Colecionador alemão Cornelius Gurlitt deixa “tesouro nazi” a museu suíço

gurlitt.info

Cornelius Gurlitt

Cornelius Gurlitt

O alemão Cornelius Gurlitt, em cuja residência foram descobertas em 2012 mais de 1.200 obras de arte, algumas eventualmente retiradas a judeus durante o regime nazi, deixou a coleção em testamento ao Museu de Belas-Artes de Berna.

A informação foi hoje divulgada pelo museu suíço, um dia depois do anúncio da morte de Cornelius Gurlitt, aos 81 anos. O colecionador alemão morreu na segunda-feira no seu apartamento de Schwabing (Munique), na presença de um médico e de um enfermeiro.

Num comunicado, o museu suíço indicou ter sido “informado através de uma mensagem telefónica e escrita de Christophe Edel, advogado de Cornelius Gurlitt”.

Segundo a mensagem do advogado, “Cornelius Gurlitt estabeleceu para legatário universal, a fundação de direito privado do Museu de Belas-Artes de Berna“, referiu o comunicado.

O museu afirmou ter ficado surpreendido com a decisão, garantindo que “nunca, em qualquer momento, manteve qualquer relação” com o colecionador alemão.

A instituição reconheceu ainda que este legado, cujo valor ainda não foi avançado mas que, segundo os media alemães, poderá atingir os mil milhões de euros, “coloca um conjunto de questões espinhosas, nomeadamente de natureza jurídica e ética”.

O Museu de Belas-Artes de Berna concluiu que, antes de adotar “uma posição concreta e fatual”, pretende consultar os documentos relacionados com o legado e estabelecer um primeiro contacto com as autoridades competentes.

Em fevereiro de 2012, mais de 1.280 obras de autores como Picasso, Matisse ou Chagall foram descobertas no apartamento de Cornelius Gurlitt em Munique. As obras tinham sido adquiridas pelo seu pai, Hildebrand Gurlitt, um negociador de arte bem relacionado com o regime nazi que as terá adquirido nos anos 1930 e 1940.

O tesouro privado de Cornelius Gurlitt só seria revelado à opinião pública em novembro de 2013, o que suscitou críticas às autoridades alemãs, que chegaram às obras de arte no âmbito de um processo por fraude fiscal.

Outras 200 pinturas, desenhos e esculturas, incluindo trabalhos de Monet, Manet, Cezanne e Gauguin, foram descobertas numa outra casa de Gurlitt, situada em Salzburgo, Áustria.

O caso Gurlitt relançou o debate sobre a restituição de obras retiradas aos judeus durante o regime do III Reich. A Alemanha assinou a Declaração de Washington, em dezembro de 1998, na qual 44 países se comprometeram a detetar e restituir as obras de artes que foram apropriadas pelo regime nazi.

A 8 de abril deste ano, as autoridades alemãs anunciaram que tinham alcançado um acordo com Cornelius Gurlitt.

Na altura, os governos federal e do estado da Baviera indicaram que o acordo iria possibilitar acelerar a investigação sobre os legítimos proprietários das obras de arte, prevendo um prazo de um ano para a investigação da origem da vasta coleção.

“Os trabalhos cuja origem não seja possível determinar pela equipa de investigação, ao longo de um ano, serão devolvidos a Cornelius Gurlitt”, explicaram na altura as autoridades alemãs, num comunicado.

Segundo o acordo, Cornelius Gurlitt poderia indicar um perito para a equipa de investigação, para assegurar que os seus interesses seriam representados, e os custos da operação seriam suportados pelo Estado alemão.

As obras descobertas na casa de Salzburgo não estavam abrangidas pelo acordo com as autoridades alemãs.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Friends: atores já terminaram as gravações do episódio especial

Ainda antes de os talk shows serem suspensos devido à COVID-19, Matt LeBlanc foi um dos convidados do The Kelly Clarkson Show, onde confirmou que as gravações do episódio especial de FRIENDS estavam concluídas. O programa …

YouTube remove vídeos que vinculam falsamente a Covid-19 ao 5G

A onda de teorias falsas que ligam a pandemia da COVID-19 ao 5G levou a uma série de incidentes, incluindo ameaças a engenheiros. Agora, o YouTube está a reprimir essa desinformação. O YouTube informou que removerá …

Engenheiros construiram um ventilador caseiro. Pode servir como "último recurso"

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Vanderbilt, nos Estados Unidos, construiu um ventilador caseiro que pode ser usado como último recurso. A pandemia de covid-19 continua a desafiar as comunidades médicas e uma das ameaças …

Sepultura de genocídio encontrada no Ruanda pode conter 30 mil corpos

No Ruanda, foi encontrada uma sepultura que pode conter 30 mil vítimas do genocídio no país em 1994. Cerca de 800 mil tutsis e hutus moderados foram assassinados. Mais de 25 anos depois de um genocídio …

Belenenses SAD entra parcialmente em lay-off

"A indústria do futebol está entre as mais atingidas pelos efeitos da pandemia", que provocou a suspensão de praticamente todas as provas futebolísticas, destaca o Belenenses SAD. O Belenenses SAD, da I Liga de futebol, entrou …

Dois milhões de máscaras furtadas em Espanha podem ter sido vendidas em Portugal

O equipamento médico e sanitário furtado está avaliado em cinco milhões de euros e terá sido adquirido por uma empresa portuguesa que conhecia a proveniência do material. Um empresário de Santiago de Compostela foi detido por, …

Facebook terá tentado comprar um software de espionagem em 2017

O Facebook tem estado envolvido em vários escândalos e o mais recente está relacionado com a alegada compra da ferramenta Pegasus, usada para hackear iPhones. A empresa de segurança informática NSO Group, responsável pela Pegasus, alega …

Primeiro-ministro espanhol diz que coronavírus desafia o futuro da UE. E fá-lo em sete idiomas

O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez publicou no domingo um artigo em sete idiomas europeus, argumentando que o coronavírus pode ser a ruína da União europeia (UE) caso não sejam tomadas medidas mais drásticas para lidar …

Viseiras de Leiria despertam cobiça. Bélgica e EUA queriam comprar toda a produção

Várias empresas de moldes e plásticos da região de Leiria estão a fabricar viseiras de protecção contra a Covid-19. Uma adaptação em tempos de pandemia que está a levantar atenção no estrangeiro, com EUA e …

Apple vai começar a produzir um milhão de máscaras por semana

O presidente da Apple, Tim Cook, anunciou que a empresa poderá produzir um milhão de máscaras por semana a partir do próximo fim de semana. Tim Cook explicou, na sua conta da rede social Twitter, que …