Muitas democracias usaram medidas ilegais ou desnecessárias para conter pandemia

Mário Cruz / Lusa

Quase metade das democracias globais implementou restrições que foram ilegais, desproporcionais ou desnecessárias, por causa da pandemia de covid-19. Esta é a conclusão de um relatório da IDEA Internacional, divulgado esta quarta-feira.

Dois dos aspetos mais afetados pelas medidas de contenção contra a pandemia foram a liberdade de expressão e a integridade dos media e 43% das democracias aplicaram medidas de combate contra a crise sanitária que prejudicaram valores políticos e cívicos essenciais, de acordo com o relatório do Estado Global da Democracia, do Instituto Internacional para a Democracia e Assistência Eleitoral (IDEA Internacional).

O relatório revela que 59% dos países declararam estados de emergência, para lidar com a pandemia, o que lhes permitiu tomar medidas drásticas temporárias, que levaram à diminuição de direitos e liberdades cívicas essenciais, como liberdade de expressão, liberdade de movimento e liberdade de reunião.



Em alguns casos, as medidas provocaram mesmo restrições políticas, como o adiamento (por algum tempo ou por tempo indeterminado) de eleições.

Segundo os relatores do documento, um ano após os primeiros surtos do novo coronavírus, a pandemia parece ter aprofundado os regimes autocráticos em países não-democráticos e retirou liberdades e direitos nos regimes democráticos.

Contudo, pelo lado positivo, o relatório da IDEA Internacional mostra que 11 países mostraram que foi possível levar a cabo a luta contra a pandemia mantendo todos os direitos e garantias cívicas, incluindo Dinamarca, Finlândia, Suécia, Nova Zelândia ou Alemanha.

Em alguns casos, o combate à pandemia permitiu mesmo encontrar novas formas de aprofundamento das democracias, provando a eficácia de modelos de votação alternativos ao voto presencial (como voto por correspondência, voto eletrónico ou voto delegado) ou a vantagem de realização de convenções partidárias através de plataformas digitais de comunicação.

“Mas este relatório ainda nos dá uma imagem incompleta da história. Ainda estamos numa fase intermédia da pandemia e não sabemos se estas consequências se vão manter ou alterar”, disse Kevin Casas-Zamora, secretário-geral da IDEA Internacional, em entrevista à agência Lusa.

Para Casas-Zamora, anteriores crises, como a financeira de 2008-2010, ensinaram que as consequências mais graves apenas surgem algum tempo depois da “tempestade”.

“Falta ainda saber o que nos trará a crise económica que se está a formar por causa da crise sanitária. E temo que sejam os aspetos mais negativos aqueles que poderão ser mais realçados”, concluiu o secretário-geral da organização, lembrando que ainda são possíveis novas vagas da pandemia e há muita incerteza sobre o que trarão as estratégias de aplicação das vacinas contra a covid-19.

Casas-Zamora destacou vários desafios colocados pela pandemia às democracias, salientando o abuso de vários governos relativamente à declaração de estados de emergência, alguns dos quais por períodos de tempo despropositados, especialmente na América Latina.

“As democracias ficaram ainda sobre mais ‘stress’”, explicou Casas-Zamora, dizendo que esta crise sanitária “acelerou processos de deterioração” deste género de regimes, enquanto atrasou os processos da sua sedimentação em países onde a democracia estava a tentar impor-se.

O secretário-geral da IDEA Internacional realçou ainda a conclusão do relatório que indica a existência de aumento de casos de corrupção em 43 países, por causa da pandemia, assim como o reconhecimento de uso abusivo da força por parte das autoridades na implementação de medidas de contenção da propagação do vírus.

“Houve também um aumento da discriminação de minorias e grupos desfavorecidos”, acrescentou Casas-Zamora, considerando que a pandemia foi uma “boa desculpa” para deixar essas franjas da população em situação ainda mais vulnerável.

O relatório mostra ainda que as mulheres foram vítimas preferenciais da crise sanitária global, seja por causa de ocuparem muitos dos lugares nos cuidados de saúde ou por ter aumentado o número de casos de violência doméstica, por causa de confinamentos e quarentenas.

“Felizmente, houve também boas oportunidades para as democracias”, concluiu Casas-Zamora, referindo os casos de inovação democrática que a pandemia acabou por provocar, nomeadamente no que diz respeito ao uso de plataformas digitais.

  // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Isso só significa uma coisa; as democracias não são assim tão democratas quanto se pensava. Isto é tudo muito bonito enquanto votarem em “nós”. Enquanto ganharem sempre os mesmos, dizem que é uma democracia! Bela democracia, quando nem posso sair de casa!!

RESPONDER

"Falta de respeito". Patrões abandonam concertação social e pedem audiência a Marcelo

As quatro confederações patronais suspenderam, esta sexta-feira, a sua participação nas reuniões da Concertação Social e decidiram solicitar uma audiência ao Presidente da República, perante a "desconsideração do Governo pelos parceiros sociais" na discussão sobre …

Parlamento aprova diplomas para alargar gratuitidade das creches e "direito ao esquecimento"

O Parlamento aprovou, esta sexta-feira, um projeto-lei para o alargamento da gratuitidade das creches e de soluções equiparadas e ainda um diploma que consagra o "direito ao esquecimento". A Assembleia da República aprovou um projeto-lei do …

Costa está muito empenhado num acordo pelo OE, mas não "a qualquer preço"

O primeiro-ministro disse, esta sexta-feira, que o Governo vai fazer tudo ao seu alcance para chegar a um acordo sobre o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), mas advertiu que "um acordo não se obtém …

Evergrande escapa por um triz ao default e garante o pagamento de juros de 71.7 milhões de euros

A gigante imobiliária chinesa conseguiu cumprir com o pagamento dos juros no limiar do fim da extensão do prazo. No entanto, persistem os receios sobre a possibilidade da crise na China contagiar a economia mundial. A …

Pessoas a andar na rua em Viena, Áustria

Em caso de apagão geral, Áustria é o primeiro país europeu a ter um Plano B(lackout)

E se houvesse um apagão que afetasse todo o continente europeu? O cenário é o argumento que o Ministério da Defesa austríaco tem usado para enviar um aviso à população desde o início deste mês. A …

Só um terço das empresas em Portugal têm gestores com um curso superior

O estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos refere que este valor é negativo para o país já que a formação superior dos gestores está associada à produtividade e há maior probabilidade da empresa começar …

Governo avança com desconto de 10 cêntimos por litro nos combustíveis para as famílias

O Governo vai criar um desconto de dez cêntimos por litro nos combustíveis para todas as famílias, até 50 litros por mês. Uma medida que estará em vigor entre novembro deste ano e março do …

Inês Sousa Real, porta-voz do PAN

PAN já enviou memorando de entendimento ao Governo

O partido Pessoas–Animais–Natureza enviou ao Governo, esta sexta-feira, o memorando de entendimento com cerca de 60 propostas, no âmbito do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022). "O PAN fez chegar ao Governo um memorando do qual …

Alterações ao Orçamento de 2021 custaram, afinal, muito mais do que o estimado pelo Governo

Apenas duas das 291 medidas adicionadas representaram um impacto anual de 88 milhões de euros, com o Governo a calcular, durante a especialidade, que a totalidade custaria 3,2 milhões de euros. As alterações feitas ao Orçamento …

Entre a pandemia e os preços da energia, Marcelo alerta que chumbo do OE criaria "mais um problema"

O Presidente da República reiterou, esta sexta-feira, que deseja evitar uma crise política criada por um eventual chumbo do Orçamento de Estado, porque "só juntaria um problema" à pandemia e à subida dos preços dos …