Criada para prevenir a guerra, a ONU enfrenta um mundo profundamente polarizado

Pete Souza / White House / Wikimedia

Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU)

Criada após a Segunda Guerra Mundial para evitar novos conflitos, a Organização das Nações Unidas (ONU) comemora esta segunda-feira o 75.º aniversário, num mundo polarizado que enfrenta uma pandemia, conflitos regionais, uma economia em declínio e uma crescente desigualdade.

Criticada por alcançar resultados escassos na sua missão de garantir a paz, a ONU continua a ser o único lugar onde os 193 países membros podem se encontrar para conversar, reunindo pessoas de várias idades, etnias e religiões para discutir questões críticas, como as alterações climáticas, notou no domingo o Washington Post.

Numa entrevista à Associated Press, em junho, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que as suas maiores conquistas até agora foram o facto de ter evitado o conflito nuclear e que as nações mais poderosas entrassem em guerra. A sua maior falha, apontou, foi a incapacidade de impedir pequenos e médios confrontos.

Guterres indicou que as pessoas continuam perder a confiança nos governos e nas entidades políticas. O responsável já havia alertado sobre o aumento do populismo, pedindo que o multilateralismo ganhasse força, ao mesmo tempo que denuncia frequentemente a “onda de xenofobia, racismo e intolerância”.

O  secretário-geral apelou à inclusão da sociedade civil, das cidades, do setor privado e dos jovens, afirmando que são “vozes essenciais na formação do mundo que queremos”.

A comemoração desta segunda-feira inclui uma declaração sobre o 75.º aniversário da ONU, aprovada pelos Estados membros. A declaração aponta os sucessos e fracassos da organização ao longo de mais de sete décadas.

“A urgência de todos os países se unirem, para cumprir a promessa das Nações Unidas, nunca foi maior”, pode ler-se na declaração, na qual a ONU é apontada como a única organização global que “dá esperança a tantas pessoas por um mundo melhor”.

Justin Lane / EPA

O secretário-geral da ONU, António Guterres

Mesmo em momentos de grande tensão, lê-se ainda, a ONU “promoveu a descolonização, a liberdade, o desenvolvimento, os direitos humanos e a igualdade para mulheres e homens, trabalhando para erradicar doenças”. E “ajudou a mitigar dezenas de conflitos, salvou centenas de milhares de vidas por meio de ações humanitárias e proporcionou a milhões de crianças a educação que merecem”, acrescentou o documento.

Na declaração, a ONU sublinhou que o mundo “está atormentado por uma crescente desigualdade, pobreza, fome, conflitos armados, terrorismo, insegurança, mudança climática e pandemias” e que os países mais pobres e menos desenvolvidos estão a ficar para trás.

“É lamentável que seja uma celebração bastante sombria para a ONU”, disse Richard Gowan, diretor para as Crises. A declaração, apontou, foi enfraquecida pela oposição dos EUA a uma linguagem forte sobre as alterações climáticas, tendo as negociações sido atrasadas porque alguns países opuseram-se à tentativa da China em manifestar-se.

“Há uma sensação real de que a China tirou proveito do relativo desligamento da administração Trump da ONU para aumentar sua influência”, indicou.

Há um ano, lembrou o Washington Post, Guterres alertou os líderes globais sobre o risco iminente de o mundo se dividir em dois, com os EUA e a China a criar rivalidade na Internet, na moeda, no comércio e nas regras financeiras.

 

Para marcar o seu 75.º aniversário, a ONU lançou em janeiro “uma conversa global”, através de pesquisas, inquéritos e encontros ‘online’ e presenciais para descobrir o que as pessoas pensam sobre o futuro. Os resultados, que o secretário-geral classificou como “impressionantes”, devem ser divulgados esta segunda-feira.

“As pessoas estão a pensar grande – sobre como transformar a economia global, acelerar a transição para carbono zero, garantir a cobertura universal de saúde, acabar com a injustiça racial e garantir que a tomada de decisões seja mais aberta e inclusiva”, afirmou Guterres. “As pessoas também estão a expressar um desejo intenso de cooperação internacional e solidariedade global e a rejeitar abordagens nacionalistas e apelos populistas que causam divisão”, concluiu.

  ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Apenas 14% das vacinas prometidas aos países mais pobres foram efetivamente entregues

Apesar das promessas deixadas por muitos dos países mais ricos e desenvolvidos, número de vacinas que chegou aos territórios é ainda muito baixo, o que pode comprometer os avanços já conseguidos. Apenas uma em sete doses …

Presidente da Coreia do Sul anuncia fracasso da colocação de satélite em órbita

O primeiro foguetão espacial fabricado pela Coreia do Sul falhou a colocação em órbita da sua carga, um satélite simulado de 1,5 toneladas, apesar de o lançamento ter tido sucesso, disse o Presidente do país. O …

Juízes recusam suspender julgamento de Ricardo Salgado

O juiz que está a julgar o ex-presidente do Banco Espírito Santo (BES), no âmbito da Operação Marquês, recusou suspender o julgamento, depois de a sua defesa ter alegado o facto de ter sido diagnosticado …

Quadro de Van Gogh, que esteve nas mãos dos nazis, vai a leilão. Deverá render 25 milhões de euros

Uma pintura de Vincent van Gogh vai ser leiloada no próximo mês, depois de mais de um século sem ser vista em público. Estima-se que o preço de venda chegue aos 25 milhões de euros. O …

Coreia do Sul lança com êxito o seu primeiro foguetão espacial

A Coreia do Sul lançou hoje o seu primeiro foguetão de fabrico próprio, segundo as imagens transmitidas pela televisão, tornando-se o décimo país do mundo com capacidade para desenvolver e lançar veículos espaciais. O veículo coreano …

"A melhor coisa que pode acontecer a Portugal era o Governo ser derrubado e desaparecer"

O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, defendeu hoje que “a melhor coisa que podia acontecer a Portugal”, neste momento, era o executivo liderado por António Costa “ser derrubado e desaparecer”. Miguel Albuquerque afirmou …

Mulher de João Rendeiro tem mais três dias para entregar as obras em falta

O prazo para a entrega das obras acabou esta quarta-feira, mas a juíza do processo em que João Rendeiro foi condenado a dez anos de prisão efetiva deu mais três dias à mulher do ex-banqueiro. Depois …

Uma estrada com alguns automóveis

Sete cidades do Norte podem ir a jogo pela neutralidade carbónica

Gaia, Porto, Matosinhos, Famalicão, Guimarães, Braga e Viana do Castelo poderão ir a jogo na Missão Climate Neutral & Smart Cities, que quer apoiar a redução de emissões em 100 cidades. Uma coligação de sete cidades …

Teste à covid-19

Subvariante da Delta identificada em Israel. Em Portugal há nove casos

Em Portugal, já foram detetados nove casos da variante AY4.2, subvariante da Delta, de acordo com o mais recente relatório do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge sobre diversidade genética do novo coronavírus SARS-CoV-2. O …

FCSH diz que "não existe matéria que comprometa a integridade" do CV de Raquel Varela

O Conselho Científico da FCSH da Universidade Nova de Lisboa diz que não há "matéria que comprometa a integridade" do CV da investigadora Raquel Varela. A investigadora Raquel Varela viu-se envolvida numa polémica depois de ter …