China prepara-se para uma nova ordem mundial pós-Trump

(dr) Xinhua

No início de 2020, analistas norte-americanos argumentaram que a resposta inicial das autoridades chinesas perante o novo coronavírus, que surgiu na cidade de Wuhan, poderiam constituir o “Chernobyl” da China. Um artigo do Washington Post mostra que essa perceção pode ter sido, entretanto, alterada.

De acordo com um artigo do jornalista Ishaan Tharoor, publicado na terça-feira no Washington Post, à medida que 2020 chega ao fim, é nos Estados Unidos (EUA) que paira a sombra de Chernobyl, sobre uma nação politicamente dividida, que ultrapassou as 300 mil mortes por covid-19 na segunda-feira, enquanto aumenta o número de novos casos.

Como destacou o repórter, a China acredita ter lidado de forma mais eficaz com a pandemia do que os adversários geopolíticos no Ocidente, controlando a propagação do vírus e reduzindo a transmissão nos episódios de surto. Mas este sucesso é pouco reconhecido no resto do mundo, sendo crescente a preocupação sobre a atuação do Governo do Presidente chinês Xi Jinping.

Em 2020, o governo chinês reprimiu as liberdades civis em Hong Kong e as minorias étnicas em Xinjiang, atuando ainda sob Taiwan e aumentando a tensão na fronteira com a Índia, situações que, sublinhou Ishaan Tharoor, obscureceram o declínio constante nas relações entre os EUA e a China.

A administração Trump impôs tarifas sobre produtos e sanções de entidades chinesas, procurou convencer os parceiros europeus a bloquear o avanço tecnológico chinês e apontou a China como o beneficiário das últimas décadas de globalização. Enquanto isso, referiu o analista, Jinping encaminha o país para um novo ano próspero.

Contudo, apesar de a economia da China ter recuperado mais rapidamente do que outras potências durante a pandemia, o seu crescimento está a desacelerar. Nos seus discursos, Jinping frisou que o país deve fortalecer o seu mercado interno e abandonar a exportação. Intenções semelhantes foram manifestadas durante a administração Trump, tendo havido pressão para uma “dissociação” relativamente à dependência de produtos chineses.

Numa análise sobre o tema, James Crabtree, da Escola de Políticas Públicas Lee Kuan Yew, de Singapura, argumentou que esta intenção “representa uma nova compreensão radical da globalização e do lugar que a China” ocupa nesse processo.

CJCS / Flickr

O Presidente da China, Xi Jinping

“A ideia é que o futuro económico da China será moldado não numa visão plana de integração contínua com o Ocidente, mas em dois circuitos distintos: um doméstico e outro globalmente orientado”, explicou o historiador económico Adam Tooze.

“Enquanto o mundo estava distraído pelo drama das eleições presidenciais dos EUA, Xi [Jinping] revelou discretamente uma estratégia económica adequada para uma nova Guerra Fria”, escreveu Crabtree. “Tanto para a China quanto para a própria globalização, os resultados provavelmente serão profundos”, apontou.

Os contornos dessa mudança, continuou Ishaan Tharoor, são difíceis de prever, mas passa por um futuro em que a China estará menos disponível para as procuras e para os interesses ocidentais, embora o Presidente chinês ainda esteja comprometido com questões internacionais. No fim de semana, reiterou o objetivo de reduzir a emissão de carbono em 65% na próxima década.

A mudança relativa ao posicionamento da China no exterior pode ser vista em diferentes áreas, lê-se no artigo. Recentemente, o Financial Times mostrou como é que os gastos da China nos projetos de infraestrutura em países da Ásia e da Europa, apoiados por empréstimos de bancos estatais chineses, caíram drasticamente nos últimos anos.

“As relações sino-americanas voláteis e o acesso mais restritivo aos mercados externos para as empresas chinesas levaram a um repensar dos motores de crescimento pelos principais planeadores económicos de Pequim”, disse ao Financial Times Yu Jie, investigador da Chatham House.

“Naturalmente, se as empresas estatais decidirem focar-se no mercado doméstico, seguindo os desejos da liderança, o recurso financeiro orçamentado para investimentos no exterior será reduzido em conformidade”, acrescentou.

Analistas chineses afirmam, por outro lado, que os temores do Ocidente são exagerados. “Mesmo que Pequim quisesse imaginar que a China governará o mundo, isso é, na melhor das hipóteses, uma ilusão”, escreveu Huang Jing, reitor do Instituto de Estudos Regionais e Internacionais de Pequim.

Por outro lado, a resiliência da China ao longo de 2019 e a contínua consolidação autoritária de Jinping contam uma história igualmente importante, frisou Ishaan Tharoor.

Taísa Pagno //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Carlos Alexandre nega levantamento do arresto de bens de Salgado

O juiz Carlos Alexandre recusou o pedido de Ricardo Salgado de levantamento do arresto dos bens móveis, pensão e contas bancárias, no âmbito do processo do Universo Espírito Santos e do Monte Branco. A defesa de …

Bola de fogo de mil Hiroshimas destruiu cidade inteira (e pode ter inspirado história bíblica)

Um asteróide atingiu Tall el-Hammam há cerca de 3.600 anos, destruindo toda a cidade e matando toda a sua população. A explosão pode ter inspirado a história bíblica de Sodoma. Enquanto os habitantes de uma antiga …

António Costa sobre a Galp: "Era difícil imaginar tanto disparate, tanta asneira, tanta irresponsabilidade, tanta falta de solidariedade"

Intenção de "dar uma lição" à empresa foi manifestada por António Costa numa ação de campanha, o que gerou críticas por parte dos partidos da oposição que relembraram o seu estatuto de primeiro-ministro e o …

Indústrias criativas são "fator de aceleração e crescimento" económico no país

O ministro de Estado e da Economia, Pedro Siza Vieira, disse esta terça-feira que o Governo tem identificado as indústrias criativas como “um fator de aceleração e crescimento” da atividade económica no país, reconhecendo que …

Rui Moreira garante maioria absoluta (com resultado superior a 2017). PS cai a pique

O presidente da câmara do Porto deverá consolidar a sua legitimidade à frente da autarquia. Por sua vez, o PS corre o risco de perder dez pontos percentuais de votos face a 2017. O estudo …

Fernando Nobre, fundador da AMI, alvo de processo disciplinar da Ordem dos Médicos

A Ordem dos Médicos (OM) abriu um processo disciplinar ao médico Fernando Nobre, na sequência de uma queixa sobre declarações que prestou numa manifestação de negacionistas da pandemia de covid-19 realizada junto à Assembleia da …

Sem que precise de falar, novo teste pode diagnosticar demência precocemente

Num novo estudo, investigadores relataram grande precisão a identificar pessoas com a doença de Alzheimer através de um novo teste em que o paciente nem precisa de falar. O nosso sistema de memória visual tem uma …

Portugal a dois pontos de atingir 85% da vacinação completa

Mais de 8,5 milhões de pessoas já têm a vacinação completa contra a covid-19, o que faz com que Portugal esteja a dois pontos percentuais de atingir a meta de 85% da população totalmente vacinada. Segundo …

Encontrada parte da matéria perdida do Universo

As galáxias podem receber e trocar matéria com o seu ambiente externo graças aos ventos galácticos criados por explosões estelares. Devido ao instrumento MUSE do VLT (Very Large Telescope) do ESO, uma equipa internacional liderada …

A Lilium testou o seu táxi voador de quinta geração — com direito a vídeo e som

Empresa alemã quer tornar-se uma referência do transporte aéreo de nova geração, pelo que se tem esforçado por responder a todos os pedidos e solicitações de melhorias enviadas por possíveis compradores. O modelo eVTOL da empresa …