Deputada do PS conseguiu fundos europeus para projetos familiares há muito concluídos

Hortense Martins / Facebook

A deputada Hortense Martins (PS)

A deputada Hortense Martins, líder do PS no distrito de Castelo Branco e mulher do atual presidente da câmara local, Luís Correia, conseguiu em 2010 um subsídio de 171 mil euros para a construção de um “Centro de Lazer e Turismo Gastronómico” aberto há dois anos.

Passados três anos obteve mais 105 mil euros para uma unidade de turismo em espaço rural que também já estava a funcionar à data da aprovação da respetiva candidatura. O dinheiro foi pago à Investel, uma empresa da família de Hortense Martins e da qual a deputada era gerente.

Os regulamentos comunitários dizem expressamente, de acordo com o Público, que os subsídios não podem ser aprovados se os projetos já estiverem concluídos aquando da decisão final sobre as candidaturas.

A aprovação foi da responsabilidade da Adraces, uma associação de desenvolvimento regional criada em 1992 pelas câmaras de Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Penamacor e Vila Velha de Ródão, na qual os órgãos de gestão dos fundos europeus delegam algumas competências.

Na presidência da Adraces encontrava-se então Arnaldo Brás, vereador na Câmara de Castelo Branco, presidida pelo comendador socialista Joaquim Morão. No lugar-chave de diretor executivo e coordenador da equipa técnica da associação estava António Realinho, um economista que desde 1992 até agosto do ano passado acumulou as funções com as de vice-presidente e com a gerência de múltiplas empresas, nas áreas imobiliária e de elaboração de candidaturas aos fundos europeus.

Realinho que também foi professor da Universidade Lusófona, cumpre desde agosto de 2018 uma pena de quatro anos e meio de prisão por burla e falsificação em negócios relacionados com uma das suas empresas.

Em 2005, ano em que Hortense foi eleita pela primeira vez para a Assembleia da República, e antes da aprovação dos subsídios, a empresa decidiu expandir a sua atividade, até aí concentrada na exploração do Hotel Rainha Dona Amélia, em Castelo Branco.

Foi com esse objetivo e através da Martins & Irmão, uma firma de construção que também lhes pertencia, que Joaquim Martins e Adriano Martins, respetivamente pai e tio da deputada, adquiriram a Herdade do Regato, uma propriedade de nove hectares situada em Póvoa de Rio de Moinhos, nos arredores da cidade.

No final de 2006, apesar de não haver subsídios para aquele tipo de investimento, lançaram-se na conversão do antigo lagar de azeite da herdade em restaurante e na construção de raiz de um enorme centro de eventos e banquetes.

O pedido de licenciamento camarário só viria, porém, a ser apresentado em março de 2007, numa altura em que boa parte da empreitada já estava ilegalmente executada. O objeto do pedido consistia na “recuperação e ampliação de um conjunto de casas rústicas e sua adaptação a sala de espera e bar de apoio, e construção de uma sala de eventos com capacidade para 1000 pessoas”, com uma área total de implantação de 1928 metros quadrados. Nunca se falou num restaurante ou num “Centro de Lazer e Turismo Gastronómico”.

O projeto foi aprovado um mês depois por Joaquim Morão e a licença de construção foi passada em julho. No mês seguinte, Joaquim e Adriano resolvem separar os seus negócios, ficando o primeiro com a Investel e o segundo com a Martins & Irmão. A Herdade do Regato passou assim para a Investel, continuando a Martins & Irmão a fazer as obras por conta da primeira.

No final de janeiro de 2008, Hortense junta-se ao pai na gerência da Investel, em representação de outra sociedade familiar. A empresa inaugurou em julho o então chamado Centro de Eventos e Banquetes da Herdade do Regato, vangloriando-se de que o investimento ascendeu a três milhões de euros sem qualquer subsídio.

Nos bastidores do primeiro Governo de José Sócrates corria um processo legislativo que poderia vir a constituir uma oportunidade para a Investel. Três semanas antes de Hortense assumir a gerência, tal processo culminou na publicação do decreto-lei 2/2008, que estabelece as “orientações fundamentais” e o “modelo de governação” do Programa de Desenvolvimento Rural (Proder) para o período 2007-2013.

Pouco depois saiu outro decreto que define as regras da sua aplicação e em maio de 2009 foi publicado o respetivo regulamento, através da Portaria 520/2009.

Esse regulamento estipulava que as despesas efetuadas após 1 de janeiro de 2007 só eram suscetíveis de reembolso se os investimentos ainda não estivessem concluídos à data da aprovação dos pedidos de apoio constituía um obstáculo aparentemente intransponível para a Investel. O salão de eventos e o restaurante da Herdade do Regato já estava a funcionar desde junho de 2008.

Um eventual pedido de apoio para aquele projeto nunca poderia ser aprovado antes da sua conclusão, o que, só por si, o inviabilizaria. Apesar disso, logo que a Adraces abriu as candidaturas para o financiamento de projetos de “desenvolvimento de atividades turísticas e de lazer”, em setembro de 2009, a Investel avançou.

O pedido de apoio foi entregue e a empresa declarou que o espaço já estava concluído e em funcionamento. O processo, a que o Público teve acesso, refere de início que “à data passam 15 meses da inauguração deste centro de lazer e turismo gastronómico”.

Embora a candidatura tenha o nome de “Herdade do Regato – Centro de Lazer e Turismo Gastronómico”, a designação é uma novidade. No pedido de licenciamento camarário, nunca é usada, falando-se sempre e apenas em “sala de eventos”. A explicação parece estar no facto de o regulamento aplicável reservar as verbas disponíveis para “atividades turísticas e de lazer”.

Na candidatura adianta-se por isso, sem nunca referir a sala de eventos, que “a operação consiste no apoio à requalificação levada a cabo de um lagar de azeite que foi convertido em museu/restaurante, onde se desenvolvem atividades ligadas ao turismo gastronómico”.

O facto de o Proder dispor apenas de 350 mil euros para distribuir por todas as candidaturas que viessem a ser aprovadas pela Adraces no âmbito daquele concurso explica que a Investel não tenha candidatado o complexo que efetivamente construiu.

No entanto, foi para o construir que a empresa obteve a licença municipal. De acordo com a memória descritiva do respetivo projeto de arquitetura, a nova sala de eventos ficaria fisicamente ligada ao lagar de azeite. E este, depois de adaptado, serviria apenas como “sala de estar e bar de apoio”. Mais tarde, no pedido de apoio ao Proder, o espaço não seria para fazer o restaurante, mas sim o “Centro de Lazer e Turismo Gastronómico”.

O investimento total aprovado foi de 286.437 euros, recebendo a Investel 171.682 (80%) a fundo perdido – quase o mesmo que os outros cinco projetos aprovados na mesma altura para “desenvolvimento de atividades turísticas e de lazer” nos quatro concelhos abrangidos pela Adraces.

ZAP //

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. S.MATEUS/ S. MATEUS/ VENHAM PARA OS MEUS/ ESSES «FUNDOS» EUROPEUS!
    QUEM É DO PÊ-ÉSSE SABE GOVERNAR-SE, NÃO SE «ESQUECE»!
    SANTA BANDALHEIRA DO CANECO!

  2. Tudo bons rapazes – parte 127… Os polítiocs ainda pedem para o povo votar e para confiarem neles?! É cada dia cada nova jogada, cada novo embuste! Triste país a saque de burlões e vigaristas de falinhas mansas!!! Partidarismo já parece doença, qualquer dia só existem ZOMBIES políticos!!! CORJA!!!!!!

  3. Tudo bons rapazes – parte 127… Os políticos ainda pedem para o povo votar (europeias então é um fartote o dinheiro que embolsam) e para confiarem neles?! É cada novo dia, cada nova jogada, cada novo embuste! Triste país a saque de burlões e vigaristas de falinhas mansas!!! O partidarismo já parece uma doença, qualquer dia só existem ZOMBIES políticos!!! CORJA!!!!!!

  4. Este é um reflexo da política em Portugal, transversal a todos os partidos com assento parlamentar.
    Quem se esquece do caso ‘Robles’, cujo protagonista (Ricardo Robles) era um crítico severo da especulação imobiliária. E quando estalou o verniz, a Sr.ª Catarina Martins com tamanha hipocrisia ainda saiu em defesa do artista.
    São todos iguais. Falta de ética, honra, transparência e princípios. É o resultado da falência do patriotismo e dos valores conservadores que antes eram exaltados.

  5. Resta saber quanto destes fundos foi parar ao bolso dos vários intervenientes, e as assinatura foram mais que muitas. São todos da mesma cor, mas ninguém corre por amor à camisola…..

  6. E se fossem analisar a forma como praticamente todas as candidaturas aos fundos europeus são analisadas, nomeadamente quem as analisa, por que razões aprova umas e chumba outras, estou convicto que amanhã não haveria prisões suficientes em Portugal para tanta bandidagem.
    Vejam a vergonha que são programas como o POCI e o POISE. Há entidades de vão de escada, nascidas há um ano, sem qualquer histórico e que têm projetos aprovados de milhões. Outras empresas com mais de 20 anos de atividade têm os projetos indeferidos, mesmo quando exportam praticamente tudo o que produzem. E na formação profissional há entidades de quem nunca ninguém ouviu falar que têm projetos aprovados e outras que sempre possuíram excelentes desempenhos e que têm as candidaturas sempre indeferidas. O Ministério Público deveria investigar estes organismos a fundo, até porque se fala que há muito clientelismo político, compadrio, ofertas de prendas,…

  7. “Em cada cavadela uma minhoca”
    Triste sina a deste país que com tanta inteligência não é capaz de sair da cepa-torta.
    Será devido sangue Árabe que nos corre nas veias?
    Com tanto trafulha já começar a duvidar se também eu sou um!

  8. É pá, em Castelo Branco é um mundo cheio de vigários socialistas. O que é que se passa por ali ? Pelo menos desde há um ano que estão aparecer nomes de gente deste calibre, naquele concelho. Será por ser um território um pouco escondido?

RESPONDER

Cientistas criam algoritmo para identificar covid-19 a partir do som da tosse

Investigadores de vários países criaram um algoritmo que afirmam poder identificar se uma pessoa tem covid-19 a partir do som da sua tosse. Cientistas do México, Estados Unidos, Espanha e Itália, liderados por uma equipa do …

Para proteger o fundo do mar, novo sistema permite atracar vários barcos com uma só "âncora"

Quando vários barcos se amontoam numa enseada durante a noite, cada um deles lança uma âncora que pode potencialmente danificar os corais e a vida marinha no fundo do mar. O sistema Seafloat foi criado …

Japão e Estados Unidos assinam acordo de cooperação para exploração da Lua

O Ministério da Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia do Japão e a agência espacial dos Estados Unidos (NASA) assinaram um acordo de colaboração entre os dois países no programa Artemis, para a exploração da …

Washington Redskins mudam de nome por ser considerado racista

A equipa de futebol americano, até aqui denominada de Washington Redskins, vai abandonar essa designação, considerada de teor racista, para designar nativos da América do Norte. Em comunicado, a equipa de Washington explicou que, depois de uma …

Flores precisaram de cerca de 50 milhões de anos para se tornarem o que são hoje

As plantas com flor evoluíram há cerca de 100 milhões de anos, mas precisaram de outros 50 milhões de anos para diversificar e tornarem-se aquilo que são hoje, sugere uma equipa de investigadores. Os cientistas documentaram …

Estudo sugere que imunidade à covid-19 pode desaparecer em poucos meses

A imunidade adquirida por anticorpos após a cura da covid-19 pode desaparecer em alguns meses, o que poderá complicar o desenvolvimento de uma vacina eficaz a longo prazo, sugere um estudo britânico divulgado esta segunda-feira. "Este …

60 anos depois, já se sabe o que aconteceu aos 9 russos que desapareceram na Montanha da Morte

Passados 61 anos, o mistério da morte de nove esquiadores russos que faziam uma caminhada pelos Montes Urais, perto da chamada Montanha da Morte, foi finalmente resolvido. Em 1959, nove viajantes russos que faziam uma caminhada …

Médicos Sem Fronteiras é "institucionalmente racista", acusam atuais e ex-colaboradores

Uma declaração assinada por mil atuais e ex-funcionários revela que a Organização Não Governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF) é "institucionalmente racista" e reforça o colonialismo e a supremacia branca no trabalho humanitário que pratica. Na …

Empresa culpada pela crise de opioides fez contribuições políticas após declarar falência

A Purdue Pharma, empresa culpada pela crise de opioides nos Estados Unidos, fez contribuições políticas após ter sido processada e declarado falência. Os opioides são usados para aliviar a dor, mas também provocam uma sensação exagerada …

Norte-americano morre após ir a festa para provar que a covid-19 é uma farsa

Um norte-americano de 30 anos, de San Antonio, no estado do Texas, morreu de covid-19 depois de ir a uma festa para provar que a doença era uma farsa, informou a media local. O homem foi …