Comissário do euro diz que Portugal pode reduzir austeridade, mas só se reduzir o défice

Giampaolo Squarcina / Flickr

-

O comissário europeu para o euro avisa que Portugal tem de continuar a reduzir o défice nos próximos anos, independentemente das medidas que o Governo que sair das eleições decidir tomar para aliviar a austeridade.

“Cabe às autoridades portuguesas decidir exatamente como podem assegurar o caminho de ajustamento orçamental. Mas a nossa recomendação é acabar com o excesso de défice este ano e continuar com ajustamento nos próximos anos”, afirmou Vladis Dombrovskis, em entrevista à Lusa.

O vice-presidente da Comissão europeia e responsável pela pasta do euro, Valdis Dombrovskis, visita Portugal esta sexta-feira para se reunir com vários membros do Governo e debater as reformas que o país está a levar a cabo e o cumprimento das recomendações da Comissão Europeia.

Na conversa em vésperas de partir para Lisboa, o ex-Primeiro-ministro da Letónia disse que um dos principais temas da visita será “discutir a maneira como as autoridades portuguesas” irão atingir um défice orçamental este ano abaixo de 3% do Produto Interno Bruto (PIB). A Comissão Europeia prevê que este valor fique nos 3,1% que cumprirá a meta de sair de défice excessivo sem novas medidas.

Dombrovskis recusou avançar se a Comissão vai mesmo pedir novas medidas de consolidação orçamental para garantir o cumprimento da meta de défice orçamental, justificando que precisa de “ver os planos do Governo antes de fazer quaisquer comentários”.

Além disso, acrescentou, não é só as perspectivas de cumprimento da meta de défice deste ano que serão avaliadas, mas também dos próximos anos.

No entanto, recusou comentar eventuais impactos orçamentais de medidas que os dois principais partidos anunciaram que vão levar a cabo caso vençam as legislativas, como a reversão dos cortes salariais dos funcionários públicos e o fim da sobretaxa, que o PSD propõe fazer em quatro anos e o PS em dois.

Dombrovskis, que reafirmou que a Comissão não comenta nem intervém em eleições, lembrou apenas que Portugal tem metas de défice para este ano e os próximos cabendo, então, às autoridades portuguesas o caminho escolhido para as atingir.

Quanto à reforma do sistema de pensões, disse que esta não é uma medida imediata, mas para ser feita a médio e longo prazo, considerando que se deve avançar logo que possível e de preferência com um “suporte alargado” entre os partidos e os parceiros sociais.

“Fizemos essa recomendação [de reformar os sistemas de pensões] a vários Estados-membros. A Europa está a envelhecer e temos de tornar os sistemas de pensões sustentáveis. Quanto mais demorarmos a fazer ajustes mais dramático será”, considerou.

Ainda na entrevista à Lusa, o comissário para o euro e diálogo social – que é sempre muito cauteloso com as palavras – reiterou que Portugal fez “muitos esforços” nos últimos anos, “completou com sucesso o programa de resgate e voltou ao crescimento económico”, mas acrescentou que a recuperação ainda é lenta, pelo que tem de ser feito mais.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Bloco entrega proposta na AR para criminalizar enriquecimento injustificado

O Bloco de Esquerda propõe que os titulares de altos cargos públicos sejam obrigados a declarar como a justificar "acréscimos patrimoniais acima de 50 salários mínimos nacionais", prevendo pena de prisão até cinco anos em …

1.º de Maio. CGTP cumpre a tradição na rua, UGT com conferência sindical

A CGTP vai assinalar o Dia do Trabalhador com concentrações, desfiles e manifestações. Já a UGT vai promover uma conferência sobre os desafios da negociação coletiva. A Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGT) vai assinalar o …

Submarino da Marinha indonésia desaparece com 53 pessoas a bordo

A Marinha de Guerra da Indonésia procura um submarino com 53 pessoas a bordo depois de ter perdido o contacto com o navio no final de exercícios ao largo de Bali, foi hoje anunciado. Um porta-voz …

Presidente do Aliança é candidato a Torres Vedras

Paulo Bento, presidente do Aliança, vai lançar-se à Câmara Municipal de Torres Vedras nas eleições autárquicas do outono. O presidente do Aliança, Paulo Bento, vai candidatar-se à Câmara Municipal de Torres Vedras, no distrito de Lisboa, …

Governo recusa relançar o programa Apoiar Restauração

Apesar do apelo da AHRESP, o Governo recusa relançar o programa Apoiar Restauração. Os restaurantes continuam com limitações de horário aos fins de semana e feriados. Nesta terceira fase do desconfinamento, que avançou esta segunda-feira, deu-se …

Lidl vai oferecer pensos e tampões na Irlanda para combater pobreza menstrual

O Lidl vai tornar-se a primeira grande cadeia de supermercados a oferecer produtos menstruais em todas as lojas de um país. A iniciativa, que ocorre na República da Irlanda, tem como objetivo o combate à …

Parlamento altera lei para permitir candidatos independentes nas autárquicas

A comissão de Assuntos Constitucionais iniciou, esta quarta-feira, a alteração à lei eleitoral autárquica em que reduz o número de assinaturas dos grupos de cidadãos independentes e admite uma candidatura simultânea a uma câmara e …

Neutralidade carbónica até 2050. Lei Europeia do Clima é "mais um compromisso concretizado", diz Costa

O primeiro-ministro António Costa saudou, nesta quarta-feira, o acordo político provisório sobre as emissões de gases com efeito de estufa, dizendo que se trata de "um sinal inequívoco da determinação da [União Europeia] UE no …

Pai de Valentina condenado a 25 anos de prisão. Madrasta condenada a 18 anos e 9 meses

O pai da criança que foi encontrada morta, em maio do ano passado, em Peniche, foi condenado a 25 anos de prisão. A madrasta foi condenada a 18 anos e nove meses. De acordo com o …

Luís Correia deixa PS. Vai recandidatar-se a Castelo Branco como independente

O ex-presidente da Câmara de Castelo Branco, Luís Correia, deixou o PS e vai recandidatar-se como independente à presidência da autarquia este ano. De acordo com o jornal Público, o ex-presidente da Câmara de Castelo Branco, …