Cientistas testaram as capacidades paranormais de 12 videntes (e correu como se esperava)

Ao longo da história da humanidade, milhares de autoproclamados mediums e videntes alegaram ser capazes de falar com os mortos e adivinhar o futuro. Esta prática milenar, que chegou até aos nossos dias, foi recentemente posta à prova por cientistas — com um resultado quase nada surpreendente.

Do mítico astrólogo, boticário e profeta francês Nostradamus, à famosa vidente búlgara Baba Vanga (que há alguns anos previu que a Europa se desintegraria no fim de 2016), milhares de adivinhos, videntes e profetas ao longo da história alegaram ter capacidades paranormais como prever o futuro da Humanidade, adivinhar o destino de uma determinada pessoa ou falar com os seus entes queridos já partidos.

Estes voyants atraíram invariavelmente a atenção de numerosos crentes e seguidores, ávidos de informação sobre o futuro do planeta ou a sorte que teriam à sua espera — em alguns casos, dispostos a pagar pequenas fortunas para conhecer o destino ou ter uma última conversa com um familiar desaparecido.

Ao mesmo tempo, depararam-se com grande ceticismo e intenso escrutínio à sua arte, com destaque para o mágico e entertainer canadiano James Randi, falecido em outubro com 92 anos, que em 1972 ofereceu um prémio de um milhão de dólares a qualquer pessoa que conseguisse demonstrar cientificamente as suas capacidades paranormais.

Em 1995, depois de mais de mil pessoas se terem candidatado ao prémio sem ter conseguido fazer prova científica das suas habilidades, a fundação de James Randi extinguiu o One Million Dollar Paranormal Challenge, mas manteve o prémio para quem conseguisse passar pelo menos testes preliminares em condições científicas.

Recentemente, uma equipa de investigadores da Universidade de San Diego e do Instituto de Ciência Noética, na Califórnia, decidiu colocar à prova as capacidades paranormais de um grupo de mediums — e o resultado não abona a favor da profissão. Os resultados do estudo foram publicados na revista Brain and Cognition no passado dia 20.

No âmbito do estudo, a equipa de investigadores pretendia verificar se um grupo de 12 mediums conseguia efetivamente estabelecer contacto com os mortos e até que ponto os mediums eram capazes de descobrir a causa da sua morte, comparando os resultados obtidos com os de 12 pessoas normais.

Segundo reporta a IFLS, foram mostradas fotografias de 180 pessoas falecidas aos 24 participantes no estudo, que tinham que adivinhar a causa da morte do retratado. Durante as experiências, o ritmo cardíaco e atividade cerebral dos participantes foram monitorizados.

O estudo pressupunha que, se os mediums tinham efetivamente a capacidade de contactar com os mortos, seriam capazes de identificar a causa da morte mais vezes do que os restantes participantes — que estavam basicamente a tentar adivinhá-la. Mas de forma algo surpreendente, no entanto, os mediums obtiveram na realidade piores resultados.

Quando o grupo de controlo tentou adivinhar a causa da morte, teve melhores resultados do que a mera sorte, com mais 4% de acertos do que os cientistas esperavam se estivessem simplesmente a carregar aleatoriamente em botões com as hipóteses apresentadas.

Em contrapartida, os mediums obtiveram não só piores resultados do que o grupo de controlo, como conseguiram até menos 0.2% de acertos do que a aleatoriedade pura faria prever. Além disso, os mediums demoraram em média mais tempo a responder, em particular nos casos em que falharam a resposta.

A monitorização da atividade cerebral e cardíaca também mostrou algumas diferenças. Ao longo do estudo, os mediums mostraram um ritmo cardíaco 10% mais elevado, em média, o que parece indicar que se encontravam mais pressionados do que os participantes do grupo de controlo.

Os resultados do ECG recolhidos enquanto os participantes olhavam para as fotografias também mostraram diferenças de atividade cerebral entre os dois grupos no que diz respeito às áreas em que focavam a sua atenção.

Neste parâmetro, os participantes do grupo de controlo manifestaram mais atividade cerebral no lobo occipital, a zona do cérebro que processa estímulos visuais, do que os mediums, o que parece sugerir que o grupo de controlo dedicou mais atenção efetiva à aparência das fotografias do que o grupo de mediums. A diferença de atividade cerebral, no entanto, não mostrou qualquer relação com a taxa de acertos.

Como se explica então que o grupo de controlo tenha obtido melhores resultados do que o grupo de mediums? A resposta simples e, para alguns, desoladora, é que afinal talvez não seja possível de todo contactar com os mortos.

No entanto, questionados sobre a sua participação na experiência, alguns dos mediums explicaram que talvez houvesse outra explicação para o seu fraco resultado.

“Alguns dos mediums alegaram que lhes foi difícil encontrar a causa da morte dos retratados, porque sentiram a dor dos falecidos mas não a causa dessa dor“, explica o neuro-cientista Arnaud Delorme, investigador do Instituto de Ciência Noética e um dos autores do estudo.

“Os mediums poderão ter interpretado um dado tipo de dor como um ataque cardíaco, mas a dor poderia ser semelhante à causada por um tiro no peito ou ao trauma associado a um acidente de viação”, acrescentam os investigadores.

Independentemente das explicações dadas pelos mediums, os resultados do estudo parecem indicar que não têm, de facto, as capacidades paranormais que anunciam.

E, se é verdade que este é um campo da ciência particularmente difícil de pesquisar, também é verdade que, dezenas de anos depois, o milhão de dólares que James Randi ofereceu continua por arrecadar.

Armando Batista Armando Batista, ZAP // IFLS

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Medium? Boa forma de vida. E dá mais dinheiro do que acreditar no Além. O Horóscopo é também outra forma de vida.
    Respeito todas as formas de vida!

  2. Se os videntes não conseguiram adivinhar por causa da “dor” que sentiam, então não conseguem nunca e então não são videntes … como já todos sabemos !
    E é cepticismo, não ceticismo; efectiva e não efetiva; actividade e não atividade; será que também querem escrever ocipital em vez de occipital?

  3. Acho que esta questão dos videntes não tem grande relevo, visto que é difícil provar a crença em elementos do Além-Vida.
    Porém, a fé deveria/deverá ser mais forte do que as teorias científicas. Assim, só acredita no poder destes videntes quem quer, e quem está disposto a fazê-lo, porque, de certa forma, em sonhos, todos conseguimos comunicar com aqueles que partiram deste Mundo.

RESPONDER

Lopetegui viu Corona em Sevilha e pode avançar com proposta

Julen Lopetegui, treinador do Sevilha, está atento a Tecatito Corona. O extremo portista mostrou-se em bom plano frente ao Chelsea. O antigo treinador dos 'dragões' Julen Lopetegui, atualmente no comando técnico do Sevilha, esteve esta terça-feira …

Sob o mote da "prudência", especialistas aconselham Governo a não avançar no desconfinamento

Manuel Carmo Gomes, o epidemiologista que deixou de participar nas reuniões no Infarmed, aconselhou o Governo a não avançar para a terceira fase de desconfinamento. E não é o único a defender a suspensão. De acordo …

Oposição quer redução de portagens. Governo responde com cortes ou aumento de impostos

O Governo disse hoje que a redução de portagens nas ex-SCUT "é legal e constitucional", defendendo que a Assembleia da República deve ajudar a encontrar a compensação para encargos de até 149 milhões de euros …

Bispo do século XVII foi enterrado com um feto. Cientistas já sabem porquê

Cientistas já sabem porque é que foi encontrado o cadáver de um feto junto dos restos mortais de um antigo bispo de Lund, na Suécia. Peder Pedersen Winstrup foi um bispo de Lund, cidade na atual …

Detenção da autarca de Vila Real de Santo António surpreende PSD. Deputado do PS suspeito no negócio

Esta terça-feira, a presidente da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António, Conceição Cabrita, foi detida por suspeitas do crime de corrupção num negócio de imobiliário em Monte Gordo.  Fonte da direção do PSD disse, …

Atraso com vacina da Johnson não altera metas do plano de vacinação

O anúncio desta terça-feira do atraso da distribuição da vacina da Johnson & Johnson na Europa não vai afetar o plano de vacinação em Portugal, garantiu a task force. Mais um contratempo para o processo de …

Descoberta de bactérias comedoras de metano numa árvore comum pode ser boa notícia

A descoberta de bactérias que "comem" metano numa árvore australiana comum pode ser uma boa notícia no desafio de reduzir a emissão de gases com efeito de estufa. As árvores são os pulmões da Terra, uma …

Rio diz ser "desejável" que PSD Madeira e Açores excluam Chega de coligações

Em Portugal Continental, o PSD não aceita coligações com o Chega para as próximas autárquicas, sublinhou Rui Rio, que deseja que o mesmo princípio seja seguido nas Regiões Autónoma. Esta terça-feira, Rui Rio reiterou que …

Marcelo começa a despedir-se da emergência e passa a bola ao Governo

Depois do 15.º estado de emergência e com a situação mais controlada, o Presidente da República entende que o ideal é o Governo começar a procurar alternativas legais. Marcelo Rebelo de Sousa espera que o 15.º …

EDP abdicou de decisão do Fisco antes de vender barragens

A EDP abdicou de uma prerrogativa prevista na lei que permitia à Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) abrir um procedimento de inspeção prévio antes de concluir a venda das seis barragens ao consórcio francês da …