Criada para prevenir a guerra, a ONU enfrenta um mundo profundamente polarizado

Pete Souza / White House / Wikimedia

Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU)

Criada após a Segunda Guerra Mundial para evitar novos conflitos, a Organização das Nações Unidas (ONU) comemora esta segunda-feira o 75.º aniversário, num mundo polarizado que enfrenta uma pandemia, conflitos regionais, uma economia em declínio e uma crescente desigualdade.

Criticada por alcançar resultados escassos na sua missão de garantir a paz, a ONU continua a ser o único lugar onde os 193 países membros podem se encontrar para conversar, reunindo pessoas de várias idades, etnias e religiões para discutir questões críticas, como as alterações climáticas, notou no domingo o Washington Post.

Numa entrevista à Associated Press, em junho, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que as suas maiores conquistas até agora foram o facto de ter evitado o conflito nuclear e que as nações mais poderosas entrassem em guerra. A sua maior falha, apontou, foi a incapacidade de impedir pequenos e médios confrontos.

Guterres indicou que as pessoas continuam perder a confiança nos governos e nas entidades políticas. O responsável já havia alertado sobre o aumento do populismo, pedindo que o multilateralismo ganhasse força, ao mesmo tempo que denuncia frequentemente a “onda de xenofobia, racismo e intolerância”.

O  secretário-geral apelou à inclusão da sociedade civil, das cidades, do setor privado e dos jovens, afirmando que são “vozes essenciais na formação do mundo que queremos”.

A comemoração desta segunda-feira inclui uma declaração sobre o 75.º aniversário da ONU, aprovada pelos Estados membros. A declaração aponta os sucessos e fracassos da organização ao longo de mais de sete décadas.

“A urgência de todos os países se unirem, para cumprir a promessa das Nações Unidas, nunca foi maior”, pode ler-se na declaração, na qual a ONU é apontada como a única organização global que “dá esperança a tantas pessoas por um mundo melhor”.

Justin Lane / EPA

O secretário-geral da ONU, António Guterres

Mesmo em momentos de grande tensão, lê-se ainda, a ONU “promoveu a descolonização, a liberdade, o desenvolvimento, os direitos humanos e a igualdade para mulheres e homens, trabalhando para erradicar doenças”. E “ajudou a mitigar dezenas de conflitos, salvou centenas de milhares de vidas por meio de ações humanitárias e proporcionou a milhões de crianças a educação que merecem”, acrescentou o documento.

Na declaração, a ONU sublinhou que o mundo “está atormentado por uma crescente desigualdade, pobreza, fome, conflitos armados, terrorismo, insegurança, mudança climática e pandemias” e que os países mais pobres e menos desenvolvidos estão a ficar para trás.

“É lamentável que seja uma celebração bastante sombria para a ONU”, disse Richard Gowan, diretor para as Crises. A declaração, apontou, foi enfraquecida pela oposição dos EUA a uma linguagem forte sobre as alterações climáticas, tendo as negociações sido atrasadas porque alguns países opuseram-se à tentativa da China em manifestar-se.

“Há uma sensação real de que a China tirou proveito do relativo desligamento da administração Trump da ONU para aumentar sua influência”, indicou.

Há um ano, lembrou o Washington Post, Guterres alertou os líderes globais sobre o risco iminente de o mundo se dividir em dois, com os EUA e a China a criar rivalidade na Internet, na moeda, no comércio e nas regras financeiras.

 

Para marcar o seu 75.º aniversário, a ONU lançou em janeiro “uma conversa global”, através de pesquisas, inquéritos e encontros ‘online’ e presenciais para descobrir o que as pessoas pensam sobre o futuro. Os resultados, que o secretário-geral classificou como “impressionantes”, devem ser divulgados esta segunda-feira.

“As pessoas estão a pensar grande – sobre como transformar a economia global, acelerar a transição para carbono zero, garantir a cobertura universal de saúde, acabar com a injustiça racial e garantir que a tomada de decisões seja mais aberta e inclusiva”, afirmou Guterres. “As pessoas também estão a expressar um desejo intenso de cooperação internacional e solidariedade global e a rejeitar abordagens nacionalistas e apelos populistas que causam divisão”, concluiu.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Alfredo Casimiro contrata Banco Nomura para vender 50,1% da Groundforce

O principal acionista da Groundforce anunciou este sábado, em comunicado, ter contratado o banco Nomura para assessorar a venda da participação de 50,1% da Pasogal na empresa de handling Groundforce, e pediu "especial atenção" ao …

Transferência para o Wolves. Diogo Jota recorda palavras de Jorge Mendes: "Vês como eu tinha razão?"

Diogo Jota, atual avançado do Liverpool, recuou no tempo e enfatizou a importância de Jorge Mendes na progressão da sua carreira. O avançado internacional português, que se transferiu esta temporada para o Liverpool, trocou o Atlético …

Um total de 19.359 agregados pagaram adicional de solidariedade do IRS

Entre o Continente e as regiões autónomas dos Açores e da Madeira são 19.359 os agregados com rendimento coletável acima dos 80 mil euros e que, por esse motivo, foram chamados a pagar taxa adicional …

Resort Zmar

Imigrantes já começaram a ser retirados do Zmar (e os donos de casas podem ter de as desmontar)

Os primeiros imigrantes realojados no empreendimento turístico Zmar, em Odemira (Beja), já começaram a ser retirados do local, após a decisão do tribunal contra a requisição civil do Governo. E enquanto se pede a demissão …

Índia ultrapassa quatro mil mortos num só dia. Cuba vai imunizar população com vacinas nacionais

A Índia registou mais de quatro mil mortes associadas à covid-19 num só dia e o Brasil contabilizou 2.165 óbitos nas últimas 24 horas. Em contraste, Cuba vai começar a vacinar a população contra a …

Boris Johnson diz que não haverá novo referendo de independência na Escócia

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, recusou hoje qualquer possibilidade de realizar um novo referendo de independência na Escócia, mesmo que o Partido Nacional Escocês (SNP) obtenha maioria absoluta no parlamento regional. “Acho que um referendo no …

Associação dos Árbitros apresenta queixa contra Benfica, Jesus, Grimaldo e Otamendi

A Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF) apresentou uma queixa contra o Benfica, Jorge Jesus, Grimaldo e Otamendi, por causa das declarações proferidas após o jogo com o FC Porto. A notícia de que a …

Um milhão de pessoas já foram imunizadas. Faixa etária dos 50 anos começou a ser vacinada em alguns locais

Em alguns locais do país, já há pessoas na faixa etária dos 50 anos a receber a primeira dose da vacina contra a covid-19. Fonte da task force responsável pelo plano nacional de vacinação disse, este …

GNR inicia operação para dar segurança nas celebrações e peregrinação a Fátima

A GNR promove a partir de hoje uma operação de segurança em todo o território nacional, com maior incidência em Fátima e nas principais vias de acesso, para garantir segurança durante o deslocamento dos peregrinos …

UEFA anuncia sanções para nove dos 12 fundadores da Superliga. Real Madrid, Barcelona e Juventus denunciam "pressões e ameaças"

O Real Madrid, o Barcelona e a Juventus - os clubes fundadores da Superliga que ainda resistem - emitiram um comunicado conjunto em que reafirmam a necessidade da prova, assegurando que os clubes "receberam - …