Mais de 60% dos portugueses deixaram de ir a restaurantes. Só 33% considera que o Estado prioriza a saúde

Miguel A. Lopes / Lusa

A nível nacional, 63% dos portugueses que continuaram a ir a espaços de restauração indicaram o convívio familiar com principal motivo da deslocação. A nível dos cuidados de saúde apenas 33% dos portugueses consideram que Governo trata esta área com a importância necessária.

Na última quinzena, o Governo apertou as restrições aos restaurantes nos concelhos de maior risco, ao impor o encerramento às 13h.

Esta medida terá contribuído para o afastamento dos clientes da restauração. De acordo com a mais recente sondagem da Intercampus, 62,9% dos inquiridos optaram por não frequentar restaurantes nos últimos 15 dias, sendo que apenas 36,5% dos participantes revelaram ter ido comer fora.

Na análise por regiões, o inquérito concluiu que foi na zona de Lisboa que a maior parte dos inquiridos respondeu afirmativamente (40,9%), segue-se o Norte (36,4%) e o Alentejo (34,7%).

As idas ao restaurante conquistaram sobretudo os homens (40,2%), face a apenas 33,1% de respostas positivas por parte das mulheres. A faixa etária que vai dos 35 aos 54 anos foi a que manteve idas mais regulares aos estabelecimentos de restauração (39,2%).

Para os portugueses que continuaram a frequentar a restauração, o convívio familiar foi o principal motivo da escolha, com 63% a admitirem fazê-lo. Aqui, destaca-se a região Norte, onde 67,5% dos inquiridos revelam que este é o principal motivo para ir comer fora.

Entre os motivos encontrados para comer fora, segue-se o convívio com amigos, que reúne 23,8% das respostas . Dos inquiridos que revelaram ter frequentado a restauração na última quinzena, há ainda 18,9% que afirmam que a escolha se deveu a deslocações profissionais.

O inquérito teve também como objetivo aferir a opinião dos portugueses sobre os apoios dados pelo Governo aos setores mais afetados pela pandemia, que nos últimos meses têm recebido ajudas.

A maioria dos inquiridos, 78%, concorda que o Estado tem o dever de apoiar financeiramente estes setores, ainda que 14,1% dos portugueses questionados considerem que não.

Cuidados de Saúde

Um outro estudo apresentado esta quarta-feira pela Apifarma – Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica, revela que 97% dos inquiridos acreditam que a saúde apresenta uma importância extrema, mas apenas 33% consideram que o Governo lhe atribuiu a importância necessária.

Apesar de a saúde ser uma área que os inquiridos veem como importante, o Governo parece não corresponder às expectativas dos portugueses, pois 46% considera que o executivo trata a área como indiferente e 20% dos inquiridos dizem mesmo que a saúde é pouco prioritária.

O acesso ao Serviço Nacional da Saúde também não satisfaz os inquiridos. Apenas 2 em cada 3 portugueses veem como fácil o acesso ao SNS, sendo que 32% respondem que é difícil aceder aos cuidados do Estado.

Em relação aos tratamentos oncológicos, os resultados são semelhantes. De acordo com o comunicado da Apifarma, 68% dos inquiridos consideram insuficiente o investimento do Estado no combate ao cancro, com 11% a acharem justa a verba destinada a esse fim.

O inquérito revela ainda que mais de metade dos portugueses (60%) classificam como insuficiente ou muito insuficiente o acesso aos tratamentos “mais modernos” para o cancro, apesar de ser a doença “mais preocupante” (75%), excluindo a Covid-19, avança RTP.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

PS diz que Marcelo deve vitória aos socialistas (e cobra-lhe apoio em tempos difíceis)

"A democracia venceu na primeira volta e o extremismo de direita foi derrotado". É desta forma que o presidente do PS, Carlos César, comenta os resultados das eleições presidenciais ganhas por Marcelo Rebelo de Sousa, …

"Liberdade para a Dinamarca". Novos incidentes em manifestação contra restrições

Uma manifestação contra as restrições impostas para conter a pandemia, organizada por um grupo radical, em Copenhaga, originou novos incidentes na noite de sábado e resultou em cinco detenções, relataram a polícia e os meios …

Pela primeira vez, um restaurante vegan ganha uma estrela Michelin em França

Um restaurante de comida totalmente vegan em França foi o primeiro do país a receber a desejada estrela Michelin. Localiza-se perto de Bordéus. A concessão da estrela ao ONA (Origine Non-Animale) é mais uma evidência de …

Onze mineiros resgatados com vida de uma mina de ouro na China

Onze mineiros presos há duas semanas dentro de uma mina de ouro na China, devido a uma explosão, foram hoje trazidos em segurança para a superfície, informou a televisão estatal chinesa. No dia 10 de janeiro, …

Multimilionário oferece 1 milhão em prémios por evidências de vida após a morte

Um empresário de Las Vegas, nos Estados Unidos, está a oferecer um milhão de dólares em prémios em troca de evidências de que existe vida após a morte. O investidor imobiliário e empresário espacial Robert Bigelow, …

Marcelo reeleito com 55% a 62% dos votos. Ana Gomes em segundo lugar

Marcelo Rebelo de Sousa foi reeleito para um segundo mandato como Presidente da República, após vencer as eleições deste domingo com 55% a 62% dos votos.  Segundo as primeiras projeções, Ana Gomes deverá ficar em …

Itália vai processar Pfizer e AstraZeneca devido a atrasos nas vacinas. UE pede "transparência"

A Itália vai processar a Pfizer Inc e a AstraZeneca devido aos atrasos na entrega das vacinas contra a covid-19 e para garantir os fornecimentos – não para obter compensações, disse neste domingo o ministro …

Declínio cognitivo relacionado com a idade pode ser reversível

Cientistas conseguiram reverter em ratos o declínio cognitivo causado pelo envelhecimento. O objetivo dos investigadores é que as farmacêuticas baseiem-se neste estudo para criar um composto que possa ser administrado em humanos. As células específicas do …

Afluência às urnas é menor (mas há mais votantes). Abstenção deverá ficar entre os 56 e 60%

A afluência às urnas às 16:00 nas presidenciais de hoje em Portugal, 35,4%, é a segunda mais baixa desde as eleições de 2006, ano em que este número passou a ser divulgado pela administração eleitoral. Esta …

Reino Unido já vacinou quase 6 milhões. Alemanha aumenta controlo nas fronteiras

O Reino Unido já administrou a primeira das duas doses da vacina contra o novo coronavírus em cerca de seis milhões de pessoas, quando o número de mortes no país devido à pandemia está perto …