/

China promove uso do carvão à medida que calor extremo provoca escassez de energia

Pequim vai apoiar a produção de carvão após o nível de consumo diário da energia produzida pelas usinas ter aumentado 15% nas duas primeiras semanas de agosto.

A China vai oferecer assistência às usinas de carvão para garantir o fornecimento de eletricidade, à medida que o consumo de energia aumenta devido a uma onda de calor extremo e seca severa.

A onda de calor e a escassez de chuva estão a secar os reservatórios na província de Sichuan, província com 80 milhões de habitantes que depende sobretudo de energia hidroelétrica, forçando as autoridades locais a pedir às empresas que encerrem temporariamente as fábricas.

Em simultâneo, o consumo de energia disparou, face ao maior uso do ar condicionado pela população local, numa altura em que as temperaturas sobem acima dos 40 graus.

O vice-primeiro-ministro da China, Han Zheng, disse que Pequim vai apoiar a produção de carvão, após o nível de consumo diário da energia produzida pelas usinas ter aumentado 15%, nas duas primeiras semanas de agosto, em comparação com o mesmo período de 2021.

“[Precisamos] de garantir o fornecimento seguro de eletricidade para a população (…) e setores-chave”, disse Han, durante uma visita à State Grid Corporation of China. O governo vai “aumentar o apoio político [e] tomar várias medidas para ajudar as usinas de carvão a aliviar as dificuldades reais”, acrescentou, sem precisar detalhes.

A decisão pode atrasar a ambição da China em melhorar a qualidade do ar. Também em 2021, aquele país asiático enfrentou cortes de energia que obrigaram ao racionamento em várias províncias importantes.

Este país asiático é o maior emissor mundial de gases poluentes. Quase dois terços da energia consumida na China assentam na queima do carvão.

A seca fez com que alguns governos locais ao longo do rio Yangtzé — a hidrovia mais importante da China cuja água caiu para o nível mais baixo de sempre na semana passada — tentem provocar chuvas artificiais, através do lançamento de foguetes que libertam substâncias de condensação, como iodeto de prata, nas nuvens, acelerando a precipitação.

A fabricante norte-americana de veículos elétricos Tesla e a estatal chinesa do setor automóvel SAIC Motor disseram que a escassez de energia em Sichuan levou a problemas nas cadeias de fornecimento, levando as autoridades de Xangai a pedirem aos homólogos da província do sudoeste que os fabricantes de peças sejam poupados do racionamento de energia. Residências, estações do metro e centros comerciais também foram atingidos pela falta de energia.

  // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.