Cientistas “ressuscitaram” o gene que fez nascer a malária

George Poinar, Jr./ Oregon State University

O gene ancestral que fez nascer a doença mais mortal da História foi “ressuscitado” por cientistas, para que lhes fosse possível perceber a série de eventos que levou o parasita da malária a infetar humanos.

A malária mata cerca de 435 mil pessoas todos os anos, sendo a maioria menores de cinco anos. A maior parte dos casos é provocada pelo parasita Plasmodium falciparum uma das espécies de parasitas que podem causar malária. Todas se originaram, de acordo com o Newsweek, em grandes macacos de África.

[P. falciparum] é um dos grandes flagelos do homem”, disse Gavin Wright, do Instituto Wellcome Sanger do Reino Unido. “Foi dito que a malária matou mais pessoas na história da humanidade do que qualquer outra doença”.

Wright é o principal autor de um estudo publicado esta semana na revista especializada PLOS Biology que mostra como P. falciparum conseguiu mudar de hospedeiro dos gorilas para humanos há cerca de 50 mil anos. Nesse ponto, o parasita ganhou a capacidade de infetar os nossos glóbulos vermelhos.

“Até há alguns anos, a origem do P. falciparum era um mistério, mas verificou-se que estava mais intimamente relacionado a um parasita do Plasmodium que infetava exclusivamente gorilas”, disse Wright, em comunicado.

A sequência genética não explicou, contudo, como é que o parasita conseguiu saltar de gorilas para humanos. No entanto, revelou uma região do genoma que parece ter sido transferida e essa região codificou um gene chamado rh5, que sabemos que permite ao parasita infetar glóbulos vermelhos humanos.

“O próximo desafio foi entender como estas alterações moleculares poderiam ter levado o parasita a infetar seres humanos”, disse Wright.

A equipe reconstruiu a sequência ancestral para “ressuscitar” a sequência de ADN rh5 para mostrar a forma como foi transferida para os seres humanos. Os investigadores criaram cópias sintéticas desse gene antigo em laboratório para observar as interações moleculares que aconteceram.

“Pegámos nas sequências de genes existentes e as previsões baseadas em computador – reconstrução da sequência ancestral – para voltar atrás no relógio usando um tipo de ‘arqueologia molecular’ para determinar a provável sequência dos genes envolvidos no momento em que a espécie mudou”, explicou Wright

Os resultados mostraram que o parasita tinha a capacidade de se ligar a gorilas e humanos. “Isso fornece uma explicação molecular de como o salto das espécies poderia ter acontecido”, disse Wright. “Delineamos, portanto, um caminho molecular que explica como o ancestral de P. falciparum foi capaz de saltar de gorilas para humanos”.

A partir disso, os investigadores identificaram uma mutação que significava que P. falciparum perdeu a capacidade de infetar gorilas, confinando-a aos seres humanos.

Wright disse que entender estes eventos moleculares é importante, pois a maioria das doenças infecciosas são “zoonoses” – doenças infecciosas capazes de ser naturalmente transmitidas entre animais e seres humanos. É aqui que um patógeno que infeta outros animais acumula mutações, o que rompe as barreiras das espécies e infeta os seres humanos.

“Ao entender as possíveis vias moleculares envolvidas, embora as hipóteses sejam muito pequenas, podemos realizar uma vigilância sequencial do parasita circulante na natureza para tentar impedir que isto aconteça novamente”.

Em termos de malária, os cientistas têm visto o rh5 como um possível alvo para uma potencial vacina. Se a interação entre o parasita e esse gene puder ser interrompida, pode impedir que seja capaz de infetar os glóbulos vermelhos. “Atualmente, o Rh5 é um emocionante alvo de vacina contra a malária no estágio sanguíneo que está a ser trabalhado ativamente pela comunidade da malária”, disse Wright. “Qualquer informação adicional que possa ajudar no desenvolvimento desta vacina seria importante”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …