Há centenas de ilhas chinesas desabitadas para alugar (mas não basta assinar um contrato)

A província de Liaoning, no nordeste da China, é o lar de centenas de pequenas ilhas desabitadas – e estão disponíveis para alugar, de acordo com a CNN.

A emissora norte-americana adianta que os departamentos de Finanças e Recursos Naturais de Liaoning emitiram um comunicado, em julho, que circulou amplamente nas redes sociais chinesas e que listava “taxas de uso” para as ilhas desabitadas.

Liaoning abriga o maior número de ilhas no norte da China: no total, são 633 ilhas, das quais 44 são habitadas e as 589 restantes estão vazias. Embora algumas das ilhas fiquem na costa do Mar Amarelo, muitas estão espalhadas ao longo do rio Yalu, que separa a província da vizinha Coreia do Norte.



Nos últimos anos, a pressão sobre os recursos marinhos da região aumentou e algumas das ilhas e o seu território marinho circundante foram “usados de forma ineficiente e extensa”, segundo o relatório da Xinhua.

Embora as ilhas, como a maioria das terras e recursos da China, sejam propriedade do Governo, podem ser alugadas a particulares, segundo a agência de notícias estatal chinesa Xinhua.

As ilhas podem custar até 25 milhões de yuans (cerca de 3,07 milhões de euros) por hectare por ano. O preço depende de vários fatores, incluindo o será desenvolvido e para que fins. O valor mais baixo que você pode chegar é 452 euros, escolhendo as opções mais baratas de todos os fatores: as ilhas de classificação mais baixa numa escala de seis níveis, que é classificada com base no “desenvolvimento socioeconómico”.

Porém, juntar dinheiro não é suficiente. A ilha também teria de atender aos padrões de “uso primordial”, o que significa que não requer recuperação de terras ou outros tipos de desenvolvimento de terras que poderiam elevar o preço em 20 vezes. Esta exigência atua como um impedimento para o desenvolvimento em vez de encorajar a proteção.

Além disso, depende do que se quer fazer na ilha – turismo, agricultura, pesca, energia renovável, desenvolvimento urbano ou outros. Existem nove categorias de usos possíveis, cada uma com preços diferentes. Turismo e entretenimento são os propósitos normalmente escolhidos, segundo Yu Xingguang, membro do Terceiro Instituto de Oceanografia da China, de acordo com o jornal estatal chinês Global Times.

A perspectiva de possuir uma ilha fez barulho na rede social chinesa Weibo, mas as autoridades alertaram que não era tão simples como assinar um contrato e fazer as malas.

O objetivo é garantir uma melhor proteção das ilhas, o que significa que os potenciais inquilinos terão de passar por um longo e rigoroso processo de inscrição. O inquilino precisaria de enviar relatórios do projeto para demonstrar conformidade com a regulamentação ambiental, bem como planos específicos de desenvolvimento e utilização. Apenas após uma análise cuidadosa, os inquilinos são aprovados e recebem as chaves para a sua nova ilha desabitada.

A China tem atraído o escrutínio internacional nos últimos anos pelo seu aumento na dragagem e recuperação de terras para construir ilhas artificiais. Em 2018, o Governo anunciou que deixaria de aprovar a recuperação comercial de terras. No ano seguinte, lançou iniciativas para restaurar os recifes de coral danificados pela recuperação de terras.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …

Preços das casas voltaram a aumentar no segundo trimestre

Entre abril e junho, o índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu 6,6% em termos homólogos. A revelação foi feita esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O Índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu …

China anuncia fim de novas centrais a carvão no estrangeiro

Segundo os especialistas, o impacto da medida deverá depender da forma como será implementada, podendo ter um grande impacto na luta contra as alterações climáticas. Num anúncio bem recebido por ativistas e organizações ambientes, a China …

Roménia vai distribuir €200 mil a quem tiver vacinação completa contra a covid-19

A Roménia anunciou uma "lotaria de vacinação" que distribuirá prémios de até 200.000 euros entre aqueles que tiverem a vacinação completa, na tentativa de elevar a taxa de imunização, a segunda mais baixa da União …

Antes da invasão ao Capitólio, Bannon ajudou a planear estratégia para "matar a presidência de Biden no berço"

O estrategista-chefe da campanha de Donald Trump, Steve Bannon, revelou que falou com o ex-Presidente antes da invasão ao Capitólio, a 06 de janeiro, discutindo as condições para "matar a presidência de [Joe] Biden no …

Costa prepara novo alívio de restrições para vigorar a partir de 1 de outubro

António Costa prepara-se para anunciar, na quinta-feira, o levantamento de um conjunto de restrições que vigoraram por causa da covid-19. O primeiro-ministro, António Costa, prepara-se para anunciar na quinta-feira o levantamento de um conjunto de restrições …