infeção por covid-19 em Portugal. Há mais 20 mortes, num total de 266 óbitos. Nas últimas 24 horas, até à meia-noite, foram registados …

Quase meio milhão de portugueses estão em lay-off. "Sistema é errado", diz Francisco Louçã

Uma semana depois de o Governo ter aberto a porta ao lay-off simplificado, mais de 22 mil empresas já recorreram a este novo regime. Atualmente, há 425.287 trabalhadores nessa situação. Francisco Louçã considera este sistema …

Costa "chocado" com caso da morte no aeroporto. Enfermeira, médico e polícias também investigados

Além dos três inspectores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) que são suspeitos de terem agredido um cidadão ucraniano, que acabou por morrer, também há outros elementos do SEF, um médicos e uma enfermeira, …