China arrisca ficar de cofres vazios a meio do ano

Wu Hong / EPA

Edifício sede do Banco Central da China, em Pequim

A economia chinesa continua em maré de dificuldades e os Bancos de Investimento internacionais não têm boas expectativas para o curto prazo. Há analistas que vêem as reservas do país a esvaziarem-se.

O Banco Popular da China tem actuado na economia, nomeadamente desvalorizando o yuan e usando as “almofadas financeiras” para injectar capital no sistema financeiro, de modo a tentar travar a onda de declínio.

Mas esta intervenção poderá, no curto prazo, ter consequências ainda mais graves para a economia chinesa, conforme vaticinam especialistas do Société Générale, um dos maiores bancos da Europa com sede em França.

Num relatório publicado nesta semana, a instituição alerta que as reservas nos cofres chineses podem evaporar-se em cerca de seis meses, o que colocaria a China à mercê dos investidores internacionais.

As reservas chinesas totalizavam 3,33 biliões de dólares (cerca de três biliões de euros) em Dezembro de 2015, segundo dados oficiais do país. Neste fim-de-semana, devem ser conhecidos os novos dados actualizados.

Contudo, a tendência de queda nas reservas, verificada desde 2014, faz temer o pior cenário.

“As reservas da China já caíram em 663 mil milhões de dólares [594 mil milhões de euros], desde meados de 2014, e um declínio maior desta escala começaria a enfraquecer seriamente a capacidade das autoridades chinesas controlarem a moeda e de mitigarem a futura balança de pagamentos”, alerta a representante do Société Générale para a economia chinesa, Wei Yao, citada pelo site MarketWatch.

“Ao ritmo actual, o Banco Popular da China apenas conseguirá defender a moeda nacional por mais dois ou três trimestres“, avisa ainda a economista.

O estratega global do Société Générale, Albert Edwards, também citado pelo MarketWatch, estima que as reservas de moeda estrangeira caíram em cerca de 120 mil milhões de dólares só em Janeiro.

Este especialista vaticina que a queda deverá continuar nos próximos meses.

“Quando as reservas chegarem a 2,8 biliões de dólares [2,5 biliões de euros] – o que, a este ritmo, deverá levar apenas mais alguns meses – as reservas de moeda estrangeira cairão para baixo do nível mínimo recomendado pelo FMI”, salienta Albert Edwards.

Num cenário destes, o Banco Popular da China poderá ser obrigado a deixar o yuan flutuar livremente, perdendo a capacidade para defender o valor da moeda, o que será dramático para a economia do país mais populoso do mundo e, consequentemente, para a economia mundial.

ZAP

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

    • Desculpe mas não concordo. Seria mais proveitoso aconselharem-se com o Ricardo Salgado o Álvaro Sobrinho com a supervisão sempre ”legal” do Rui Rangel. Assim sim.

RESPONDER

Mais acidentes, afogamentos e suicídios num mundo mais quente

As temperaturas mais elevadas vão provocar mais acidentes rodoviários, afogamentos, agressões e suicídios, revelou uma nova investigação. Até ao momento, a grande parte das pesquisas em torno das alterações climáticas centrou-se nas mortes por doenças transmitidas …

Jóias de ouro e prata com plástico. Justiça não vê mal nenhum e iliba marca Tous

O processo de investigação aberto à marca TOUS por alegada fraude com jóias de ouro e plástico contendo plástico no seu interior, foi arquivado. A Justiça espanhola entende que, apesar de as jóias conterem plástico, …

Provas do caso Luanda Leaks podem ser nulas em Portugal

A Constituição da República Portuguesa determina que as provas obtidas mediantes violação de correspondência são consideradas nulas. Desta forma, os documentos conseguidos por Rui Pinto no caso Luanda Leaks podem vir a ser nulas aos …

Rui Pinto "tropeçou" nos Luanda Leaks sem querer

Foi quando estava à procura de "segredos do futebol" no âmbito dos Football Leaks que o hacker Rui Pinto "tropeçou" nos documentos que incriminam Isabel dos Santos nos Luanda Leaks. É o seu advogado, o …

Líder do assalto às armas de Tancos libertado

João Paulino estava preso preventivamente desde 28 de setembro de 2018. Esta segunda-feira foi libertado por excesso de prisão preventiva. O ex-fuzileiro João Paulino foi hoje libertado por excesso de prisão preventiva. A notícia foi confirmada …

Investigadores desenvolvem tecnologia que permite datar as impressões digitais

Encontrar as impressões digitais numa cena de crime nem sempre é suficiente para haver condenação, podendo os suspeitos alegar que as mesmas foram deixadas antes de o crime ocorrer. Essa realidade pode estar prestes a …

Coronavírus abala mercados mundiais. Petróleo derrapa mais de 3%

A preocupação com as consequências económicas da propagação do coronavírus na China está a ter um efeito devastador nos mercados. A derrapagem nos mercados acontece numa altura em que o número de mortos pelo surto de …

Prémio Tyler 2020: Defensores de políticas verdes ganham "Nobel do Meio Ambiente"

O Prémio Tyler 2020, também conhecido como o "Nobel do Meio Ambiente", foi atribuído à bióloga Gretchen Daily e ao economista ambiental Pavan Sukhdev, foi hoje anunciado. A bióloga especialista em conservação e o economista são …

Subsídios estão a ser pagos e aumento de 15% no ordenado "não é realista", diz a Ryanair

A Ryanair está a pagar os subsídios de férias e Natal, afirmou hoje um responsável da companhia, salientando que o sindicato dos tripulantes de cabine tenta “forçar” aumentos salariais de 15%, o que “não é …

Tia de Kim Jong-un faz a primeira aparição pública em mais de seis anos

Kim Kyong-hui, tia paterna do líder norte-coreano Kim Jong-un, reapareceu em público este sábado pela primeira vez em mais de seis anos, escreve a BBC. A emissora britânica, que avança a notícia citando a Agência Central …