Moderna admite a necessidade de terceira dose da vacina este ano

Cj Gunther / EPA

A empresa biotecnológica norte-americana Moderna admitiu esta quinta-feira que será necessária uma terceira dose da sua vacina contra a covid-19 antes do fim do ano, devido ao esperado aumento de contágios causado pela variante Delta do novo coronavírus.

“Cremos que um reforço será provavelmente necessário este outono, particularmente devido à Delta”, referiu o fabricante num documento de apresentação de resultados trimestrais, depois de, na quarta-feira, a Organização Mundial da Saúde (OMS) ter pedido um adiamento das terceiras doses, pelo menos até ao fim de setembro, para que os países pobres possam ter vacinas para imunizar a sua população, noticiou a agência Lusa.

A Moderna, cuja vacina contra a covid-19 é administrada em duas doses intervaladas, tem em estudo uma terceira dose de reforço, que foi dada, na quantidade de 50 microgramas, a um grupo de pessoas seis meses depois de terem recebido a segunda dose.

Segundo os primeiros dados, publicados esta quinta-feira, a terceira dose potenciou os níveis de anticorpos neutralizadores do SARS-CoV-2, que “tinham diminuído de forma significativa” passados seis meses, antes do reforço, e superou a eficácia obtida no ensaio clínico original da vacina, em diferentes faixas etárias, especialmente acima dos 65 anos.

O fabricante aguarda os resultados de um teste com uma dose maior, de 100 microgramas. Segundo a Moderna, “o aumento da força da infeção resultante da variante Delta”, mais transmissível, o cansaço das medidas sanitárias de prevenção e os “efeitos sazonais”, como passar mais tempo em espaços fechados quando terminar o verão, “levarão a um aumento de infeções irruptivas em pessoas vacinadas”.

Os especialistas têm avisado que as vacinas contra a covid-19 previnem a doença grave e a morte, mas não evitam a infeção nem a transmissão do vírus, mesmo nas pessoas vacinadas, pelo que, por precaução, há que manter o distanciamento físico, lavar muito bem as mãos e usar máscara sobretudo em espaços interiores.

Graças às vendas da sua vacina contra a covid-19, a Moderna lucrou 5,9 mil milhões de dólares (4,9 mil milhões de euros), segundo o documento hoje divulgado pela empresa.

Ignorando o apelo da OMS, a França anunciou esta quinta-feira que pretende avançar em setembro com a administração de uma terceira dose a idosos e outras pessoas vulneráveis. Antes, a Alemanha já tinha previsto a mesma medida, agendando-a também para setembro, tal como Espanha, ainda sem datas para o reforço vacinal.

Mais precoce, Israel iniciou recentemente a administração da terceira dose da vacina Pfizer/BioNTech a pessoas com mais de 60 anos para travar a variante Delta. Em Portugal, o regulador do medicamento afastou em 23 de julho a necessidade de reforço da vacinação contra a covid-19 com uma eventual terceira dose.

Contudo, o Infarmed ressalvou que, em conjunto com a Direção-Geral da Saúde (DGS), estava “a acompanhar os dados técnico-científicos à medida que estes se encontram disponíveis, nomeadamente visando a ponderação, no Plano de Vacinação contra a Covid-19, da eventual necessidade de doses adicionais ao esquema aprovado para algumas populações mais vulneráveis”.

Para “acautelar uma possível terceira dose”, bem como “o desenvolvimento de vacinas adaptadas a novas variantes” do novo coronavírus, Portugal tem “dois contratos estipulados, cujo volume de vacinas ultrapassa os 14 milhões, com os laboratórios BioNTech/Pfizer e Moderna”, acrescentou então o regulador.

  // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.