Muitas democracias usaram medidas ilegais ou desnecessárias para conter pandemia

Mário Cruz / Lusa

Quase metade das democracias globais implementou restrições que foram ilegais, desproporcionais ou desnecessárias, por causa da pandemia de covid-19. Esta é a conclusão de um relatório da IDEA Internacional, divulgado esta quarta-feira.

Dois dos aspetos mais afetados pelas medidas de contenção contra a pandemia foram a liberdade de expressão e a integridade dos media e 43% das democracias aplicaram medidas de combate contra a crise sanitária que prejudicaram valores políticos e cívicos essenciais, de acordo com o relatório do Estado Global da Democracia, do Instituto Internacional para a Democracia e Assistência Eleitoral (IDEA Internacional).

O relatório revela que 59% dos países declararam estados de emergência, para lidar com a pandemia, o que lhes permitiu tomar medidas drásticas temporárias, que levaram à diminuição de direitos e liberdades cívicas essenciais, como liberdade de expressão, liberdade de movimento e liberdade de reunião.

Em alguns casos, as medidas provocaram mesmo restrições políticas, como o adiamento (por algum tempo ou por tempo indeterminado) de eleições.

Segundo os relatores do documento, um ano após os primeiros surtos do novo coronavírus, a pandemia parece ter aprofundado os regimes autocráticos em países não-democráticos e retirou liberdades e direitos nos regimes democráticos.

Contudo, pelo lado positivo, o relatório da IDEA Internacional mostra que 11 países mostraram que foi possível levar a cabo a luta contra a pandemia mantendo todos os direitos e garantias cívicas, incluindo Dinamarca, Finlândia, Suécia, Nova Zelândia ou Alemanha.

Em alguns casos, o combate à pandemia permitiu mesmo encontrar novas formas de aprofundamento das democracias, provando a eficácia de modelos de votação alternativos ao voto presencial (como voto por correspondência, voto eletrónico ou voto delegado) ou a vantagem de realização de convenções partidárias através de plataformas digitais de comunicação.

“Mas este relatório ainda nos dá uma imagem incompleta da história. Ainda estamos numa fase intermédia da pandemia e não sabemos se estas consequências se vão manter ou alterar”, disse Kevin Casas-Zamora, secretário-geral da IDEA Internacional, em entrevista à agência Lusa.

Para Casas-Zamora, anteriores crises, como a financeira de 2008-2010, ensinaram que as consequências mais graves apenas surgem algum tempo depois da “tempestade”.

“Falta ainda saber o que nos trará a crise económica que se está a formar por causa da crise sanitária. E temo que sejam os aspetos mais negativos aqueles que poderão ser mais realçados”, concluiu o secretário-geral da organização, lembrando que ainda são possíveis novas vagas da pandemia e há muita incerteza sobre o que trarão as estratégias de aplicação das vacinas contra a covid-19.

Casas-Zamora destacou vários desafios colocados pela pandemia às democracias, salientando o abuso de vários governos relativamente à declaração de estados de emergência, alguns dos quais por períodos de tempo despropositados, especialmente na América Latina.

“As democracias ficaram ainda sobre mais ‘stress’”, explicou Casas-Zamora, dizendo que esta crise sanitária “acelerou processos de deterioração” deste género de regimes, enquanto atrasou os processos da sua sedimentação em países onde a democracia estava a tentar impor-se.

O secretário-geral da IDEA Internacional realçou ainda a conclusão do relatório que indica a existência de aumento de casos de corrupção em 43 países, por causa da pandemia, assim como o reconhecimento de uso abusivo da força por parte das autoridades na implementação de medidas de contenção da propagação do vírus.

“Houve também um aumento da discriminação de minorias e grupos desfavorecidos”, acrescentou Casas-Zamora, considerando que a pandemia foi uma “boa desculpa” para deixar essas franjas da população em situação ainda mais vulnerável.

O relatório mostra ainda que as mulheres foram vítimas preferenciais da crise sanitária global, seja por causa de ocuparem muitos dos lugares nos cuidados de saúde ou por ter aumentado o número de casos de violência doméstica, por causa de confinamentos e quarentenas.

“Felizmente, houve também boas oportunidades para as democracias”, concluiu Casas-Zamora, referindo os casos de inovação democrática que a pandemia acabou por provocar, nomeadamente no que diz respeito ao uso de plataformas digitais.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Isso só significa uma coisa; as democracias não são assim tão democratas quanto se pensava. Isto é tudo muito bonito enquanto votarem em “nós”. Enquanto ganharem sempre os mesmos, dizem que é uma democracia! Bela democracia, quando nem posso sair de casa!!

RESPONDER

Descoberta incomum feita na antiga capital asteca terá de ser novamente enterrada

Uma equipa de arqueólogos mexicanos anunciou que iria reconstruir um monumento arqueológico incomum encontrado nos arredores da Cidade do México. Porém, este processo terá de ser adiado. Trata-se de um túnel construído há vários séculos como …

Portugal na NBA: Neemias Queta foi escolhido

Momento inédito na história do deporto português. O jovem poste foi contratado pelos Sacramento Kings, equipa que ganhou 10 milhões de adeptos. Se já havia muitos portugueses a ficarem acordados de madrugada para ver em direto …

Inflação aumenta para 1,5% em julho

A inflação terá atingido os 1,5% em julho, um aumento de 1,0 pontos percentuais face ao registado em junho, de acordo com a informação já apurada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). “Tendo por base a …

Autoridades israelitas investigam empresa que criou programa Pegasus

Benny Gantz, ministro da Defesa de Israel, foi a Paris conversar com a sua homóloga francesa, Florence Parly. Em Telavive, as autoridades israelitas inspecionaram, esta quarta-feira, os escritórios da NSO. O Expresso escreve que, esta quarta-feira, …

PS e PAN discordam da decisão de Marcelo de enviar Carta dos Direitos na Era Digital para o TC

O artigo 6.º da Carta Portuguesa dos Direitos Humanos na Era Digital tem sido polémico, por prever a existência de entidades certificadas para atribuir selos de qualidade a órgãos de comunicação social que produzam informação …

Cientistas estão a desvendar os mistérios da origem da fotossíntese

Um novo estudo planeia desvendar os mistérios da origem da fotossíntese. Embora seja um processo pré-histórico, ainda pouco se sabe sobre as suas origens. Fotossíntese é um processo pelo qual ocorre a conversão da energia solar …

Governo prolonga apoio à retoma progressiva às empresas

As empresas que enfrentem quebras de faturação iguais ou superiores a 25% vão poder continuar a aceder ao apoio à retoma progressiva, até a normalização da pandemia, após ter sido aprovada esta quinta-feira a prorrogação …

Oito números que não aparecem no Censos 2021

Dados preliminares foram divulgados nesta semana. Médias, comparações e percentagens que podem ser feitas a partir dos números publicados. O Instituto Nacional de Estatística anunciou nesta semana que já estão disponíveis os dados preliminares dos Censos …

Governo aprova designação de Ana Paula Vitorino para liderar AMT

A ex-ministra do Mar e deputada do PS, Ana Paula Vitorino, foi esta quinta-feira aprovada para liderar a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes. O Governo de António Costa aprovou esta quinta-feira, em Conselho de Ministros, …

Treino de força reduz a ansiedade em jovens adultos

De acordo com um estudo recente, o treino de força pode ajudar o reduzir os níveis de ansiedade subclínica. A investigação sobre ansiedade e depressão tende a centrar-se em indivíduos com sintomas de nível clínico — …