Há centenas de ilhas chinesas desabitadas para alugar (mas não basta assinar um contrato)

A província de Liaoning, no nordeste da China, é o lar de centenas de pequenas ilhas desabitadas – e estão disponíveis para alugar, de acordo com a CNN.

A emissora norte-americana adianta que os departamentos de Finanças e Recursos Naturais de Liaoning emitiram um comunicado, em julho, que circulou amplamente nas redes sociais chinesas e que listava “taxas de uso” para as ilhas desabitadas.

Liaoning abriga o maior número de ilhas no norte da China: no total, são 633 ilhas, das quais 44 são habitadas e as 589 restantes estão vazias. Embora algumas das ilhas fiquem na costa do Mar Amarelo, muitas estão espalhadas ao longo do rio Yalu, que separa a província da vizinha Coreia do Norte.

Nos últimos anos, a pressão sobre os recursos marinhos da região aumentou e algumas das ilhas e o seu território marinho circundante foram “usados de forma ineficiente e extensa”, segundo o relatório da Xinhua.

Embora as ilhas, como a maioria das terras e recursos da China, sejam propriedade do Governo, podem ser alugadas a particulares, segundo a agência de notícias estatal chinesa Xinhua.

As ilhas podem custar até 25 milhões de yuans (cerca de 3,07 milhões de euros) por hectare por ano. O preço depende de vários fatores, incluindo o será desenvolvido e para que fins. O valor mais baixo que você pode chegar é 452 euros, escolhendo as opções mais baratas de todos os fatores: as ilhas de classificação mais baixa numa escala de seis níveis, que é classificada com base no “desenvolvimento socioeconómico”.

Porém, juntar dinheiro não é suficiente. A ilha também teria de atender aos padrões de “uso primordial”, o que significa que não requer recuperação de terras ou outros tipos de desenvolvimento de terras que poderiam elevar o preço em 20 vezes. Esta exigência atua como um impedimento para o desenvolvimento em vez de encorajar a proteção.

Além disso, depende do que se quer fazer na ilha – turismo, agricultura, pesca, energia renovável, desenvolvimento urbano ou outros. Existem nove categorias de usos possíveis, cada uma com preços diferentes. Turismo e entretenimento são os propósitos normalmente escolhidos, segundo Yu Xingguang, membro do Terceiro Instituto de Oceanografia da China, de acordo com o jornal estatal chinês Global Times.

A perspectiva de possuir uma ilha fez barulho na rede social chinesa Weibo, mas as autoridades alertaram que não era tão simples como assinar um contrato e fazer as malas.

O objetivo é garantir uma melhor proteção das ilhas, o que significa que os potenciais inquilinos terão de passar por um longo e rigoroso processo de inscrição. O inquilino precisaria de enviar relatórios do projeto para demonstrar conformidade com a regulamentação ambiental, bem como planos específicos de desenvolvimento e utilização. Apenas após uma análise cuidadosa, os inquilinos são aprovados e recebem as chaves para a sua nova ilha desabitada.

A China tem atraído o escrutínio internacional nos últimos anos pelo seu aumento na dragagem e recuperação de terras para construir ilhas artificiais. Em 2018, o Governo anunciou que deixaria de aprovar a recuperação comercial de terras. No ano seguinte, lançou iniciativas para restaurar os recifes de coral danificados pela recuperação de terras.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Já é possível ouvir a Via Láctea. NASA transforma dados de corpos celestes em música

A NASA converteu dados de astronomia em sons, permitindo ouvir composições musicais derivadas da própria estrutura do Universo. Especialistas da NASA transformaram dados da Via Láctea em sons graças a um processo conhecido como sonificação. …

Federer acusado de manobrar a tabela ATP

Contas da associação de tenistas foram alteradas por causa do coronavírus. Roger Federer está no quinto lugar mas só disputou um torneio ao longo de 2020. Em ano anormal, contas anormais: a tabela oficial da Associação …

Astrónomo do Instituto SETI garante que vamos encontrar extraterrestres até 2036

Seth Shostak, astrónomo e astrofísico do Instituto SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence) está convencido de que os humanos vão encontrar uma civilização extraterrestre inteligente até 2036. “O SETI duplica a velocidade aproximadamente a cada dois anos …

Mais leve e elegante. Assim é a nova e-bike que vai chegar às ruas da Europa

A startup Urban Cycles Oy, com sede em Helsínquia, demarcou uma espécie de lacuna no mercado europeu de bicicletas elétricas e por isso quis preenchê-la. O objetivo era produzir uma bicicleta elegante e mais leve. Um …

Incêndio reduz a maior ilha de areia do mundo a metade. É Património da Humanidade

Quase metade de Fraser, a maior ilha de areia do mundo, que se situa no nordeste da Austrália e foi classificada como Património da Humanidade pela UNESCO, foi destruída por um incêndio florestal. O incêndio queimou …

"Toca de bruxaria" permaneceu até agora numa casa do século XVI. Encontrados crânios de cavalo e veneno

Uma casa cheia de objetos ocultos foi recentemente alvo de grande interesse. O espaço estava localizado dentro de numa casa do século XVI no País de Gales, e encontrava-se repleto de objetos ocultos, incluindo crânios …

Em 1843, o primeiro cartão de Natal foi considerado "escandaloso" (agora vai ser leiloado pela Christie)

Um exemplar do primeiro cartão de Natal impresso comercialmente, em 1843, que retratava uma cena da era vitoriana que escandalizou a população, vai ser posto à venda esta sexta-feira e é considerado um item raríssimo. Este …

Marcelo quer alívio de restrições no Natal sem pôr em xeque janeiro

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta sexta-feira esperar que a "possível exceção" no Natal ao quadro de restrições para conter a covid-19 "seja bem entendida e bem vivida" e não provoque …

Bill Gates diz que o mundo estará de volta à normalidade já na primavera de 2021

Bill Gates, que desde 2015 tinha vindo a lançar alguns alertas sobre uma possível pandemia, deixou agora uma mensagem de esperança ao dizer que acredita que os EUA irão voltar ao normal na primavera de …

Mais um passo na hegemonia. China constrói aldeia nos Himalaias, em zona também disputada pela Índia e pelo Butão

Novas imagens de satélite mostram que a China construiu uma aldeia nos Himalaias, ao longo de uma fronteira que também é disputada pela Índia e pelo Butão, e que foi palco de um impasse agressivo …