Aos 95 anos, Friedrich Karl Berger foi deportado dos EUA por ter sido guarda em campo nazi

Department of Justice

Friedrich Karl Berger

Friedrich Karl Berger, de 95 anos, foi deportado dos EUA para a Alemanha depois das autoridades terem descoberto que tinha sido guarda num campo de concentração nazi durante o período da Segunda Guerra Mundial.

O homem, que até então morava no estado americano do Tennessee, foi deportado “por participar em atos de perseguição impulsionados pelos nazis” enquanto trabalhava como guarda num campo de concentração em 1945, avançou o Departamento de Justiça dos EUA (DOJ) na sexta-feira.

O procurador-geral Monty Wilkinson disse num comunicado enviado à CBS News que a deportação de Berger dos EUA demonstra o “compromisso do Departamento em garantir que os Estados Unidos não sejam um porto seguro para aqueles que participaram em crimes nazis contra a humanidade ou outros abusos dos direitos humanos”.

“No ano em que assinalamos o 75.º aniversário das condenações de Nuremberga, este caso mostra que o facto de já ter passado muito tempo não impede o Departamento de fazer justiça em nome das vítimas destes crimes”, sublinhou Wilkinson.

De acordo com o Departamento de Justiça, Berger não é a primeira pessoa a ser deportada por estas razões. Já 69 pessoas tinham sido expulsas dos EUA após se descobrir as suas ligações a crimes nazis.

No caso de Berger, um julgamento em 2020 acabou por ser o ponto-chave para que o seu passado dosse desvendado. As autoridades norte-americanas descobriram Berger tinha prestado serviços ao regime nazi num sub-campo de Neuengamme, perto de Meppen, na Alemanha.

Na altura, o juiz revelou que os prisioneiros de Meppen, muitos dos quais eram judeus, russos, holandeses e polacos, foram mantidos no campo durante o inverno de 1945 e que as condições eram “horríveis”, uma vez que os prisioneiros eram forçados a trabalhar ao ar livre “até ao ponto de exaustão e, consequentemente, até à morte”, citou o DOJ.

Segundo a Fundação de Memoriais e Centros de Aprendizagem de Hamburgo, os prisioneiros deste campo foram forçados a construir um chamado “muro friesen” para proteger a costa norte da Alemanha.

No dia em que o campo foi evacuado, em março de 1945. estavam presas no local cerca de 1.773 pessoas. Nessa altura, Friedrich Karl Berger trabalhou no campo até essa altura e admitiu, durante o julgamento, que prendeu várias pessoas e as impediu de fugir.

Até hoje, revela o DOJ, Berger recebe uma pensão da Alemanha por ter prestado ao país “serviço de guerra”.

O Diretor de Imigração e Fiscalização Alfandegária dos EUA (ICE), Tae Johnson, afirma que o Departamento “nunca irá parar de perseguir aqueles que perseguem outros”.

“Este caso exemplifica a dedicação inabalável do ICE e do Departamento de Justiça em fazer justiça e prender todos aqueles que participaram de uma das maiores atrocidades da história. Não importa quanto tempo isso irá demorar”, rematou Johnson.

Ana Isabel Moura, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …

Depois do coro de críticas, brasões da Praça do Império passam do jardim para a calçada

Os brasões florais que representam as capitais de distrito e as ex-colónias portuguesas vão mesmo ser retirados da Praça do Império, em Lisboa, mas passarão a estar representados em pedra da calçada. É a solução …

Vulcão, La Palma

Aeroporto de Las Palmas inoperacional devido à acumulação de cinzas

O aeroporto de La Palma, na Ilha de Tenerife, nas Canárias, está inoperacional por acumulação de cinzas, resultante da erupção do vulcão Cumbre Vieja, informou hoje a empresa gestora dos aeroportos e do tráfego aéreo …

Siza Vieira reforça que é "trabalho" dos Bancos discutir com os clientes o reembolso das moratórias

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, reforça que cabe aos Bancos "discutir com os seus clientes que têm moratórias nos sectores mais afectados" pela pandemia o reembolso das dívidas após o fim destes mecanismos …

Domingos Soares de Oliveira de saída do Benfica

Além de João Varandas Fernandes e José Eduardo Moniz, o administrador Domingos Soares de Oliveira também não vai integrar a lista de Rui Costa para as próximas eleições. Rui Costa confirmou na terça-feira que é candidato …

Depois do Bayern, Barcelona também está atento a Luis Díaz

Luis Díaz continua a somar boas exibições e clubes interessados na sua contratação. Agora fala-se do desejo do Barcelona em contratar o colombiano em janeiro. Luis Díaz atravessa um momento de forma excecional ao serviço do …

Fuse Valley, Matosinhos

Está a nascer em Matosinhos a Silicon Valley portuguesa (e até Siza Vieira está "espantado")

O "Fuse Valley" promete ser a Silicon Valley portuguesa, em Matosinhos, num empreendimento inovador da Farfetch e da Castro Group que até deixa o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, "espantado". A abertura está prevista …