China paga ao Facebook e ao Twitter para espalhar propaganda falsa sobre muçulmanos

Nos campos de concentração da China, os muçulmanos são sujeitos a doutrinação forçada, a tortura e até a morte. No entanto, alguns anúncios pagos no Facebook e no Twitter fazem acreditar que estes são lugares maravilhosos.

As duas gigantes tecnológicas, sediadas nos Estados Unidos (EUA), têm vindo a permitir que a media estatal chinesa espalhe informações falsas sobre os campos de concentração, revelaram esta semana as investigações do Intercept e do BuzzFeed News, referidas pelo Vox esta quinta-feira.

Os anúncios pagos visam convencer os ocidentais de que os campos na região do Xinjiang, no noroeste do país, não são locais de abuso dos direitos humanos, ao contrário do que indicam vários governos, especialistas chineses e organismos internacionais, como a ONU. Estima-se que um milhão de uigures – uma minoria predominantemente muçulmana – foram detidos e levados para esses campos desde 2017.

Na segunda-feira, o Global Times – controlado pelo Estado – publicou um vídeo patrocinado no Facebook, intitulado “Estagiários do centro de Xinjiang com esperança para o futuro”, no qual mostra ex-reclusos a cozer pão, como um exemplo das “habilidades vocacionais” que os uigures supostamente aprendem nos campos de concentração.

“Criar centros de educação e treinamento vocacional ajuda Xinjiang a manter a estabilidade social e a combater o extremismo religioso”, indicam os slides do vídeo. “Se os centros tivessem sido criados antes, menos ataques violentos tinham acontecido”.

Já no Twitter, o Global Times divulgou uma publicação com um vídeo do seu editor-chefe, que criticou os políticos e os jornalistas que condenaram os campos, dizendo: “As suas mãos estão sujas com o sangue do povo chinês que morreu em ataques violentos”, causados pelos uigures. Em 2009, tumultos étnicos resultaram em centenas de mortes, e alguns uigures radicais realizaram ataques terroristas nos últimos anos.

E acrescentou: “Um grande número de países em desenvolvimento, incluindo países muçulmanos, entende e apoia o que tem sido feito em Xinjiang. Este costumava ser um local que sofria de violência terrorista. A região recuperou a paz e o desenvolvimento”.

Outro vídeo promocional divulgado no Twitter mostra uigures a dançar alegremente nas ruas de Xinjiang, enquanto música animada toca ao fundo.

De acordo com o Vox, quando um meio de comunicação como o Global Times paga ao Facebook e ao Twitter – ambos bloqueados na China – para promover esse tipo de vídeos, milhões de telespetadores podem assistir aos mesmos, quer sigam o canal ou não. Esses vídeos, alguns dos quais já circulam desde junho, foram direcionados a utilizadores nos EUA e noutros países ocidentais.

A China também tem usado o Facebook e o Twitter para espalhar desinformação sobre os protestos em andamento em Hong Kong, tendo já sido alertadas por observadores externos sobre a situação.

Como respondem (ou não) as empresas de media social

Na segunda-feira, o Twitter posicionou-se sobre o assunto, atualizando as suas políticas de publicidade: não vai mais receber dinheiro publicitário de agências de notícias controladas pelo Estado.

 

A resposta do Facebook foi muito mais anémica. A empresa disse ao BuzzFeed News que continuará a aceitar esses anúncios, mas “analisará de perto” os mesmos para determinar se esses violam as suas políticas.

Essa é uma linha que o Facebook tem vindo a utilizar há anos. Na Birmânia, em 2017, utilizadores dessa rede social incitaram a violência contra os Rohingya, um grupo minoritário maioritariamente muçulmano no país, que é de maioria budista. Centenas de milhares de pessoas foram deslocadas, outras milhares mortas e centenas de aldeias foram incendiadas. Foi, segundo as Nações Unidas, “um exemplo clássico de limpeza étnica”.

Depois de enfrentar meses de críticas pelo seu papel na crise, o Facebook reconheceu que tinha sido muito lento para responder às publicaçãos inflamatórias. Removeu vários utilizadores com ligações a militares e baniu quatro grupos insurgentes, que classificou como “organizações perigosas”. E prometeu fazer melhor.

Mas há apenas alguns meses, os executivos do Facebook ainda estavam a esforçar-se para combater a desinformação de uma forma mais ampla. A empresa quer permanecer neutra em ‘deepfakes’ – vídeos manipulados através de Inteligência Artificial que fazem parecer que alguém disse ou fez algo que, na realidade, não disse nem fez – mesmo que especialistas avisem que essa tecnologia pode colocar em risco as eleições de 2020.

Segundo o Vox, o Facebook parece continuar a utilizar a mesma abordagem, agora com a China. Ao invés de recusar anúncios pagos da media controlada pelo Estado, quer continuar a contar com especialistas externos para sinalizar mensagens potencialmente problemáticas, que podem ou não ser removidas, num ritmo que pode ou não ser rápido o suficiente para evitar danos.

Para os uigures e para os manifestantes de Hong Kong – e para os Rohingya antes desses -, este tipo de política negligente pode ajudar a transformar o seu país numa caixa de pólvora. Para um governo autoritário como a China, é um sonho, concluiu o Vox.

TP, ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Pior é vcs acreditarem nosso … Pensem idiotas , será mês.o verdade quem ganha por espalhar isso ?

    Obviamente Trump ganha , e ele tá em guerra com a china , essas informações perdem investidores.. e é o tipo de coisa que ele faria …

    Detalhe , mulçumanos acredita que jesus e messias … E segue literalmente ele , e a única religião que ora a Deus Pai , como jesus e ensinou , ao Deus invisível do alto .m. os cristãos daqui oram a Santos , anjos Maria e até a jesus, mas jesus diz orar e louvar somente a Deus ..

    E comunismo tem nada haver com matar , comunismo é um plano econômico ( só envoly como cuida de dinheiro) .. nazismo fez centro de concentração de pessoas e matou judeus , masca desculpa pra matar eles não foi ” comunismo ou plano econômico” e sim por ser judeus … e nazismo que fez isso era era extrema direita…

    Enfim , comunismo tem nada haver com arma , pais do abin Laden era capitalista ,k terrorist) cheio de armas , mísseis etc .. exemplo… não é por que um país mata com armas que é comunismo , estados unidos vende , lucroubcom vendas de armas , mata com armas ..
    E mulçumanos estão sendo o povo mais cristão do mundo , seguem jesus sem erro e por isso são odiados …

    A Bíblia mesmo diz se tu seguir Jesus vao te perseguir ..eles seguem e são odiados

RESPONDER

Empresa de mineração pede desculpa por destruir cavernas sagradas aborígenes

A empresa mineira Rio Tinto admitiu que destruiu as cavernas pré-históricas que eram locais de culto para os aborígenes australianos e pediu desculpa. As cavernas de pedra Juukan Gorge 1 e 2 – dois locais de …

Itália exige "respeito": vai abrir fronteiras, mas excluir países que impõem restrições a italianos

Apesar de acredita "no espírito europeu", o ministro dos Negócios Estrangeiros italiano sublinhou que o país está pronto "para fechar as fronteiras" àqueles que não o respeitem. A Itália vai abrir as suas fronteiras internacionais a …

As Forças Armadas sul-africanas não estavam preparadas para um inimigo invisível

A Força de Defesa Nacional da África do Sul não está preparada para combater uma pandemia silenciosa como a da covid-19. Este "inimigo invisível" veio trazer à tona as fragilidades do país. As Forças Armadas da …

Putin convoca referendo sobre alterações constitucionais para 1 de julho

A aprovação da reforma constitucional permitirá ao atual Presidente da Rússia, Vladimir Putin, cumprir mais dois mandatos suplementares a partir de 2024. Vladimir Putin anunciou a data de 1 de julho para o referendo nacional de …

Depois das máscaras e do gel, procura por acrílico dispara

À semelhança do que aconteceu com as máscaras de proteção e com o álcool-gel, a procura mundial por acrílico está a aumentar. Primeiro foram as máscaras e o desinfetante em gel, mas agora há um novo …

Real Madrid não volta ao Santiago Bernabéu até final da temporada

O Real Madrid vai disputar os restantes jogos da Liga espanhola de futebol na condição de visitado no estádio Alfredo di Stéfano, no centro de treinos merengue. Segundo a agência EFE, Florentino Pérez enviou uma carta …

Metade das empresas que aderiram ao teletrabalho tenciona mantê-lo

A pandemia veio mudar a forma como trabalhamos. Quase metade das empresas que aderiram ao teletrabalho tenciona manter a atividade, ou parte dela, em regime de trabalho remoto.  De acordo com um inquérito da CIP - …

"Muitos de vocês são fracos". Trump critica ação dos governadores durante protestos

O Presidente dos Estados Unidos ridicularizou alguns governadores estaduais por serem "fracos" e exigiu-lhes que tomem medidas duras contra os manifestantes, após mais uma noite de violência em diversas cidades. Donald Trump conversou com os governadores, …

O vírus "não desapareceu". DGS apela para responsabilidade dos adeptos de futebol

Graça Freitas apelou aos adeptos de futebol para que respeitem as regras da Direção-Geral da Saúde, sublinhando que não podem existir ajuntamentos junto aos estádios e concentrações de pessoas em cafés ou em outros locais. Durante …

PSD junta-se ao Bloco e PCP e pede apreciação parlamentar do decreto das PPP na Saúde

O PSD pediu a apreciação parlamentar do decreto-lei que regulamenta a criação de parcerias público-privadas (PPP) na Saúde. O maior partido da oposição junta-se assim ao Bloco de Esquerda e PCP, embora com motivos diferentes. Os sociais-democratas …