Credit Suisse. Investimento baixo é preocupante, mas Portugal está “no bom caminho”

(dr) Museu do Dinheiro

Segundo os economistas do Credit Suisse, Portugal está “no bom caminho”. Apesar da desaceleração previsível, a economia deverá crescer mais do que a média europeia em 2019.

O único ponto negativo que preocupa o Credit Suisse é o baixo investimento, quer no setor privado quer no setor público. O corte no investimento foi uma das formas de compensar as reversões das políticas do governo anterior, lembra o banco.

O Observador teve acesso a uma nota na qual o banco suíço antecipa que, depois do crescimento de 2,1% em 2018, a perspetiva é que o Produto Interno Bruto (PIB) aumente 1,5% em 2019 – em 2020, nova desaceleração, para 1,2%.

No entanto, em 2019, o crescimento mais baixo acabará por se comparar favoravelmente com os 1,0% que o PIB na zona euro deve crescer neste ano. A confirmarem-se estas estimativas, Portugal voltará já em 2020 a crescer menos do que a média da zona euro (1,2% contra 1,4%), uma interrupção da trajetória de recuperação depois de, nos anos piores da crise, a economia se ter contraído em Portugal mais do que a média europeia.

“A criação de emprego deve estabilizar e o consumo privado deve tornar-se mais moderado. A confiança do consumidor já começou a afastar-se dos máximos e a taxa de poupança historicamente baixa deverá limitar o consumo privado daqui para a frente”, lê-se na nota consultada pelo diário.

No futuro próximo, o crescimento económico ainda deverá encontrar suporte nos aumentos de rendimentos, “relacionados com a decisão deste Governo de descongelar as progressões nas carreiras dos funcionários públicos”. Contudo, o Credit Suisse sublinha que em 2018, “pelo segundo ano consecutivo, o emprego cresceu a um ritmo mais elevado do que o PIB, o que levou a mais uma ligeira perda de produtividade”.

Corte no investimento para compensar “reversões”

O crescimento de 2,1% em 2018 – o terceiro ano consecutivo de crescimento acima da média do euro – é justificado pelo Credit Suisse com dois fatores – “a recuperação cíclica após a recessão de 2011-2013 e, por outro lado, a decisão do governo, em 2011, de aplicar algumas das medidas de austeridade mais fortes que foram impostas pela UE/FMI”.

No final de 2015, “o novo primeiro-ministro, António Costa, formou um governo de maioria de esquerda e rapidamente passou a reverter algumas das medidas de austeridade mais duras, que tinham sido impostas pela UE/FMI”.

“O governo [de António Costa] aumentou os salários, as pensões e lançou medidas para estimular a economia”, lembra o banco, acrescentando que, “para compensar o efeito dessas medidas nas finanças públicas, Costa baixou outras despesas e diminuiu o investimento”.

Isto preocupa o Credit Suisse, uma vez que, com a desaceleração do consumo interno e nas exportações, “Portugal precisa muito de ter mais investimento“. De acordo com o documento, “o nível de investimento ainda não conseguiu recuperar dos níveis pré-crise”, sendo que uma das “vulnerabilidades” da economia é que continua a não ser “suficientemente diversificada para aguentar choques de maior dimensão”.

O banco suíços afirma que seria necessário “um grande volume de investimentos para ajudar Portugal a superar os seus principais problemas estruturais”, designadamente “a proporção relativamente elevada de trabalhadores pouco qualificados”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

O escorbuto era uma doença comum entre piratas, mas pode estar de regresso

O número de casos de escorbuto no Reino Unido mais do que duplicou nos últimos anos. A desnutrição é um dos principais responsáveis pelo regresso desta doença. O escorbuto está em ascensão no Reino Unido e …

Dois veleiros robotizados vão medir alterações climáticas no Atlântico

Dois veleiros de navegação robotizada vão medir, durante os próximos quatro meses, a pegada das mudanças climáticas no oceano Atlântico e irão passar pela Madeira e Cabo Verde. A Plataforma Oceânica das Canárias (PLOCAN) libertou esta …

A educação científica está sob ataque legislativo nos Estados Unidos

São inúmeros os professores de ciências que trabalham diariamente nas escolas públicas dos Estados Unidos para garantir que os alunos estão equipados com o conhecimento teórico e prático necessário para enfrentar o futuro. No entanto, …

João Félix saiu lesionado com gravidade no jogo contra o Valência

João Félix, avançado português do Atlético de Madrid, saiu este sábado lesionado com "forte torção no tornozelo direito", ao minuto 78 do jogo contra o Valência, da nona jornada da Liga espanhola de futebol, disputado …

As traças ficaram mais escuras por causa da Revolução Industrial? Cientistas já sabem a resposta

No virar do século XIX, na Grã-Bretanha, traças de todo o país começaram a ficar gradualmente mais escuras em resposta à forte poluição provocada pela Revolução Industrial. A Revolução Industrial foi um período de grandes transformações …

Mais de mil médicos foram alvo de processos disciplinares. 45 foram condenados, nenhum foi expulso

Mais de 1.070 processos disciplinares a médicos foram abertos no ano passado pelos conselhos disciplinares da Ordem, tendo sido condenados 45, segundo dados este sábado divulgados. Segundo os dados da Ordem dos Médicos, os conselhos disciplinares …

Publicar no Instagram rende mais a Ronaldo do que jogar na Juve

As publicações pagas no Instagram rendem mais a Cristiano Ronaldo do que jogar na Juventus, revela um estudo do Buzz Bingo. O internacional português foi a personalidade mais bem paga neste rede social em 2018. De …

Brexit: Hoje era o Dia D (mas afinal, fica tudo na mesma)

Devia ter sido o dia decisivo para o Brexit no Parlamento do Reino Unido, mas o processo foi mais uma vez adiado.  Foi aprovada uma emenda que obriga o primeiro-ministro Boris Johnson a pedir um novo …

"Mais Siza e menos Centeno". Emprego e salários são as chaves do novo Governo de Costa

O novo Executivo para a próxima legislatura, que António Costa apresentou esta terça-feira ao Presidente da República, tem como chaves de governação o emprego e os salários, escreve este sábado o Expresso. De acordo com …

FBI já apurou a causa da morte de três turistas na República Dominicana

Testes toxicológicos apresentados esta semana pelo FBI determinaram que a morte de três turistas norte-americanos na República Dominicana se deveu a causas naturais, avança o jornal New York Times. De acordo com o diário, no caso …