Em 2013, Costa decidiu que a CML só enviaria dados à PSP e MAI. Ordem não foi respeitada

Mário Cruz / Lusa

O primeiro-ministro, António Costa

António Costa, então presidente da Câmara de Lisboa, decidiu em 2013 que não competia à autarquia estabelecer medidas de segurança, pelo que a partir dali a única coisa que os serviços iriam fazer era reencaminhar à PSP e ao MAI os requerimentos de manifestações.

No entanto, anos depois, e sem que o Governo tivesse alterado a lei sobre a qual tinha dúvidas, o desrespeito por esta decisão acabou por deixar a autarquia lisboeta em maus lençóis.

Uma semana depois de ser divulgado o assunto, ainda há pontos por esclarecer que só serão conhecidos esta sexta-feira quando Fernando Medina divulgar a auditoria que instaurou.

Contudo, há uma parte do mistério que começa em 2013, com Costa como presidente da CML e Miguel Macedo como ministro da Administração Interna.

Em 2013, António Costa enviou uma carta ao então ministro da Administração Interna que frisava que “o município de Lisboa reencaminhará as comunicações de manifestação ao Ministério da Administração Interna e à PSP, a fim de, no local e em face de uma manifestação em concreto, poderem ser exercidas as competências que a lei legalmente lhes confere, informando oportunamente os comunicantes”, cita o Expresso.

Após fazer esta comunicação ao MAI, António Costa dá ordem aos serviços internos da câmara.

Da decisão resultou uma minuta que passou a ser o e-mail oficial para as manifestações, onde se lê que a a câmara “não dispõe de competência legal” para o assunto.

Porém, apesar de os serviços passarem a usar a minuta com a queixa de Costa, quem na CML tratava dos procedimentos não se limitou a enviar os e-mails à PSP e ao MAI, como ficou decidido pelo então autarca.

Segundo o Expresso, ninguém fiscalizou essa diretiva e o coordenador do gabinete de apoio à presidência da Câmara de Lisboa, que geria a organização das manifestações na autarquia, acabou por repetir o envio de e-mails para as embaixadas dos países visados em manifestações.

O mesmo jornal indica que a auditoria apresentada hoje terá uma parte dedicada ao papel dos governo civis, onde ficará demonstrado que antes de 2011 era procedimento habitual informar várias entidades sobre as manifestações, incluindo embaixadas.

Assim, continua por esclarecer todo o procedimento que levou a que os serviços da autarquia tivessem enviado dados pessoais de três manifestantes russos para a embaixada daquele país em Lisboa, em janeiro deste ano.

Já que Costa tinha decidido enviar apenas para a PSP e MAI, porque continuaram os serviços a reencaminhar a informação para outras entidades?

É o que se espera perceber saber hoje quando Fernando Medina apresentar os resultados da auditoria.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Homicídio com 32 anos resolvido com a menor amostra de ADN de sempre

Um caso de homicídio ocorrido há 32 anos, que muitos consideraram impossível de ser resolvido, foi finalmente desvendado (e tudo graças à amostra de ADN mais pequena de sempre usada para decifrar um caso). De acordo …

Braços robóticos controlados remotamente podem vir a realizar cirurgias delicadas

Um equipa de investigadores está a trabalhar para eliminar movimentos rígidos nos braços robóticos, de modo a torná-los mais ágeis. O objetivo é que no futuro estes possam empilhar pratos ou até realizar cirurgias delicadas. Os …

Alemão foi forçado a remover estátua do pai por esta se parecer com Hitler

Um alemão foi obrigado a retirar uma figura de madeira de um cemitério, que seria para homenagear o seu falecido pai, por ter semelhanças com o antigo ditador nazi. As autoridades do município de Weil im …

Podcast evita morte de um condenado (seis vezes)

Curtis Flowers foi julgado seis vezes pelo mesmo promotor de justiça. Um programa de investigação mudou o seu destino. O promotor continua a acreditar que Curtis é culpado. A própria equipa responsável pelo 60 Minutes, programa …

EUA venderam álbum único dos Wu-Tang Clan (que pertencia a Martin Shkreli)

O álbum do grupo Wu-Tang Clan, confiscado em 2018 ao antigo gestor de fundos Martin Shkreli, também conhecido como "o empresário mais odiado do mundo", foi agora vendido pelo Governo norte-americano. Num comunicado divulgado esta terça-feira, …

Bezos ofereceu 1,7 mil milhões de euros à NASA para entrar na corrida da próxima viagem à Lua

O empresário norte-americano ofereceu 1,7 mil milhões de euros à NASA numa tentativa de reacender a batalha espacial entre a sua empresa, a Blue Origin, e a do "rival" Elon Musk, a SpaceX. De acordo com …

Clientes com certificado digital válido impedidos de entrar em restaurantes

Estão a ser reportados vários casos de clientes que, ao apresentarem o certificado digital para poderem entrar num restaurante, não conseguem fazê-lo porque o documento está a ser considerado inválido pelos dispositivos eletrónicos. Segundo a rádio …

Covid-19 trouxe "paranoia" ao mercado

Diretor do Norwich City, da Premier League, acha que os responsáveis por alguns clubes não sabem bem o que estão a fazer nos últimos tempos. O Norwich City iria jogar contra o Coventry City, num encontro …

Israel cria "task force" para reverter boicote da Ben & Jerry's na Cisjordânia

Israel criou uma task force para pressionar a empresa de gelados norte-americana Ben & Jerry's e a sua proprietária, Unilever, a reverterem a decisão de boicotar a ocupação israelita na Cisjordânia. "Precisamos de aproveitar os 18 …

Violência armada. 430 mortos na última semana nos EUA e 2021 pode ser dos piores anos de sempre

Só na semana passada registaram-se cerca de 430 mortos e mais de 1000 feridos associados a tiroteios, num ano que está a ser marcado pelo aumento da violência armada nos Estados Unidos. O ano passado foi …