Conselho das Finanças Públicas “muito preocupado” com impacto de despesas como a TAP

Nazaré Costa Cabral, presidente do Conselho das Finanças Públicas, está convicta de que a recuperação “não vai permitir ter nos próximos anos o que tínhamos em 2019”.

A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Nazaré Costa Cabral, alertou no sábado que o impacto de despesas como a do processo da TAP pode comprometer necessidades nas áreas da saúde e da segurança social.

A responsável manifestou grande preocupação sobre esta matéria numa entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, durante a qual também alertou que a recuperação económica do país vai ser lenta, devido à atual crise “brutal”.

“É um assunto muito sério, e o Conselho [das Finanças Públicas] está muito preocupado com esta questão”, admitiu, acrescentando que, qualquer que seja o desfecho do processo da TAP, “é preciso olhar para os custos sociais associados”, e lembrou que a transportadora tem quase 10 mil trabalhadores.

A responsável também pediu “muita cautela” na necessidade de “avaliar os impactos que o processo vai ter para os contribuintes”. “O Estado tem um limite de capacidade, e tem desafios enormes pela frente, nomeadamente nas componentes sociais. Para lhes responder, tem de ter capacidade financeira”, advogou.

Nesta altura de emergência, disse, “se há exigências adicionais do setor financeiro, com processos de recapitalização de empresas, sejam elas do setor público ou privado, vão criar uma pressão sobre o Estado que vai condicionar a capacidade financeira pública”.

Nazaré Costa Cabral receia que estas despesas suplementares ponham em causa “coisas tão fundamentais como ter hospitais a funcionar, e médicos a trabalhar”.

A responsável disse ainda estar convicta de que a recuperação “não vai permitir ter nos próximos anos o que tínhamos em 2019”. “Vai levar mais tempo, mais anos, quer do ponto de vista económico, quer orçamental, num contexto de grande incerteza, ligada à evolução da pandemia”, sustentou na entrevista.

No plano orçamental, defendeu que o relatório que acompanha a proposta de Orçamento do Estado suplementar “deveria ter sido mais detalhado”, e que “não houve clarificação total dos esclarecimentos pedidos” pelo conselho.

“Estamos ainda numa fase de dar resposta à emergência, e é para isso que o orçamento suplementar está pensado, e não para recuperação”, processo que, defende, “deve avançar, e ser ambicioso e de acordo com as capacidades do país”.

Para o futuro, considera que “a capacidade de as finanças públicas recuperarem deste choque brutal está muito dependente da recuperação económica”.

Ressalvando que não pretende ser “excessivamente pessimista” nesta matéria, a presidente do Conselho das Finanças Públicas acredita que o país tem “desafios muito complexos pela frente”. “Isto tem de ser gerido com as mensagens certas a serem passadas, de transparência e previsibilidade”, a par de “cautela e prudência com a gestão destas áreas em fase crítica”, defendeu.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Carros importados poderão reaver ISV pago em excesso desde 2017

A Autoridade Tributária foi condenada a devolver parte do Imposto Sobre Veículos (ISV) cobrado sobre dois carros usados importados em 2017. Segundo o jornal Público, esta é a primeira vez que a sentença envolve um imposto …

Juventude Popular suspende congresso do próximo fim de semana

O XXIV Congresso da Juventude Popular, agendado para sábado e domingo, em Braga, foi suspenso e será reagendado 15 dias depois do levantamento do estado de emergência, decidiram esta terça-feira os órgãos da estrutura que …

Novo líder do Aliança reúne-se com Rui Rio (com autárquicas em cima da mesa)

Paulo Bento, recém-eleito presidente do Aliança, e Rui Rio, líder do PSD, vão encontrar-se esta quarta-feira. Em cima da mesa vão estar as eleições autárquicas do próximo ano. De acordo com o Público, o encontro destina-se …

Mais de 60% dos portugueses deixaram de ir a restaurantes. Só 33% considera que o Estado prioriza a saúde

A nível nacional, 63% dos portugueses que continuaram a ir a espaços de restauração indicaram o convívio familiar com principal motivo da deslocação. A nível dos cuidados de saúde apenas 33% dos portugueses consideram que …

Santa Casa contratou Paulo Pedroso como consultor por 3700 euros

O ex-ministro socialista Paulo Pedroso, actual director da campanha presidencial de Ana Gomes, foi contratado pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) em Setembro passado, com um ordenado de 3700 euros e efeitos retroactivos …

Covid-19. Médicos devem dar prioridade a quem pode recuperar vida normal e não à idade

Os doentes que podem recuperar para uma vida normal devem ter prioridade face aos que têm baixa probabilidade de recuperação e a idade não pode por si só ser critério, recomenda um parecer do Colégio …

"Há doentes a ficar para trás". Ex-ministro da Saúde diz que mortes por falta de cuidados são inaceitáveis

O ex-ministro da Saúde Adalberto Campos Fernandes afirmou esta terça-feira que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) está a ser exposto a um teste de stresse devido à pandemia e que não é aceitável que …

Ordem dos Médicos abre processo disciplinar a médica que divulgou receita para enganar testes à covid-19

Depois de médica divulgar receita para os possíveis infetados testarem negativo à covid-19, a Ordem dos Médicos abriu o terceiro processo contra membros do movimento que contesta o uso de máscaras - os "Médicos pela …

Aprovado alargamento das taxas agravadas do IMI e IMT para empresas em offshores

As empresas localizadas em offshore que criem um veículo para deter imóveis em Portugal vão passar a estar sujeitas a taxas agravadas de IMI e de IMT, segundo uma proposta aprovada pelo Parlamento nesta terça-feira. A …

Processo de contratação pública "é um terror" que "torna um inferno" o trabalho do Estado

O ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, afirmou esta terça-feira que "o processo de contratação pública é um terror" que "torna num inferno" o trabalho do Estado e das empresas que fazem investimento público. "O processo …