China prepara-se para uma nova ordem mundial pós-Trump

(dr) Xinhua

No início de 2020, analistas norte-americanos argumentaram que a resposta inicial das autoridades chinesas perante o novo coronavírus, que surgiu na cidade de Wuhan, poderiam constituir o “Chernobyl” da China. Um artigo do Washington Post mostra que essa perceção pode ter sido, entretanto, alterada.

De acordo com um artigo do jornalista Ishaan Tharoor, publicado na terça-feira no Washington Post, à medida que 2020 chega ao fim, é nos Estados Unidos (EUA) que paira a sombra de Chernobyl, sobre uma nação politicamente dividida, que ultrapassou as 300 mil mortes por covid-19 na segunda-feira, enquanto aumenta o número de novos casos.

Como destacou o repórter, a China acredita ter lidado de forma mais eficaz com a pandemia do que os adversários geopolíticos no Ocidente, controlando a propagação do vírus e reduzindo a transmissão nos episódios de surto. Mas este sucesso é pouco reconhecido no resto do mundo, sendo crescente a preocupação sobre a atuação do Governo do Presidente chinês Xi Jinping.

Em 2020, o governo chinês reprimiu as liberdades civis em Hong Kong e as minorias étnicas em Xinjiang, atuando ainda sob Taiwan e aumentando a tensão na fronteira com a Índia, situações que, sublinhou Ishaan Tharoor, obscureceram o declínio constante nas relações entre os EUA e a China.

A administração Trump impôs tarifas sobre produtos e sanções de entidades chinesas, procurou convencer os parceiros europeus a bloquear o avanço tecnológico chinês e apontou a China como o beneficiário das últimas décadas de globalização. Enquanto isso, referiu o analista, Jinping encaminha o país para um novo ano próspero.

Contudo, apesar de a economia da China ter recuperado mais rapidamente do que outras potências durante a pandemia, o seu crescimento está a desacelerar. Nos seus discursos, Jinping frisou que o país deve fortalecer o seu mercado interno e abandonar a exportação. Intenções semelhantes foram manifestadas durante a administração Trump, tendo havido pressão para uma “dissociação” relativamente à dependência de produtos chineses.

Numa análise sobre o tema, James Crabtree, da Escola de Políticas Públicas Lee Kuan Yew, de Singapura, argumentou que esta intenção “representa uma nova compreensão radical da globalização e do lugar que a China” ocupa nesse processo.

CJCS / Flickr

O Presidente da China, Xi Jinping

“A ideia é que o futuro económico da China será moldado não numa visão plana de integração contínua com o Ocidente, mas em dois circuitos distintos: um doméstico e outro globalmente orientado”, explicou o historiador económico Adam Tooze.

“Enquanto o mundo estava distraído pelo drama das eleições presidenciais dos EUA, Xi [Jinping] revelou discretamente uma estratégia económica adequada para uma nova Guerra Fria”, escreveu Crabtree. “Tanto para a China quanto para a própria globalização, os resultados provavelmente serão profundos”, apontou.

Os contornos dessa mudança, continuou Ishaan Tharoor, são difíceis de prever, mas passa por um futuro em que a China estará menos disponível para as procuras e para os interesses ocidentais, embora o Presidente chinês ainda esteja comprometido com questões internacionais. No fim de semana, reiterou o objetivo de reduzir a emissão de carbono em 65% na próxima década.

A mudança relativa ao posicionamento da China no exterior pode ser vista em diferentes áreas, lê-se no artigo. Recentemente, o Financial Times mostrou como é que os gastos da China nos projetos de infraestrutura em países da Ásia e da Europa, apoiados por empréstimos de bancos estatais chineses, caíram drasticamente nos últimos anos.

“As relações sino-americanas voláteis e o acesso mais restritivo aos mercados externos para as empresas chinesas levaram a um repensar dos motores de crescimento pelos principais planeadores económicos de Pequim”, disse ao Financial Times Yu Jie, investigador da Chatham House.

“Naturalmente, se as empresas estatais decidirem focar-se no mercado doméstico, seguindo os desejos da liderança, o recurso financeiro orçamentado para investimentos no exterior será reduzido em conformidade”, acrescentou.

Analistas chineses afirmam, por outro lado, que os temores do Ocidente são exagerados. “Mesmo que Pequim quisesse imaginar que a China governará o mundo, isso é, na melhor das hipóteses, uma ilusão”, escreveu Huang Jing, reitor do Instituto de Estudos Regionais e Internacionais de Pequim.

Por outro lado, a resiliência da China ao longo de 2019 e a contínua consolidação autoritária de Jinping contam uma história igualmente importante, frisou Ishaan Tharoor.

Taísa Pagno Taísa Pagno //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Bactérias benéficas do leite materno mudam ao longo do tempo

De acordo com um novo estudo, a mistura de bactérias benéficas transmitidas pelo leite materno muda significativamente com o tempo. Este pode atuar como uma injeção de reforço diário para a imunidade e metabolismo infantil. Os …

Quando um tigre vale mais morto do que vivo: A sórdida realidade das quintas de procriação

Em alguns países asiáticos, quintas de procriação de tigres exploram até ao tutano o valor económico do animal, submetendo-o a condições de vida degradantes. Tigres já foram puderam ser encontrados em grande parte da Ásia, do …

Ana Estrada Ugarte. Em decisão histórica, Peru abre as portas à eutanásia

Numa decisão histórica esta quinta-feira, o 11.º Tribunal Constitucional do Superior Tribunal de Justiça de Lima, no Peru, ordenou ao Ministério da Saúde do país que respeitasse a vontade de Ana Estrada Ugarte de acabar …

Árbitros estrangeiros na próxima época? APAF recusa "atestado de incompetência"

A Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF) tem a certeza de que o Conselho de Arbitragem (CA) não irá passar um "atestado de incompetência" aos árbitros portugueses, chamando estrangeiros para encontros de Ligas nacionais. Segundo …

Depois do desconforto que a série causou na Família Real, Harry defende "The Crown"

Durante uma entrevista a James Corden, para o programa americano The Late Late Show, o príncipe Harry defendeu a série The Crown da Netflix, explicando que embora não seja “estritamente precisa”, retrata a pressão da …

Benfica vai apresentar queixa por ameaças de morte a Vieira e vandalismo

O Benfica vai avançar com queixas devido às ameaças de morte ao presidente do clube em tarjas colocadas nas imediações do Estádio da Luz, mas também pela vandalização de várias casas benfiquistas. Segundo o jornal online …

Submarino civil transparente pode levá-lo ao local do naufrágio do Titanic

A Triton, uma empresa com sede na Florida, fabrica submarinos civis de última geração há mais de uma década. Agora, vai fazer nascer o Triton 13000/2 Titanic Explorer, que para além de oferecer aos passageiros …

Catorze detidos nos novos protestos em Barcelona a favor de Pablo Hasél

Pelo menos 14 pessoas foram detidas pela polícia catalã, este sábado, durante os distúrbios que se seguiram a mais uma manifestação em Barcelona a reclamar a libertação do rapper Pablo Hasél. Segundo o jornal Público, pelo …

Procuradores avançam para tribunal contra nomeações de chefias

O Conselho Superior do Ministério Público (CSMP) está envolvido numa nova polémica, depois do concurso que culminou na indigitação de José Guerra para a Procuradoria Europeia. Segundo avança o Jornal de Notícias, este domingo, um concurso para …

A partir de segunda-feira, eletrodomésticos vão ter novas etiquetas energéticas

As organizações não-governamentais ambientalistas saúdam as novas etiquetas energéticas, que entram em vigor esta segunda-feira, mas pedem “mais atenção” ao consumidor e “maior rapidez” na reclassificação de “mais produtos”. Em comunicado, a cooligação Coolproducts, um grupo …