Costa admite “baixar um nível” nas restrições, mas pode ser preciso “dar passo atrás”

António Pedro Santos / Lusa

O primeiro-ministro, António Costa

António Costa abre a possibilidade ao levantamento de restrições, mas alerta que “o fim do Estado de Emergência não significa o regresso à normalidade”. O primeiro-ministro também admite que “se as coisas começarem a correr mal temos de dar um passo atrás”.

Durante a visita a uma empresa têxtil em Paços de Ferreira, Costa lembrou que “caberá ao Presidente da República avaliar se é ou não necessário manter o Estado de Emergência” .

“Segundo as informações que temos, o consenso é que podemos, neste momento, descer um nível”, admitiu o primeiro-ministro, alertando, porém, que “a normalidade plena da nossa vida só voltará a existir quando houver vacina, o que só acontecerá daqui a um ano ou ano e meio”.

“Vamos ter de praticar normas de distanciamento durante muito tempo, o que não quer dizer que tenhamos de estar permanentemente em estado de excepção constitucional”, apontou também.

“O fim do estado de emergência não significa o regresso à normalidade”, vincou ainda, reforçando que “as actividades que vão reabrir, quando reabrirem” terão de fazê-lo “com condicionamentos”.

A partir de Maio, vão começar a reabrir actividades e estabelecimentos, mas a cumprirem normas de segurança obrigatórias, nomeadamente nos transportes públicos, nas escolas, nas lojas e nos restaurantes.

“Conforme as medidas de desconfinamento forem existindo, o risco de contaminação aumenta e temos de o manter controlado para que o Serviço Nacional de Saúde e as pessoas consigam conviver com o vírus como a humanidade convive com milhões de vírus”, referiu ainda o primeiro-ministro.

“Vamos avaliar a situação de 15 em 15 dias, para vermos se estamos em condições de dar o passo seguinte. Se as coisas começarem a correr mal, temos de dar um passo atrás e adoptar as mesmas medidas que vamos poder aliviar”, alertou ainda. “Queremos dar passos em frente, mas se tivermos de dar um passo atrás, daremos. A contragosto, mas daremos”, realçou, considerando que é preciso, acima de tudo, “manter a segurança”.

O primeiro-ministro comentou também as dúvidas de constituicionalistas sobre a potencial passagem do Estado de Emergência para a situação de Calamidade Pública. “Também sou jurista e sei da enorme capacidade que os juristas têm de inventar problemas. Felizmente a realidade da vida é muitíssimo mais prática”, considerou Costa.

Mas o governante vincou que acredita “na consciência das pessoas”. “As pessoas têm consciência de que se estão contaminadas, o seu dever com ou sem Estado de Emergência é estarem isoladas”, reforçou, notando que todos têm a percepção de que devem “ter afastamento, usar as máscaras em proximidade”. “Diga a Constituição o que disser, haja ou não Estado de Emergência, confio nas pessoas e no comportamento exemplar“, concluiu.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Face a instabilidade Social e Económica que nos confrontamos, não é tarefa fácil de tomar decisões em termos de retoma de actividade laboral . Compreendo o 1º Ministro que, em ter que reactivar a Economia do País demonstre uma certa preocupação quanto ao risco, (não menor) de ver aumentado os números de casos de transmissão do nosso inimigo invisível. O não respeito das regras Sanitárias por parte da População em geral, pode-nos levar a uma mais dramática situação que esta que já vivemos hoje. Acolho com um certo agrado a decisão da retoma, como receio muito o risco de uma hecatombe incontrolável, com muitas vidas ceifadas. Com a minha idade nunca pensei viver uma (3ª guerra mundial) desta natureza !…O futuro depende do bom senso de nós todos !

  2. É um contorcionismo enorme e visível do governo. Entalado entre o acautelar a vida e a pressão dos empresários, parece que a corda está a rebentar para um dos lados. Estejamos atentos, porque o poder do negócio parece querer mostrar a sua força, quase sem olhar a meios para atingir os seus fins. Não podemos permitir que o seu desespero queira suplantar a vida. Parece que se está a gerar uma onda de irresponsabilidade enorme e não se poderá admitir que o governo e até o presidente da república, a integrem.

    • Plenamente de acordo com o teor do seu comentário. Tudo seria mais fácil se cada cidadão soubesse e quisesse cumprir as indispensáveis regras de segurança a que a actual situação obriga. Ora se até aqui isso não aconteceu, é contar agora com o alargamento da bandalheira. As consequências sobrevirão a seguir, para mal do País.
      Com diz o Sr. atento, no cometário acima, «O futuro depende do bom senso de todos nós». Só que, digo eu, como isso é coisa que não abunda, terá de ser o Governo a agir em conformidade, mesmo que isso não agrade aos incautos.
      Vamos acreditar.

RESPONDER

Podia ser um quadro de Dalí, mas é só o degelo glacial na Islândia

Na Islândia, o degelo glacial criou uma paisagem deslumbrante que o fotógrafo espanhol Manuel Ismael Gómez de Almería não deixou passar em branco. Faz lembrar a arte surrealista de Salvador Dalí, mas é uma versão ampliada …

Digby, o cão dos bombeiros, ajudou a salvar uma mulher do suicídio

O cão Digby desempenhou um importante papel ao salvar uma mulher que estava a ponderar pôr fim à sua própria vida no Reino Unido. Digby é um cão terapeuta que ajuda as pessoas a lidar com …

Seca pode ser a "próxima pandemia e não há vacinas que a curem", alerta a ONU

A seca e a escassez de água podem afetar o planeta de forma sistémica se não forem tomadas medidas urgentes sobre a gestão da água e dos solos, alertou a Organização das Nações Unidas (ONU) …

Três portugueses morrem em desabamento de escola na Bélgica

O desabamento de uma escola em construção em Antuérpia, na Bélgica, provocou, esta sexta-feira, a morte de três portugueses. As circunstâncias em que o desabamento ocorreu ainda não são conhecidas. Fonte consular portuguesa confirmou à RTP …

António Oliveira desiste de candidatura à Câmara de Gaia

Esta sexta-feira, numa reunião de emergência, António Oliveira, candidato à Câmara de Vila Nova de Gaia, anunciou ao líder do PSD, Rui Rio, a sua desistência da corrida eleitoral. António Oliveira tinha sido a escolha de …

Elemento da comitiva olímpica portuguesa recusou vacina

Todas as outras pessoas que estarão em Tóquio, a representar Portugal, já foram vacinados contra a COVID-19. Quase todos os membros da comitiva olímpica portuguesa, que vão estar nos Jogos Olímpicos de Tóquio, foram vacinados contra …

Os balões incendiários são a mais recente arma nas tensões Israel-Hamas

Durante a noite, forças israelitas voltaram a quebrar o cessar-fogo e lançaram um ataque aéreo na Faixa de Gaza em resposta a balões incendiários lançados pelo Hamas. Ativistas palestinianos lançaram dezenas de balões incendiários por cima …

Croácia 1-1 República Checa | Perisic empata e ninguém se chateia

A República Checa empatou hoje a um golo com a Croácia, em encontro da segunda jornada do Grupo D do Euro2020 de futebol, disputado em Glasgow, colocando-se em boa posição para chegar aos oitavos de …

Rio Ave não vai admitir adeptos nos jogos

Federação confirmou que o público pode voltar ao futebol mas o clube de Vila do Conde considera que a medida anunciada é injusta e tardia. Algumas competições organizadas pela Federação Portuguesa de Futebol estão autorizadas a …

Parlamento levanta imunidade a André Ventura

O levantamento da imunidade parlamentar permite a André Ventura responder perante o Tribunal Judicial da Comarca de Braga sobre o jantar-comício nas presidenciais, que contou com mais de 170 pessoas. O Parlamento levantou, esta sexta-feira, a …