Começaram os preparativos para a Eurovisão 2018 (e a guerra dos pavilhões?)

Depois de, no passado sábado, Salvador Sobral ter dado a Portugal uma noite de vitória, apresenta-se agora um grande desafio: receber a 63.ª edição do Festival da Eurovisão, em 2018.

Ser o país anfitrião do Festival da Eurovisão, em 2018, requer um enorme planeamento. Que o diga Nuno Artur Silva, a quem foi entregue uma pasta que contém detalhes sobre a próxima edição do festival.”Ainda não a abri”, confessou o administrador da RTP numa chamada para o Observador, referindo que domingo foi tempo de “saborear a vitória”.

Sobre a pasta, o responsável admite ainda que não tinha bem noção do que significava, pois a vitória era apenas “um cenário possível”. “Ninguém pensou o que fazer em caso de vitória”, acrescentou.

No entanto, esta segunda-feira já se começou a trabalhar: a RTP reuniu de emergência para começar os preparativos e já se fala da possibilidade de o evento se vir a realizar no MEO Arena, em Lisboa.

Em termos de custos, estima-se que receber o próximo Festival da Eurovisão possa rondar os 30 milhões de euros, com base na média dos últimos cinco anos.

Quem paga o festival?

É importante lembrar que não será a RTP a pagar tudo, mas este valor representa cerca de 12.72% dos custos da estação televisiva – cerca de 235.8 milhões de euros – simbolizando ainda 16.33% da Contribuição Audiovisual que é paga diretamente pelos contribuintes na fatura da luz.

De acordo com o The Telegraph, em 2012, a cidade de Baku, no Azerbaijão, terá gasto cerca de 56.7 milhões de euros ao receber o festival, pelo que implicou a construção de uma sala de espetáculos e gerou 529 empregos a tempo inteiro.

O turismo tem um grande papel nas receitas do evento: há dois anos, na edição de 2016, a cidade de Viena, na Áustria, gastou um total de 33.1 milhões de euros, faturando cerca de 26 milhões de euros ao atrair turistas. É difícil obter lucro com o festival.

Para além das contribuições dos países participantes no festival, é hábito a cidade anfitriã – ou outras entidades como o Ministério da Cultura ou da Economia – ajudar a suportar os custos, sem esquecer ainda os investidores. Por exemplo, na edição deste ano, a Câmara Municipal de Kiev fez um investimento considerável e também figuraram na lista de patrocinadores a Visa, a Jacobs ou a OSRAM, escreve o jornal online.

Ainda é cedo para acrescentar mais informação, mas um evento desta escala é “comercialmente muito apetecível”, não apenas para as marcas comerciais, mas também para a marca Portugal e Lisboa, nomeadamente em termos turísticos, como referiu Nuno Artur Silva.

Entretanto, Salvador Sobral já pediu desculpa por esse pesado fardo que deixa aos portugueses. “Para o ano o Festival está cá em Portugal, e sei que é bastante caro e peço desculpa à RTP“, disse o cantor português na conferência de imprensa em Lisboa.

“Guerra dos pavilhões”

Nos últimos cinco anos, todos os países que ficaram responsáveis pelo festival abriram um concurso público para determinar a cidade que acolhe o evento, escreve o Observador. No entanto, no caso de Portugal, já se fala da fortíssima possibilidade de vir a ser na capital. Dito isto, o jornal online quis perceber se, por acaso, outras cidades do país estariam interessadas em acolher a Eurovisão.

Começando pelo Porto, fonte da Câmara Municipal disse ao jornal que não se pronuncia sobre o assunto e esclarece que não teve qualquer contacto formal sobre esta matéria. Seria opção o Pavilhão Rosa Mota, situado no Palácio de Cristal, mas que vai entrar num processo de reabilitação, que poderá levar dois anos até ficar pronto.

Surge então uma hipótese bem pertinho da cidade invicta, o Europarque, um moderno centro de congressos em Santa Maria da Feira. “Num momento em que o governo coloca a tónica, nomeadamente na Estratégia do Turismo 2027, na descentralização, julgo que o Europarque, enquanto equipamento da região Norte, tem condições para dar o mote à necessária descentralização”, diz Gil Ferreira ao jornal, Vereador do Pelouro da Cultura, Turismo, Bibliotecas e Museus.

Em Guimarães, Capital Europeia da Cultura em 2012, também se abre a possibilidade de acolher o festival no próximo ano. “Guimarães está interessado em receber o Festival Eurovisão 2018 e para isso fará a sua candidatura, caso venha a ser essa a metodologia definida”, cita o Observador.

No sul do país, a Câmara Municipal de Faro afirma que esta seria “uma excelente oportunidade” não só para a cidade mas também para o distrito, no entanto, admite ao jornal não ter “uma sala de espetáculos com as dimensões requeridas”.

Atualização (11h00):
Esta terça-feira, em declarações ao Diário de Notícias, Daniel Deusdado, diretor de programas da RTP, garantiu que a escolha sobre a cidade ainda não está fechada. “Vamos olhar primeiro para o mapa de Portugal”, afirma.

“Tomámos uma primeira medida que foi fazer o levantamento de instalações em Portugal que possam acolher estes eventos. Não há decisão sobre o local“, referiu, pondo de lado as notícias que circularam depois do evento que davam Lisboa como a escolha final.

Segundo o DN, o estudo dos locais será feito com base em quatro critérios: os custos, a área coberta, as condições anexas ao local e a capacidade hoteleira.

Por sua vez, o gabinete de imprensa da Eurovisão adiantou ao jornal que entre os requisitos gerais está também os respetivos camarins e um centro de imprensa com capacidade para cerca de 1.500 jornalistas, que funcionam durante seis a oito semanas.

“A cidade anfitriã deve ter quartos de hotel suficientes para estes jornalistas mas também para mais de mil delegados durante duas semanas”, sublinha.

Deusdado assegurou ainda que tudo vai ser feito “com o mínimo custo possível, gerindo cada euro com o maior cuidado”, admitindo ainda que a RTP vai estabelecer parcerias.

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. E fazer concurso público a fingir para depois “decidirem” ser em Lisboa na mesma? Mais vale a pena não perder tempo nem dinheiro…
    Agora a sério, isto é Portugal.

  2. Tanta treta para depois se “decidirem” por lisboa. Não haverá no pais outra região capaz de acolher um evento deste género. A dimensão do Meo Arena, bem como os edifícios adjacentes (pavilhão de Portugal, FIL, hotéis) assim o justificam.
    Agora acho um absurdo os gastos mencionados, visto que todas a as infraestruturas já existem, e estamos a falar penas de um programa de televisão!
    Quem mama esta dinheiro todo?
    Arrisco a dizer que nos vão aumentar a taxa audiovisual só para realizarem isto?

  3. O Europarque em Santa Maria da Feira parece-me uma óptima opção, já que se encontra ali uma grande infra-estrutura mal aproveitada, com bons acessos através da A1 e A29, assim como capacidades hoteleiras na cidade e arredores como São João da Madeira, Espinho, Gaia, Porto, Aveiro… 😉

    • Elefantes brancos há muitos. Talvez até o estádio de futebol de Leiria. Ou isso já foi vendido a alguma empresa pública (deles)?? No tempo das vacas gordas foi um fartar vilanagem!!

  4. Obviamente que a candidatura vencedora será a de Lisboa.O Meo Arena apresenta condições mais que necessárias para acolher a Eurovisão em 2018.. é uma das maiores arenas de espetaculos da Europa, com capacidade de 20.000 pessoas (ultrapassando outras arenas europeias importantes como o Palau Saint Jordi, Mercedes-Benz Arena ou Ziggo Dome e estando ao mesmo nível de capacidade que a londrina O2 Arena)

    É triste ver todo este péssimismo em relação ao Festival Eurovisão, quando Portugal candidatou-se juntamente com Espanha para receberem o Mundial de 2018, não ví as pessoas preocupadas com os gastos e despesas

  5. A capacidade do Meo Arena é apenas 20 000 mil (https://pt.wikipedia.org/wiki/MEO_Arena) e a capacidade do estádio Cidade de Coimbra é 30 000 mil (https://pt.wikipedia.org/wiki/Est%C3%A1dio_Cidade_de_Coimbra), desconhece-se o motivo pelo qual o estádio Cidade de Coimbra tem tamanha capacidade mas são mais 10 000 mil de capacidade extra em comparação com o Meo Arena (e o do Coimbra é muito mais moderno), o eurovisão aparenta ter muitos espectadores poderia encher o estádio Cidade de Coimbra na totalidade pela primeira vez porque penso que ele nunca encheu a mais de metade desde que foi construído.
    O estádio de Coimbra nunca o vi lotado nem de perto. é um estádio gigante para os eventos que lá existem. O inconveniente é que não existe aeroporto em Coimbra. Penso que os estrangeiros vão aceitar melhor visitar Lisboa por ser mais prático em termos de deslocação. o importante é que o pais ganhe lucro com o evento e não prejuízo. Coimbra seria mais interessante para os estrangeiros conhecerem por motivos culturais mas se não for que seja Lisboa (mas que tenham a certeza de que não vão conseguir vender mais de 20 000 mil bilhetes, caso contrário tirem o Meo Arena disso!). Façam um aeroporto em Coimbra e já fica com efeitos lucrativos para o futuro porque é ridícula a quantidade de estrangeiros a visitar a Universidade de Coimbra todas as semanas engarrafados em autocarros. Penso que a capacidade do estádio Cidade de Coimbra é de 30 000 apenas os lugares sentados! se ainda forem contabilizados os lugares de pé dá para mais gente (fazer os estrangeiros pagar IVA por um deslocação do aeroporto de uma cidade até à cidade de Coimbra era um tanto ganancioso teriam de se construir um aeroporto ainda que pequeno rapidamente).

RESPONDER

PSP já apanhou mais de três mil pessoas a conduzir sem carta este ano

O número de pessoas detetadas a conduzir sem carta aumentou 22% nos sete primeiros meses deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. "De 1 de janeiro a 31 de julho de 2020, …

"Vacina deve ser um bem global de saúde pública". OMS critica "nacionalismo de vacinas"

A Organização Mundial de Saúde (OMS) criticou na quinta-feira o "nacionalismo de vacinas" para a covid-19, afirmando que qualquer país terá benefícios económicos e de saúde se o resto do mundo recuperar da pandemia. "O nacionalismo …

Depois da explosão, os protestos em Beirute. Manifestantes anti-Governo pedem mudança política urgente

Esta quinta-feira, dezenas de manifestantes foram dispersos com gás lacrimogéneo quando protestavam na sequência da explosão em Beirute, capital do Líbano, que provocou pelo menos 149 mortos, cinco mil feridos e a destruição de casas …

Em vez de flores, família de Fernanda Lapa pede donativos por Bruno Candé

A família da atriz, que faleceu esta quinta-feira, apela a que quem queira oferecer flores para o funeral faça antes um donativo para os herdeiros do ator Bruno Candé, que foi assassinado, em Lisboa. "A Família …

Orbán diz que todos os migrantes ilegais são potenciais "bombas biológicas"

O primeiro-ministro da Hungria, o ultranacionalista Viktor Orbán, defendeu esta sexta-feira que se deve impedir a chegada de imigrantes ilegais ao país porque estes são potenciais "bombas biológicas" devido à covid-19. Conhecido pelos seus discursos contra …

Donald Trump proíbe transações com empresa chinesa detentora do TikTok

Donald Trump assinou uma ordem executiva que proíbe as transações com a ByteDance no prazo de 45 dias e o Senado já aprovou o projeto de lei que proíbe o descarregamento e utilização da aplicação. …

Preocupado com os incêndios, Marcelo admite interromper férias. Ontem foi o pior dia

O Presidente da Repúblic disse esta quinta-feira que está a acompanhar a vaga de incêndios que assola o território continental e admitiu a possibilidade de interromper as férias no Porto Santo se a situação piorar. "É …

Portugal foi o "patinho feio", mas volta a estar em contraciclo com a Europa (por bons motivos)

Portugal destaca-se agora por apresentar uma tendência de redução de novos casos de infeção pelo novo coronavírus, ao contrário de outros países europeus. Quando o novo coronavírus começou a ganhar terreno no continente europeu, Portugal foi …

Kim Jong-un insiste que a Coreia do Norte travou o vírus, mas intensifica combate à covid-19

Kim Jong-un tem repetido várias vezes que a Coreia do norte "travou o vírus maligno", mas o reforço das medidas de combate à covid-19 e a canalização urgente de material médico e alimentos para Kaesong …

Novo Banco tinha autorização de Bruxelas para financiar venda de imóveis

A DG Comp da Comissão Europeia autorizou o Novo Banco a conceder crédito aos compradores do imobiliário vendido pela instituição. Quando o Novo Banco foi constituído, o acordo assinado entre a Direção Geral da Concorrência europeia …