Delator da chamada telefónica de Donald Trump pode ser um agente da CIA

O New York Times revelou esta quinta-feira que o whistleblower que denunciou as manobras de Donald Trump para influenciar a corrida presidencial para 2020 é um agente da CIA que terá trabalhado na Casa Branca.

A transcrição de um telefonema entre Donald Trump e o Presidente da Ucrânia, Volodymir Zelenskyy, em que o primeiro terá pedido ao governante ucraniano para investigar o filho de Joe Biden, foi publicada na quarta-feira.

O jornal norte-americano The New York Times revelou que o denunciante era um agente da CIA. De acordo com a revista Forbes, o homem em questão terá trabalhado na Casa Branca mas, entretanto, regressou à CIA. O advogado do whistleblower disse que revelar informações sobre o agente da CIA coloca-o em perigo: “Tem direito ao anonimato”.

O Presidente dos EUA reagiu no Twitter às notícias: “Um whistleblower com informações em segunda mão? Mais fake news! Vejam o que foi dito na minha chamada muito simpática e sem pressão [ao Presidente ucraniano]. Outra caça às bruxas!“.

Já é conhecido, na íntegra, o relato que a pessoa que denunciou as suspeitas de pressão enviou para o presidente do Comité do Senado para os Serviços de Informações e para o presidente do mesmo comité mas na Câmara dos Representantes e essa pessoa acusa o Presidente dos EUA de colocar em causa a segurança nacional e de “minar os esforços já demonstrados pelos EUA em combater e diminuir a possibilidade de interferência de poderes estrangeiros nas eleições de 2020”.

A denúncia, disponível no jornal britânico The Guardian, começa com uma declaração da gravidade que, no entender da fonte, pesa sobre o assunto. “Estou profundamente preocupado com as ações descritas abaixo porque constituem ‘um sério ou flagrante abuso do poder’ e uma ‘violação da lei ou ordem executiva’ (…). Estou também preocupado que estas ações representam riscos para a segurança nacional e possam pôr em causa os esforços já encetados pelo Governo dos EUA para dissuadir e combater a interferência estrangeira nas eleições.”

“Vários funcionários da Casa Branca com conhecimento direto da chamada informaram-me que, depois de uma primeira troca de amabilidades, o presidente usou o restante da chamada para fazer avançar os seus interesses pessoais. Procurou pressionar o líder ucraniano a tomar medidas para o ajudar a garantir a presidência em 2020.”

Trump pediu para “iniciar ou continuar uma investigação às atividades do ex-vice-presidente Joseph Biden e do seu filho, Hunter Biden; ajudar a descobrir se as alegações de interferência russa nas eleições presidenciais dos EUA de 2016 tiveram origem na Ucrânia, com um pedido específico para que o líder ucraniano localizasse e entregasse os servidores usados ​​pelo Comité Nacional Democrata (DNC) e examinado pela empresa de segurança cibernética dos EUA Crowdstrike, que inicialmente informou que hackers russos haviam penetrado nas redes do DNC em 2016; e conhecer ou falar com duas pessoas que o Presidente nomeou explicitamente como seus enviados pessoais sobre esses assuntos, [Rudy] Giuliani e o procurador-geral [William] Barr, a quem o Presidente se referiu várias vezes em conjunto”.

No total, lê-se ainda na nota do denunciante, cerca de 12 pessoas ouviram este telefonema.

De acordo com o semanário Expresso, a Casa Branca tentou mesmo esconder o telefonema num sistema de encriptação apenas utilizado para ocultar informação que pode prejudicar a segurança nacional.

Segundo o denunciante, nos dias seguintes à ligação “funcionários sénior da Casa Branca intervieram para bloquear todos os registos da ligação, principalmente a transcrição oficial palavra por palavra da chamada”. Ações como esta, continua o denunciante, “tornam claro que os funcionários da Casa Branca entenderam a gravidade do que havia acontecido na ligação.”

“De acordo com os funcionários da Casa Branca com quem conversei, esta não foi a primeira vez ‘sob esta administração’ que uma transcrição presidencial foi colocada nesse sistema de encriptação apenas com o objetivo de proteger informações politicamente sensíveis – em vez de sensíveis à segurança nacional.”

O caso surgiu na sequência de uma denúncia que foi divulgada pelo diretor interino do departamento de serviços de informação, Joseph Maguire, que reportou o incidente ao Congresso, sem, contudo, prestar mais esclarecimentos, alegando privilégios presidenciais.

Donald Trump é acusado de ter feito um telefonema para o presidente da Ucrânia, Vladimir Zelenski, em julho passado, pressionando-o a investigar Hunter Biden, filho de Joe Biden, vice-presidente no mandato de Barack Obama e atual candidato à Casa Branca pelo Partido Democrata, por suspeita de irregularidades na sua ligação com uma empresa ucraniana.

Hunter Biden foi contratado pela empresa ucraniana Burisma, de extração e produção de gás, e Joe Biden, quando era o principal interlocutor da Casa Branca na Ucrânia, incentivou o Governo de Kiev a libertar-se da dependência energética em relação a Moscovo. Trump também terá lançado dúvidas sobre o papel do ex-vice no afastamento de um ex-procurador-geral ucraniano.

Trump também pediu a Zelensky para entrar em contacto com o seu advogado pessoal, Rudolph Giuliani, e com o procurador-geral dos Estados Unidos, William Barr.

Durante a conversa telefónica, Trump não fez qualquer referência ao pacote de ajuda financeira à Ucrânia de 250 milhões de dólares, cerca de 226 milhões de euros, que tinha sido suspenso uns dias antes. O Presidente ucraniano negou que Trump o tenha pressionado, afirmando que a única pessoa que o consegue pressionar é o seu filho de seis anos.

A polémica levou a líder da maioria Democrata na Câmara de Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, a anunciar na terça-feira um pedido formal de impeachment de Donald Trump.

A presidente da maioria Democrata na Câmara de Representantes, Nancy Pelosi, disse no domingo que, a menos que Joseph Maguire dê mais dados, a contenção de informação, por razões de privilégios presidenciais, poderá ser tomada como uma obstrução de Justiça, passível de levar a um processo de destituição do Presidente.

Na história dos EUA, nunca houve um Presidente destituído. Apenas dois chefes de Estado enfrentaram esta medida — Bill Clinton em 1998 e Andrew Johnson em 1868 — tendo ambos sido absolvidos.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Índia regista mais de oito mil novos casos. Tem "uma longa batalha" pela frente

A Índia registou mais de oito mil novos casos de covid-19 num único dia, um novo recorde desde o início da pandemia no país, foi este domingo anunciado. O número de casos confirmados de covid-19 na …

Jovens bolivianos forçaram picada de viúva-negra. Queriam ser como o Homem-Aranha

Três irmãos bolivianos de 8, 10 e 12 anos acabaram hospitalizados depois de fazerem com que uma viúva negra os picasse para que ficassem com super-poderes como o Homem Aranha. "Pensando que a [picada] lhes …

Bloco exige retirada de norma "insultuosa" no apoio a recibos verdes

O Bloco de Esquerda (BE) exigiu este domingo ao Governo que retire do formulário de apoio para os trabalhadores independentes uma norma "insultuosa" que lhes exige o compromisso de retomarem a atividade no prazo de …

Espetada de porco 2.0. Novameat propõe carne impressa em 3D para o jantar

A Novameat, uma empresa espanhola de tecnologia alimentar, apresentou um novo produto: carne de porco à base de plantas impressa em 3D, a que batizaram de espetada de porco 2.0. A Novameat quer apoiar um sistema …

Uber acusada de exploração de trabalhadores em Itália

Um tribunal de Milão ordenou a nomeação de um administrador judicial para a Uber Itália durante um ano, após ter determinado que o serviço de entrega de refeições da empresa explorava os trabalhadores. De acordo com …

Pinto de Costa: "Se Rui Moreira tivesse avançado, não me candidatava"

Pinto da Costa revelou que não teria avançado para a recandidatura à presidência do FC Porto se o presidente da Câmara do Porto tivesse entrado na corrida. "Se o Rui Moreira se tivesse candidatado, embora …

"Ficamos chocados." Cientistas redescobrem abelha azul que pensavam estar extinta

Um tipo de abelha azul reapareceu recentemente na Florida, nos Estados Unidos, depois de ter sido vista pela última vez em 2016. Além de azul, a espécie é nova e extremamente rara. Os cientistas estavam convencidos …

Missão da Space X acoplou com sucesso. Astronautas da NASA já chegaram à EEI

A cápsula Dragon que transporta os astronautas da agência espacial norte-americana (NASA) já acoplou à Estação Espacial Internacional, após terem partido no primeiro voo privado rumo ao espaço, neste sábado. Foi às 15:17 (hora de Lisboa) …

Venezuela vai aliviar quarentena com método próprio

Nicolás Maduro anunciou que, a partir de segunda-feira, a Venezuela vai aplicar um modelo próprio de quarentena preventiva da covid-19, que combina cinco dias de flexibilização disciplinada com dez de confinamento obrigatório. “É o modelo cinco …

Uma escultura gigante de uma ave está a espalhar gargalhadas numa cidade da Austrália

Um escultor australiano aproveitou o tempo de quarentena devido à pandemia de covid-19 para construir uma kookaburra eletrónica com quase quatro metros de altura, que até faz os mesmos movimentos e barulhos que o famoso …