Cidade da Beira arrasada. Presidente admite mais de mil mortos

Josh Estey / EPA

Uma cidade submersa. Sem água, sem luz e, em muitos casos, sem teto, a população da cidade da Beira, em Moçambique, vive um período assustador, após a passagem do ciclone Idai. O Presidente moçambicano admite mais de mil mortos.

A quarta maior cidade de Moçambique está completamente debaixo de água, tendo sido uma das mais afetadas pela passagem do ciclone Idai. Mais de 60% da cidade da Beira ficou destruída, segundo a Cruz Vermelha.

“A escala de danos causados ​​pelo ciclone Idai que atingiu a cidade moçambicana da Beira é maciça e horripilante“, afirmou a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) em comunicado.

A prioridade das autoridades é o resgate de pessoas sitiadas pelas águas ou perdidas entre os escombros provocados pelas chuvas e ventos fortes que atingem os 170 quilómetros por hora. Segundo a TSF, cerca de 500 mil residentes estão sem energia.

Filipe Nyusi, o Presidente moçambicano, estima que mais de 100 mil pessoas corram perigo de vida, com aldeias inteiras desaparecidas e comunidades isoladas devido à subida das águas. Além disso, o governante assinalou ter visto corpos a flutuarem durante o sobrevoo de helicóptero que fez no domingo na zona.

Esta segunda-feira, Nyusi afirmou que o número de mortes devido ao ciclone Isai poderá ultrapassar as mil, assinalando que “o país vive um verdadeiro desastre humanitário de grandes proporções”.

“As águas dos rios Púngoè e Búzi transbordaram fazendo desaparecer aldeias inteiras e isolando comunidades, veem-se corpos a flutuar, portanto um verdadeiro desastre humanitário de grandes proporções”, frisou.

“Até ao momento, formalmente, há registo de acima de 84 óbitos, mas tudo indica que poderemos registar mais de mil óbitos“, afirmou o Presidente, numa declaração à nação, sobre a situação provocada pelo ciclone Idai.

O Presidente moçambicano referiu ainda o corte de vários troços da Estrada Nacional Número 6, provocando o isolamento dos distritos de Búzi, Chibabava e Muanza, na província de Sofala, e do distrito de Mossurize e do posto administrativo de Dombe, na província de Manica.

Em várias zonas alagadas, as populações foram obrigadas a procurar refúgio em árvores e tetos de casas, correndo riscos de vida, enquanto esperam pelo salvamento.

“Este desastre natural deixou grande parte da zona centro sem energia elétrica, a região também deixou de ter abastecimento de água potável e comunicações, além ter afetado o funcionamento normal dos hospitais, escolas e demais instituições públicas e privadas”, afirmou o chefe de Estado moçambicano.

População luta contra a falta de água

Ao Diário de Notícias, o português Ricardo Martins conta que, “neste momento, o problema mais grave é fazer chegar alimentos à cidade da Beira”.

Não há água e ter luz também vai ser complicado. Há geradores, mas logo na sexta-feira houve corrida ao combustível e não sei como estão as reservas nos postos de abastecimento”, descreve o empresário que vive há sete anos em Moçambique.

“Sei que se está a organizar o envio de ajuda por barco e com as ligações aéreas já restabelecidas também ajuda”, adianta, referindo que, quanto às comunicações, esta segunda-feira a operadora Movitel já tinha a sua rede operacional. “Até domingo só se conseguia fazer telefonemas via satélite.”

Sobre a comunidade portuguesa, Ricardo adianta que não há notícias de perdas de vida, mas “alguns portugueses ficaram sem casa“. Aliás, segundo o empresário, a destruição das casas só não foi maior porque “tudo o que era edifícios coloniais aguentou-se. O pior foi a construção mais recente. A maior parte voou”.

Marcelo promete ajuda a Moçambique

Portugal está disponível para ajudar Moçambique na sequência da passagem do ciclone Idai na cidade da Beira que causou dezenas de mortos.

“Portugal procurará contribuir ao esforço de ajuda e reconstrução, quer diretamente, quer através da União Europeia e das Nações Unidas, exprimindo ao Povo irmão moçambicano e a todos quantos, em particular portugueses, foram afetados por esta grande tragédia”, refere o Presidente da República, numa nota.

Marcelo Rebelo de Sousa adianta na nota publicada no site da Presidência ter falado com o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, para se inteirar de “mais detalhes sobre os efeitos do ciclone no centro de Moçambique e particularmente na cidade da Beira, com um balanço bem mais trágico e dramático do que inicialmente estimado, quer em enormes perdas de vidas humanas e de feridos, quer em destruições e perdas de bens”.

O chefe de Estado português já tinha enviado uma mensagem ao seu homólogo na passada sexta-feira na qual expressou condolências pelas “trágicas consequências” da passagem do ciclone.

“O Presidente da República expressou, em nome do povo português e no seu próprio, sentidas condolências pelas trágicas consequências resultantes das violentas calamidades naturais que afetaram as regiões do Centro e do Norte de Moçambique”, refere a mensagem.

Na segunda-feira, o Governo português divulgou que “até agora não há registo de cidadãos portugueses mortos, feridos ou em situação de perigo” devido à passagem do ciclone Idai em Moçambique, mas “várias dezenas perderam casas e bens”.

A passagem do ciclone Idai em Moçambique, Maláui e Zimbabué provocou pelo menos 222 mortos, segundo balanços provisórios divulgados pelos respetivos governos na segunda-feira. Mais de 1,5 milhões de pessoas foram afetadas pela tempestade naqueles três países africanos.

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, disse que o ciclone poderá ter provocado mais de mil mortos em Moçambique, estando confirmados atualmente 84. Estimativas iniciais do Governo de Moçambique apontam para 600 mil pessoas afetadas, incluindo 260 mil crianças.

O ciclone, com fortes chuvas e ventos de até 170 quilómetros por hora atingiu a Beira, a quarta maior cidade de Moçambique, na quinta-feira à noite, deixando os cerca de 500 mil residentes sem energia e linhas de comunicação.

No Maláui, as estimativas do Governo apontam para que tenham sido afetadas mais de 920 mil pessoas nos 14 distritos afetados, incluindo 460 mil crianças. Há registos de pelo menos 56 mortos e 577 feridos.

No Zimbabué, a avaliação das autoridades apontava para cerca de 1.600 casas e oito mil pessoas afetadas no distrito de Chimanimani, em Manicaland, com registos de 82 mortes e 217 pessoas desaparecidas.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Depois do "selo Brexit", os correios da Áustria emitem o "selo corona" impresso em papel higiénico

O serviço postal da Áustria uniu dois pontos da pandemia do novo coronavírus ao criar um selo impresso em papel higiénico que, segundo os correios, as pessoas também podem, a qualquer momento, usar para ajudar …

A Moog celebra os 100 anos do Theremin com um novo instrumento: o Claravox Centennial

Este ano marca o 100º aniversário do Theremin - um dos primeiros instrumentos musicais completamente eletrónicos, controlado sem qualquer contacto físico pelo músico. Para celebrar vai ser lançado o Claravox Centennial. Foi em 1920 que Leon Theremin, …

Depósito inexplorado na Sibéria tem uma das maiores reservas de ouro do mundo

O maior produtor de ouro da Rússia, PJSC Polyus, anunciou esta semana que o seu depósito inexplorado em Sukhoi Log, na região siberiana de Irkutsk, possui uma das maiores reservas mundiais deste metal preciosos. De …

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …

Nem todos os clubes estão a afundar – alguns estão a prosperar durante a pandemia

Nem todos os clubes estão a sofrer às mãos desta pandemia de covid-19. Alguns deles têm conseguido bons resultados financeiros apesar da crise. A covid-19 provou ser um adversário devastador para o desporto profissional em todo …

Kibus: o aparelho que vai revolucionar a forma como os nossos cães se alimentam

Ter cães como melhores amigos pode ser muito benéfico, mas também traz a sua dose de trabalho e responsabilidades. Levar ao veterinário, dar banho, levar a passear, brincar, dar de comer... No fundo é como …