Chega quer programa nacional que preserve “símbolos históricos da nação portuguesa”

Pedro Reis Martins / Lusa

O partido Chega anunciou este sábado um projeto de resolução que recomenda ao Governo a criação de um programa nacional de “cultura e memória” para preservar “todos os símbolos históricos da nação portuguesa”.

“Repetem-se, cada vez mais amiúde, os atentados a símbolos históricos, elementos representativos do nosso percurso como povo e como nação e das marcas que deixámos na História da Europa e do mundo”, justifica o deputado único e presidente do Chega, André Ventura, na resolução, que não tem força de lei.

Para o Chega, “esses atentados, longe de configurarem atos involuntários ou de pura e simples manifestação de ignorância resultam, claramente, de uma tomada de posição ideológica cujo objetivo último será o da destruição das raízes que diferenciam povos e nações, o apagamento da memória coletiva desses povos e dessas nações”.

Daqui resultará, no entender do partido, a “produção de uma massa anónima de pessoas facilmente manobrável mas descartável, matéria-prima ideal para a implantação de regimes totalitários e despóticos”.

“A cultura própria e a memória histórica dos povos e das nações terá de ser preservada e mantida. É a diferença, e a complementaridade na diferença, e mesmo o choque, por vezes, provocado por essa diferença que se encontra na origem do progresso da Humanidade. Ela é o seu motor”, defende.

Assim, Ventura recomenda ao Governo que proceda “com os recursos materiais e humanos atualmente disponíveis” à criação de um programa nacional que vise preservar “todos os símbolos históricos da construção daquela que é a nacionalidade portuguesa”.

Sem nunca se referir ao tema, o projeto de resolução do Chega surge numa altura em que se reacendeu a polémica sobre o fim dos brasões do jardim da Praça do Império, na freguesia de Belém, em Lisboa.

Em 2016, a Câmara de Lisboa (de maioria socialista) aprovou, com os votos contra da oposição, a decisão do júri do concurso de ideias lançado para renovação do Jardim da Praça do Império que não previa a recuperação dos brasões florais.

Surgiram depois diversas vozes contra a decisão, petições e um abaixo-assinado que deu entrada na Assembleia Municipal de Lisboa, considerando que a retirada dos brasões florais daquele jardim era “um crime” contra a cidade.

Entretanto, há pouco mais de um mês (29 de dezembro) a empreitada foi adjudicada pela autarquia à empresa Decoverdi, Plantas e Jardins, no valor de cerca de 730 mil euros, segundo o portal de contratos públicos base.

Voltou, então, a surgir uma nova petição online, intitulada “Contra o apagamento dos brasões da Praça do Império”, tendo como primeiro signatário o presidente da Associação Nova Portugalidade, Rafael Pinto Borges, e as assinaturas dos ex-ministros António Barreto e Bagão Félix, assim como do antigo presidente da Câmara de Lisboa Carmona Rodrigues.

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, defende, por seu lado, que “não há nenhum projeto de retirada de qualquer brasão” do jardim da Praça do Império, em Belém, justificando que os arranjos florais dos anos 60 já não existem há décadas.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Siza Vieira reforça que é "trabalho" dos Bancos discutir com os clientes o reembolso das moratórias

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, reforça que cabe aos Bancos "discutir com os seus clientes que têm moratórias nos sectores mais afectados" pela pandemia o reembolso das dívidas após o fim destes mecanismos …

Domingos Soares de Oliveira de saída do Benfica

Além de João Varandas Fernandes e José Eduardo Moniz, o administrador Domingos Soares de Oliveira também não vai integrar a lista de Rui Costa para as próximas eleições. Rui Costa confirmou na terça-feira que é candidato …

Depois do Bayern, Barcelona também está atento a Luis Díaz

Luis Díaz continua a somar boas exibições e clubes interessados na sua contratação. Agora fala-se do desejo do Barcelona em contratar o colombiano em janeiro. Luis Díaz atravessa um momento de forma excecional ao serviço do …

Fuse Valley, Matosinhos

Está a nascer em Matosinhos a Silicon Valley portuguesa (e até Siza Vieira está "espantado")

O "Fuse Valley" promete ser a Silicon Valley portuguesa, em Matosinhos, num empreendimento inovador da Farfetch e da Castro Group que até deixa o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, "espantado". A abertura está prevista …

Portugal aguarda "luz verde" da EMA para avançar com terceira dose aos idosos

Portugal aguarda a autorização da Agência Europeia de Medicamentos para avançar com a administração da terceira dose da vacina contra a covid-19 a maiores de 65 anos. Com base nos resultados de dois grandes estudos científicos …

E depois de Merkel? Alemanha já sente falta da Chanceler que saiu da sombra para salvar o seu "delfim"

Angela Merkel tinha prometido ficar afastada das eleições legislativas deste domingo, na Alemanha, mas saiu da sombra para apoiar o seu "delfim", o candidato da CDU, Armin Laschet, que deverá disputar a vitória com o …

Já há refugiados afegãos a realizarem entrevistas de emprego em Portugal

Já há refugiados afegãos a realizarem entrevistas de emprego em Portugal, disse a secretária de Estado para a Integração e as Migrações, Cláudia Pereira. Em três semanas, chegaram 178 refugiados afegãos a Portugal. A secretária de …

Arranca hoje a conferência dos Trabalhistas - num clima de "guerra civil" entre Starmer e os Corbynistas

A proposta de Starmer de mudar a sistema de eleição do líder dos Trabalhistas tem suscitado muitas críticas, num partido que já estava profundamente dividido entre os membros mais conservadores e os membros leais a …

Multinacional oferece emprego qualificado em Portugal mas não tem candidatos

Um engenheiro de Mirandela regressou à terra para instalar na cidade transmontana o polo principal de uma nova multinacional na área da energia que está a recrutar, mas não consegue candidatos para emprego qualificado. Manuel Lemos …

Austrália, Japão, EUA e Índia reúnem-se "sem objetivos militares", mas China sente-se ameaçada

Estados Unidos, Austrália, Japão e Índia reuniram-se naquela que foi a primeira reunião do chamado Quad. A China sente-se ameaçada e avisa que o grupo está "fadado ao fracasso". Joe Biden liderou esta sexta-feira a primeira …