Crise em Angola já fez regressar 3 mil portugueses

André P. / Flickr

Luanda, Angola

Mais de três mil trabalhadores portugueses do setor da construção abandonaram Angola desde o início da crise, em janeiro.

O Jornal de Notícias avança que a crise angolana está a obrigar algumas empresas portuguesas do setor da construção civil a trazer os trabalhadores de volta para Portugal. De acordo com o jornal, três mil trabalhadores já regressaram, e o Sindicato da Construção em Portugal, Albano Ribeiro, afirma que “muitos mais se seguirão”.

A queda nas receitas do petróleo devido à sua desvalorização no mercado, desde janeiro, levou o Governo angolano a travar obras, com o país a viver um grave problema de liquidez, o que tem obrigado as empresas da construção civil que funcionam em Angola a redimensionar-se para se ajustarem.

Algumas empresas que tinham salários em atraso em abril, situação denunciada pelo sindicato, já retificaram essas situações. Contudo, atraso ou cancelamento de obras, as empresas estão a obrigar os trabalhadores a regressar a casa, como é o caso da empresa ACA, que fez regressar 150 trabalhadores.

Albano Ribeiro afirma ao JN que “este regresso vai fazer aumentar o desemprego em Portugal, porque o número de pessoas a regressar vai triplicar, e só algumas empresas, das que têm obras noutros países, com a Alemanha e França, é que estão a reorientar o seu pessoal”.

Já Manuel Reis Campos, da Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário (CPCI), alerta para a questão da sustentabilidade destas empresas: “As empresas portuguesas continuam a ver Angola como um projecto a longo prazo, e, perante esta crise, muitas redimensionaram-se, para aguentar, mas por quanto tempo?”

O responsável afirma que a disponibilização, em julho, de uma linha de crédito para as empresas que funcionam em Angola vai renovar a confiança dos fornecedores, podendo chegar aos 500 milhões de euros. Reis Campos sublinha, no entanto, que “a linha de crédito para as empresas que estão em Angola já deveria ter sido disponibilizada. Criaria logo confiança nos fornecedores”.

O presidente da Câmara Luso-Angolana sustenta que a construção “vive de períodos”. Já o presidente da Mota-Engil, António Mota, disse apenas que, não podendo dar dados exatos sem alguns dias para os preparar, uma coisa era certa: “Sabemos é que não vamos crescer em Angola“.

ZAP

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. “Abandonaram”?, “regressaram” ? ou foram obrigados a abandonar/regressar? Só podem ter tomado essa decisao confiantes num cenário melhor, por certo!!!!

RESPONDER

"Não ficaria surpreendido com um regresso de Ronaldo ao Real Madrid"

O internacional português José Fonte revelou que não ficaria surpreendido com um eventual regresso de Cristiano Ronaldo ao Real Madrid. "Sei que o [Cristiano Ronaldo] ama Madrid, isso é certo. É claro que adora o …

Robôs substituem estudantes em cerimónia de graduação no Japão

Impedidos de estarem na sua cerimónia de graduação por causa do novo coronavírus, estudantes japoneses marcaram presença com a ajuda de robôs. Com as universidades fechadas devido à pandemia de covid-19, muitos foram os estudantes universitários …

Governo flexibiliza prescrição eletrónica de medicamentos

Esta quinta-feira, foi publicado em Diário da República o decreto-lei que cria o regime excecional de prescrição eletrónica de medicamentos durante o estado de emergência. O Governo criou um regime excecional de prescrição eletrónica de …

Médicos imigrantes impedidos de ajudar a combater o coronavírus nos EUA

Devido às regras dos vistos, muitos médicos imigrantes estão a ser proibidos de ajudar a combater a pandemia de covid-19 fora do hospital em que trabalham. Os Estados Unidos continuam a sentir em força as consequências …

Espanha insiste em emissão conjunta de dívida europeia "a médio prazo"

A ministra da Economia espanhola diz que o acordo alcançado pelo Eurogrupo "fazia falta", mas insiste que haja emissão conjunta de dívida europeia "a médio prazo". O Parlamento espanhol aprovou, entretanto, a renovação do estado …

Hyundai apresenta conceito de novo elétrico conduzido com joysticks

A Hyundai apresentou o conceito para um novo veículo, chamado Prophecy. O carro elétrico não é guiado pelo tradicional volante, mas sim por dois joysticks. As feiras automóveis estão todas interrompidas devido à pandemia de covid-19, …

Hospital da Cruz Vermelha excluído da rede de combate à pandemia

O Hospital da Cruz Vermelha não vai integrar a "rede covid", criada em resposta à pandemia do novo coronavírus, anunciou esta quinta-feira o executivo, realçando que esta decisão é tomada porque, face à situação atual, …

Coronavírus. Luvas de látex são perigosas quando não utilizadas corretamente

Quase como acontece com as máscaras, caso não sejam utilizadas corretamente, as luvas descartáveis de látex podem ser perigosas, ajudando a disseminar mais facilmente o vírus. A pandemia de covid-19 despertou grande interesse de como as …

Bloco de Esquerda "não vai aceitar austeridade" no pós-pandemia

A coordenadora nacional do Bloco de Esquerda diz que "não vai aceitar austeridade" em 2021, após a pandemia da covid-19, e garantiu que, pelo seu partido, "não faltará maioria" para ajudar Portugal a sair de …

Em Canonica d'Adda, homens e mulheres têm dias diferentes para ir às compras

A presidente da câmara de uma pequena cidade da Lombardia, Canonica d'Adda, em Itália, decidiu que homens e mulheres terão dias diferentes para fazer compras, visando limitar a multidão nas lojas e lutar contra a …