China. Jovens obrigados pelas escolas a trabalhar numa fábrica da Amazon

Uma investigação do Guardian revelou que centenas de jovens em idade escolar estão a produzir os aparelhos Alexa da Amazon, na fábrica chinesa Foxconn. Entrevistas com trabalhadores e documentos divulgados pelo fornecedor da Amazon mostram que muitas crianças foram obrigadas a trabalhar à noite e horas extras para atingir as metas de produção, violando das leis laborais na China.

De acordo com estes documentos, os adolescentes – recrutados em escolas na cidade de Hengyang – são designados como “estagiários” e os professores são pagos pela fábrica para os acompanhar e os persuadir a aceitar fazer horas extraordinárias, noticiou a Visão no domingo, citando o Guardian.

Mais de mil alunos estão empregados, com idades entre 16 e 18 anos, e podem representar até 15% da força de trabalho. As fábricas chinesas estão autorizadas a empregar estudantes com idade igual ou superior a 16 anos, mas estas crianças em idade escolar não estão autorizadas a trabalhar à noite ou horas extraordinárias.

Um porta-voz da Amazon informou que a empresa não toleraria violações do código do conduta para os fornecedores, que são regularmente fiscalizados, muitas vezes através de auditores independentes.

A Foxconn, que também produz iPhones para a Apple, admitiu que os estudantes tinham sido empregados ilegalmente e disse que está a implementar medidas imediatas para corrigir a situação.

“Nós reforçámos a regulamentação e o controlo dos nossos programas de estágio, com as escolas parceiras, para garantir que, independentemente das circunstâncias, estas crianças não trabalham durante a noite ou horas extraordinárias. Houve casos, no passado, em que a supervisão negligente da nossa equipa a gerir os funcionários permitiram que isto acontecesse e, apesar de os estagiários afetados receberem os salários suplementares relativos a estes turnos, isto não é aceitável e tomámos medidas imediatas para garantir que não se repetirá”, informaram os responsáveis através de um comunicado.

Segundo a fábrica, os alunos a trabalhar recebem “a oportunidade de ganhar experiência prática de trabalho e formação prática num vasto número de áreas”, algo que os irá ajudar a “encontrar emprego” no futuro. Contudo, os adolescentes dizem que o trabalho que realizam na fábrica não tem qualquer relevância para os seus cursos e que têm sido pressionados para aceitar trabalhar horas extras.

Uma “estagiária” com 17 anos, na fábrica desde o mês passado, contou que está a estudar informática, mas que a sua única tarefa é aplicar uma película protetora a cerca de três mil Echo Dots diariamente. Segundo a mesma, inicialmente, foi informada pelo professor que trabalharia oito horas por dia, cinco dias por semana. Mas, desde então, trabalha 10 horas (incluindo duas horas extras) durante seis dias, por semana.

“As luzes na fábrica são muito brilhantes, então fica muito quente”. “No início, eu não estava muito acostumada a trabalhar na fábrica, e agora, depois de trabalhar durante um mês, tenho-me adaptado relutantemente ao trabalho. Mas trabalhar 10 horas por dia, todos os dias, é muito cansativo. Tentei dizer ao responsável pela minha linha [de produção] que não queria fazer horas extraordinárias. Mas o gerente disse ao meu professor e ele disse-me que se eu não fizesse horas extras, eu não poderia estagiar na Foxconn e isso afetaria a minha graduação e as bolsas de estudo na escola”, explicou.

De acordo com os documentos, os estudantes “precisam de fazer horas extras” e de ficar a dormir nos dormitórios da fábrica para que a empresa cumpra as metas de produção. Os que recusam são despedidos. “Para colmatar a falta de mão-de-obra e reduzir o custo do recrutamento de mão-de-obra, gostaríamos de cooperar com as escolas locais para recrutar estagiários”, pode ler-se.

A fábrica paga às escolas 500 yuan (63 euros) por mês, por cada aluno que a instituição fornece. Os estagiários recebem 16,54 yuan (dois euros) por hora, enquanto um trabalhador normal teria direito a 20,18 yuan (2,55 euros) por hora.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

A polícia holandesa achava que tinha em mãos o mafioso mais procurado da Europa. Afinal, era só um fã de F1

Um homem de Liverpool de 54 anos pensava que o grande evento da sua viagem aos Países Baixos seria assistir ao Grande Prémio de Fórmula 1, mas acabou detido numa prisão de alta segurança por …

Cobertura global de corais caiu para metade desde 1950, revela relatório

A cobertura global de recifes de coral caiu para metade desde 1950, cenário originado pelo aquecimento global, pesca excessiva, poluição e destruição de habitats naturais, revelou uma análise divulgada esta sexta-feira. Desde a Grande Barreira de …

O sonho de Christo concretizou-se, 60 anos depois. O Arco do Triunfo foi embrulhado como um presente

Já desde o início dos anos 60 que Christo imaginava como seria cobrir o Arco do Triunfo em tecido. A sua visão foi finalmente concretizada e pode ser visitada entre 18 de Setembro e 3 …

Holanda. Ministra da Defesa renuncia devido à crise de evacuação do Afeganistão

Após a ministra das Relações Externas holandesa, Sigrid Kaag, renunciar devido ao desastre da evacuação do Afeganistão, esta sexta-feira foi a vez da ministra da Defesa, Ank Bijleveld. Segundo relatou o Guardian, acredita-se que os ministros …

Tribunal da África do Sul recusa anular pena de prisão do ex-Presidente Jacob Zuma

O mais alto tribunal da África do Sul rejeitou o pedido do ex-Presidente Jacob Zuma para anular a sua sentença de 15 meses de prisão por não comparecer a uma sessão de inquérito por corrupção. Em …

EUA. Advogado planeou o próprio assassinato para o filho receber seguro. Foi detido por fraude

Um influente advogado norte-americano, cuja esposa e um dos filhos foram assassinados, foi acusado de fraude contra uma empresa de seguros e falso testemunho por organizar o seu próprio assassinato. Segundo avançou a agência France-Presse, …

Norberto Mourão conquista bronze nos Mundiais de canoagem adaptada

Norberto Mourão já tinha conquistado o bronze nos Jogos Paralímpicos de Tóquio e junta agora mais uma medalha à colecção, desta vez nos Mundiais de canoagem adaptada. O atleta de canoagem adaptada Norberto Mourão conquistou hoje …

Caso George Floyd. Polícia condenado a 22 anos de prisão pode ver a sentença revertida

A intervenção do Supremo Tribunal do Minnesota num outro caso de violência policial para reduzir a pena de um agente pode abrir um precedente para que haja alterações na sentença de Derek Chauvin. Segundo avança a …

Futebol português contra Campeonato do Mundo de dois em dois anos

O futebol português está contra a intenção da FIFA de aumentar a periodicidade do Campeonato do Mundo, passando de quatro para de dois em dois anos, refere um comunicado conjunto divulgado hoje. O documento, assinado pela …

Governo quer proibir empresas de recorrer ao 'outsourcing' após despedimento coletivo

O Governo quer proibir as empresas que façam despedimentos coletivos de recorrerem ao 'outsourcing' (contratação externa) durante os 12 meses seguintes, disse hoje a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. No final …