Delator da chamada telefónica de Donald Trump pode ser um agente da CIA

O New York Times revelou esta quinta-feira que o whistleblower que denunciou as manobras de Donald Trump para influenciar a corrida presidencial para 2020 é um agente da CIA que terá trabalhado na Casa Branca.

A transcrição de um telefonema entre Donald Trump e o Presidente da Ucrânia, Volodymir Zelenskyy, em que o primeiro terá pedido ao governante ucraniano para investigar o filho de Joe Biden, foi publicada na quarta-feira.

O jornal norte-americano The New York Times revelou que o denunciante era um agente da CIA. De acordo com a revista Forbes, o homem em questão terá trabalhado na Casa Branca mas, entretanto, regressou à CIA. O advogado do whistleblower disse que revelar informações sobre o agente da CIA coloca-o em perigo: “Tem direito ao anonimato”.

O Presidente dos EUA reagiu no Twitter às notícias: “Um whistleblower com informações em segunda mão? Mais fake news! Vejam o que foi dito na minha chamada muito simpática e sem pressão [ao Presidente ucraniano]. Outra caça às bruxas!“.

Já é conhecido, na íntegra, o relato que a pessoa que denunciou as suspeitas de pressão enviou para o presidente do Comité do Senado para os Serviços de Informações e para o presidente do mesmo comité mas na Câmara dos Representantes e essa pessoa acusa o Presidente dos EUA de colocar em causa a segurança nacional e de “minar os esforços já demonstrados pelos EUA em combater e diminuir a possibilidade de interferência de poderes estrangeiros nas eleições de 2020”.

A denúncia, disponível no jornal britânico The Guardian, começa com uma declaração da gravidade que, no entender da fonte, pesa sobre o assunto. “Estou profundamente preocupado com as ações descritas abaixo porque constituem ‘um sério ou flagrante abuso do poder’ e uma ‘violação da lei ou ordem executiva’ (…). Estou também preocupado que estas ações representam riscos para a segurança nacional e possam pôr em causa os esforços já encetados pelo Governo dos EUA para dissuadir e combater a interferência estrangeira nas eleições.”

“Vários funcionários da Casa Branca com conhecimento direto da chamada informaram-me que, depois de uma primeira troca de amabilidades, o presidente usou o restante da chamada para fazer avançar os seus interesses pessoais. Procurou pressionar o líder ucraniano a tomar medidas para o ajudar a garantir a presidência em 2020.”

Trump pediu para “iniciar ou continuar uma investigação às atividades do ex-vice-presidente Joseph Biden e do seu filho, Hunter Biden; ajudar a descobrir se as alegações de interferência russa nas eleições presidenciais dos EUA de 2016 tiveram origem na Ucrânia, com um pedido específico para que o líder ucraniano localizasse e entregasse os servidores usados ​​pelo Comité Nacional Democrata (DNC) e examinado pela empresa de segurança cibernética dos EUA Crowdstrike, que inicialmente informou que hackers russos haviam penetrado nas redes do DNC em 2016; e conhecer ou falar com duas pessoas que o Presidente nomeou explicitamente como seus enviados pessoais sobre esses assuntos, [Rudy] Giuliani e o procurador-geral [William] Barr, a quem o Presidente se referiu várias vezes em conjunto”.

No total, lê-se ainda na nota do denunciante, cerca de 12 pessoas ouviram este telefonema.

De acordo com o semanário Expresso, a Casa Branca tentou mesmo esconder o telefonema num sistema de encriptação apenas utilizado para ocultar informação que pode prejudicar a segurança nacional.

Segundo o denunciante, nos dias seguintes à ligação “funcionários sénior da Casa Branca intervieram para bloquear todos os registos da ligação, principalmente a transcrição oficial palavra por palavra da chamada”. Ações como esta, continua o denunciante, “tornam claro que os funcionários da Casa Branca entenderam a gravidade do que havia acontecido na ligação.”

“De acordo com os funcionários da Casa Branca com quem conversei, esta não foi a primeira vez ‘sob esta administração’ que uma transcrição presidencial foi colocada nesse sistema de encriptação apenas com o objetivo de proteger informações politicamente sensíveis – em vez de sensíveis à segurança nacional.”

O caso surgiu na sequência de uma denúncia que foi divulgada pelo diretor interino do departamento de serviços de informação, Joseph Maguire, que reportou o incidente ao Congresso, sem, contudo, prestar mais esclarecimentos, alegando privilégios presidenciais.

Donald Trump é acusado de ter feito um telefonema para o presidente da Ucrânia, Vladimir Zelenski, em julho passado, pressionando-o a investigar Hunter Biden, filho de Joe Biden, vice-presidente no mandato de Barack Obama e atual candidato à Casa Branca pelo Partido Democrata, por suspeita de irregularidades na sua ligação com uma empresa ucraniana.

Hunter Biden foi contratado pela empresa ucraniana Burisma, de extração e produção de gás, e Joe Biden, quando era o principal interlocutor da Casa Branca na Ucrânia, incentivou o Governo de Kiev a libertar-se da dependência energética em relação a Moscovo. Trump também terá lançado dúvidas sobre o papel do ex-vice no afastamento de um ex-procurador-geral ucraniano.

Trump também pediu a Zelensky para entrar em contacto com o seu advogado pessoal, Rudolph Giuliani, e com o procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr.

Durante a conversa telefónica, Trump não fez qualquer referência ao pacote de ajuda financeira à Ucrânia de 250 milhões de dólares, cerca de 226 milhões de euros, que tinha sido suspenso uns dias antes. O Presidente ucraniano negou que Trump o tenha pressionado, afirmando que a única pessoa que o consegue pressionar é o seu filho de seis anos.

A polémica levou a líder da maioria Democrata na Câmara de Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, a anunciar na terça-feira um pedido formal de impeachment de Donald Trump.

A presidente da maioria Democrata na Câmara de Representantes, Nancy Pelosi, disse no domingo que, a menos que Joseph Maguire dê mais dados, a contenção de informação, por razões de privilégios presidenciais, poderá ser tomada como uma obstrução de Justiça, passível de levar a um processo de destituição do Presidente.

Na história dos EUA, nunca houve um Presidente destituído. Apenas dois chefes de Estado enfrentaram esta medida — Bill Clinton em 1998 e Andrew Johnson em 1868 — tendo ambos sido absolvidos.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Francisco Rodrigues dos Santos admite que tem sido "difícil" juntar o CDS (mas "não por falta de iniciativa")

Francisco Rodrigues dos Santos, presidente do CDS-PP, afirmou, numa entrevista ao Jornal de Notícias e TSF que tem sido "difícil" conquistar a coesão do partido. Em entrevista ao Jornal de Notícias e à TSF, o líder …

Isabel dos Santos usou equipa de espiões para provar "conspiração" e "vingança" de João Lourenço

A empresária Isabel dos Santos contratou uma firma de antigos agentes secretos israelitas para provar que foi vítima de um ataque orquestrado pelo governo de João Lourenço. Isabel dos Santos criou uma equipa de espiões para …

"Perdemos o avô da nação". Morte do príncipe Filipe deixou "um grande vazio" na vida de Isabel II

A morte do príncipe Filipe, duque de Edimburgo, na sexta-feira, aos 99 anos, deixou a Rainha Isabel II, sua esposa, com "um grande vazio na sua vida", disse este domingo aos jornalistas o seu filho …

Mapa online interativo ajudou indígenas do Panamá a fazer frente à pandemia

Quando a covid-19 chegou ao Panamá no ano passado, o cartógrafo Carlos Doviaza temeu pelas pessoas indígenas da sua comunidade. Por isso, para as ajudar, dedicou-se a fazer aquilo que faz melhor: mapas. "Pensei: 'Porque não …

"A política ama traição, mas despreza o traidor". Sócrates acusa PS de "ataque injusto" (e diz-se alvo de "vingança" da direita)

"A política ama a traição, mas despreza o traidor". No livro "Só Agora Começou", que será publicado nos próximos dias, José Sócrates acusa a atual direção do PS de traição. De acordo com o Diário de …

Portugal regista mais 566 casos e seis óbitos por covid-19

Portugal registou, este domingo, mais seis mortes e 566 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da Direção-Geral da Saúde …

PS quer que Cavaco Silva diga "quando é que soube do buraco do BES"

O PS quer que o antigo Presidente da República Cavaco Silva esclareça "quando é que soube do buraco do BES" e porque é que "não agiu atempadamente" para evitar o aumento de capital, que gerou …

Perdoar o passado, celebrar o renascimento e cumprir tradições. A primavera traz o Nowruz, o ano novo persa

Assim que as flores começam a desabrochar e os dias ficam mais longos, fica claro que o Nowruz está prestes a chegar. A celebração do ano novo iraniano é secular, com raízes que remontam a …

“Mostrámos que sabemos governar”. Bloco apresenta candidata a Lisboa (e abre a porta a acordo com PS)

O Bloco de Esquerda apresentou a candidatura de Beatriz Gomes Dias à Câmara Municipal de Lisboa, pediu “mais força” para determinar a governação da cidade e abriu a porta a novos entendimentos com o PS …

Fé nos números. Foi o voto não religioso que Donald Trump perdeu em 2020 

Em novembro de 2020, Joe Biden foi eleito Presidente dos Estados Unidos da América. Uma análise revelou recentemente que a derrota de Donald Trump dependeu daqueles que não se identificam com nenhuma religião. Ryan Burge, professor …