Dentro de 15 anos, a Internet vai estar em todo o lado

BarcelonaDigital / Flickr

O físico Michio Kaku

O físico Michio Kaku

O físico e futurista norte-americano, Michio Kaku, considerou, em entrevista à agência Lusa, que dentro de 10 a 15 anos a Internet vai estar em todo o lado, desde os relógios de pulso até às lentes de contacto.

O físico Michio Kaku estará pela primeira vez em Portugal na nona conferência QSP Summit, que se realiza a 12 de março na Exponor, em Matosinhos, numa edição dedicada ao tema “The Future Trends“.

Kaku, que é investigador em Física Teórica, coautor da Teoria das Cordas e com uma vasta obra publicada, onde se inclui “Mundos Paralelos” ou mais recentemente “O Futuro da Mente”, irá abordar na conferência o tema do consumidor do futuro.

“Quando formos às compras, a Internet estará em todo o lugar, incluindo nas nossas lentes de contacto”, disse.

Iremos piscar os olhos e teremos o infinito conhecimento do que estamos a comprar, saberemos qual é a margem de lucro do que estamos a adquirir, qual o melhor preço”, adiantou, acrescentando que este futuro não está muito distante.

“Atualmente já temos Internet nos nossos óculos, dentro de 10, 15 anos, a Internet vai estar em todo o lado, incluindo nos nossos relógios de pulso, lentes de contacto” e até mesmo num papel de parede inteligente, “onde poderemos aceder aos computadores” aceder a um médico através da inteligência artificial “quase de borla”.

“É nisto que os cientistas estão a trabalhar agora: no conhecimento infinito em qualquer lado, a qualquer hora“, explicou.

No futuro, adiantou, através de umas lentes de contacto as pessoas poderão obter informação sobre tudo sobre os produtos que querem comprar, sem serem enganadas, e a isso chama-se “capitalismo perfeito“.

O capitalismo assenta na oferta e na procura, “mas é imperfeito, as pessoas não sabem quem as engana, quem tem os produtos mais baratos”, mas no futuro, através de um simples scann das lentes, essa informação estará disponível a todos os consumidores, disse.

Isso permitirá ainda identificar as pessoas com quem fala ou comunicar em qualquer língua, já através de umas lentes de contacto as pessoas terão acesso à biografia do interlocutor ou a um tradutor instantâneo.

Na conferência, Kaku também fará uma palestra sobre o livro “O Futuro da Mente“.

Questionado sobre de onde partiu a sua inspiração para este tema, o físico norte-americano explicou: “Nós, os físicos, somos pessoas curiosas e sempre fomos curiosos pela mente, porque faz observações, experiências”.

Atualmente, “temos máquinas de ressonância magnética suficientemente sensíveis que conseguem captar pensamentos dentro de um cérebro ativo”, prosseguiu, o que poderá permitir, no futuro, tirar uma fotografia aos nossos sonhos.

“As primeiras fotografias de sonhos estão a ser feitas pelos cientistas, pelo que no futuro, será possível acordar, carregar o botão e ver os sonhos que teve na noite anterior”, mas ainda levará tempo, disse.

Questionado sobre se um dia será possível aos cientistas descodificar a mente humana, Michio Kaku lembrou que atualmente estão a ser estudadas duas coisas: o mapa do corpo, de todos os genes, e o mapa do cérebro.

O próximo grande crash program (aposta intensiva) da Ciência, envolvendo muitos milhões de dólares, será o “mapeamento do cérebro”, acrescentou.

Por um lado, os políticos querem uma cura para as doenças mentais, por outro os cientistas são curiosos e querem saber o que nos faz pensar, daí a aposta nesta área, explicou Michio Kaku.

Os resultados destas investigações terão “aplicações comerciais e a primeira memória de um animal foi gravada no ano passado. Sabemos agora que podemos gravar memórias e transferi-las” como se fosse um ficheiro, disse.

“Isso vai ser muito útil para os pacientes com a doença de Alzheimer, muito em breve vamos ter milhões de pessoas a sofrer de Alzheimer e vamos ter a capacidade” de ter a informação das suas memórias armazenada, numa espécie de pacemaker do cérebro, em que as pessoas “podem carregar num botão e, bingo, ficam a saber quem são e onde vivem”, explicou.

“E talvez um dia, os estudantes possam carregar num botão e aprendam matemática”, exclamou.

Atualmente, é possível gravar memórias de ratos, mas os cientistas já estão a experimentar em primatas. O passo seguinte são os doentes com Alzheimer.

De acordo com a organização, as inscrições para o QSP Summit, onde Michio Kaku participa, já estão esgotadas.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. “ter a informação das suas memórias armazenada, numa espécie de pacemaker do cérebro” este sr. fala-nos dum futuro risonho dizendo-nos coisas destas. Eu prevejo um futuro desse futuro, MEDONHO.

RESPONDER

Depois da polémica, Hank Azaria deixa de dar voz a Apu dos "Simpsons"

O ator que dá voz à personagem indiana Apu Nahasapeemapetilon, da série "Os Simpsons", anunciou que vai deixar de o fazer, depois de vários anos de polémica. Segundo a BBC, Hank Azaria anunciou, este fim-de-semana, que …

"Parasite" vence prémio principal do Sindicato dos Atores dos EUA

O filme do realizador sul-coreano Bong Joon-ho venceu, no domingo, o prémio mais importante do Sindicato dos Atores dos Estados Unidos (SAG), tornando-se o primeiro filme em língua estrangeira a receber tal distinção. A comédia negra …

Cientistas criam método inovador para tratamento de lesões agudas da pele

Investigadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) de Coimbra desenvolveram um método “inovador e sensível à luz”, que poderá ser útil no tratamento de lesões agudas da pele. Um grupo de investigadores do CNC …

Elon Musk quer enviar 10 mil pessoas a Marte até 2050

O CEO da Space X, Elon Musk, quer construir cem naves por ano e levar pelo menos dez mil pessoas a Marte até 2050, embora os protótipos das naves espaciais Starship ainda estejam sujeitos a …

Como será um iPhone daqui a um milhão de anos? Artista mostra o impacto de lixo eletrónico

https://vimeo.com/386000590 A exposição The World After Us: Imaging techno-aestethic futures tem instalações onde se pode ver a natureza a tomar conta de telemóveis, computadores, tablets e outros dispositivos, mostrando que dificilmente se desintegrarão nos próximos anos. Os …

Marca japonesa acusada de apropriação cultural por perucas de modelos

A marca japonesa Comme Des Garçons foi acusada de apropriação cultural devido às perucas usadas pelos seus modelos caucasianos num desfile na Paris Fashion Week, em França. De acordo com a BBC, as perucas com tranças …

Índia suspende a construção da primeira linha do comboio ultra-rápido Hyperloop

As autoridades estatais do estado indiano de Maharashtra decidiram suspender a construção da primeira linha do comboio ultra-rápido Hyperloop, que iria ligar as movimentadas cidades de Bombaim e Pune. O Governo local decidiu não avançar para …

Regina Duarte inicia "período de testes" na Secretaria da Cultura do Brasil

A atriz brasileira afirmou, esta segunda-feira, que iniciou um "período de testes" na Secretaria Especial da Cultura, pasta que foi convidada a liderar após a exoneração de um governante que parafraseou um discurso nazi. "Nós vamos …

Malásia devolve 150 contentores ilegais de lixo a países desenvolvidos

As autoridades da Malásia anunciaram, esta segunda-feira, que devolveram 150 contentores ilegais de lixo para os seus países de origem e afirmaram que não se querem tornar num "aterro sanitário" dos países desenvolvidos. Os países da …

Vietname contorna Huawei ao desenvolver tecnologia própria para o 5G

O maior grupo de telecomunicações do Vietname vai implementar este ano o 5G com recurso à sua própria tecnologia, contornando os chineses da Huawei, num sinal das implicações geopolíticas da rede de quinta geração. A empresa …