/

Cristina Kirchner livra-se de dois processos após ser eleita vice-Presidente

2

José Cruz / Agência Brasil

Cristina Kirchner

A justiça argentina cancelou duas acusações e confirmou uma terceira por corrupção contra a ex-Presidente e senadora Cristina Kirchner, 48 horas depois das eleições que a consagraram vice-Presidente com imunidade parlamentar.

Ao analisar três processos, a Câmara Federal Penal de Buenos Aires cancelou a acusação a Cristina Kirchner em dois deles, suspendendo também os pedidos de prisão preventiva relacionados, que não são executados graças à imunidade parlamentar da acusada.

Os dois processos referem-se à corrupção na compra de gás importado e a subornos pagos por empresários, donos de concessões em autoestradas. No segundo caso, a Justiça sustenta que a acusação se refere ao período em que o seu falecido marido, Néstor Kirchner (2003-2007), era Presidente e não ao período posterior de Kirchner (2007-2015).

A acusação nesse caso estava baseada na confissão de quem era o responsável pelo Organismo de Controlo de Concessões, Claudio Uberti (2003 e 2007), que admitiu arrecadar 150 mil dólares mensais de cada empresa e de levar o montante pessoalmente em malas ao então Presidente, Néstor Kirchner. Os empresários envolvidos também confessaram o esquema.

No entanto, foi confirmado um terceiro processo. Nesse, a agora eleita vice-Presidente teria sido a beneficiária final de um esquema de corrupção com formação de cartel nas obras públicas. Nesse caso, Cristina Kirchner é acusada de formação de quadrilha (associação ilícita).

A acusação também envolve alguns ex-membros do seu governo, como o então ministro do Planeamento, Julio de Vido, e o secretário de Obras Públicas, José López, já presos. Também estão processados uma centena de empresários delatores.

“Um esquema de arrecadação ilegal de dinheiro, através do qual se concedia a dedo as licitações de obras públicas”, acusou o juiz em primeira instância Claudio Bonadio, explicando que “os montantes oscilavam entre dez e vinte por cento do total da obra“.

“A soma entregue foi superior a 30 milhões de dólares que viajavam em aviões oficiais às cidades de Rio Gallegos e El Calafate, onde eram guardados em cofres subterrâneos instalados das residências do casal Néstor e Cristina Kirchner”, definiu o juiz.

Kirchner continua acusada em 10 processos com cinco pedidos de prisão.

Contudo, se já gozava de imunidade graças ao seu atual cargo de senadora, terá a partir de 10 de dezembro uma blindagem ainda maior: para anular a imunidade de uma senadora, é preciso dos votos de uma maioria, para cancelar a imunidade de uma vice-presidente é precisar também que uma maioria a destitua primeiro. O peronismo ao qual pertence é maioria no Senado.

No próximo dia 4 de novembro, recomeçará o único processo em que está a ser julgada, no qual também é acusada de liderar uma organização para conceder sempre obras a um mesmo empresário, Lázaro Báez, acusado de ser o testa-de-ferro da família Kirchner.

  ZAP // Lusa

2 Comments

  1. É este Lixo que o Povo gosta.Elegem corruptos que os vão depois deixar na miséria, é o mesmo que meter a Raposa dentro do Galinheiro. Querem os Comunistas, pois ai estão eles. Quando o Povo andar a pedir esmola pelas ruas e a catar comida no Lixo, igual ao povo Venezuelano, ai vão ver como é bom.
    Vejo que o Povo Argentino é Ignorante, quando escolhe pessoas acusadas por corrupção para os Governar.

  2. Esta ladra, enquanto presidente da Argentina, roubou que se fartou e pôs o país na miséria. Agora, inacreditavelmente, o povo chamou-a outra vez para caçar mais algum e continuar a destruição. O povo argentino anda completamente à deriva, em estado caótico de depressão. Já nem o papa Francisco lhes vale.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.