Charlie Hebdo critica New York Times por recuar após publicação de cartoon de António

(dr) António

Cartoon de António criticado como anti-semita após publicação no The New York Times.

O chefe de redação do jornal francês Charlie Hebdo disse na terça-feira que não publicaria o cartoon de António sobre Trump por não se enquadrar nos códigos visuais da publicação, mas criticou o jornal “The New York Times” por ter recuado

“Não é um desenho que apareceria no Charlie porque efetivamente há muitos símbolos e a sua interpretação pode ser muito ambígua. Para nós, não é um bom desenho, mas não é isso que está em causa. A questão principal é que o NYT decidiu (…) parar a publicação de todos os cartoons políticos, portanto disse que o problema não é o antissemitismo, é o desenho em si”, afirmou Gerard Biard, chefe de redação do Charlie Hebdo.

O jornalista francês comentava o episódio no ano passado pelo cartoonista português António, quando a caricatura que fez do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump (como cego guiado pelo primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, representado como um cão envergando a estrela de David na coleira), publicada na edição internacional do The New York Times, levou o jornal a preferir extinguir a secção de ‘cartoon’ político depois de receber muitas críticas.

“Os ‘cartoons’ trazem problemas às redações. […] Vivemos num mundo de imagens, mas poucas pessoas sabem ler estas imagens. E poucas pessoas sabem ler um ‘cartoon’. Tem contexto, uma coisa é o que ele parece dizer e outra é o que ele diz verdadeiramente”, defendeu o chefe de redação.

A intervenção aconteceu numa homenagem que decorreu esta terça-feira à noite na Maison de la Radio, onde se assinalaram cinco anos sobre o atentado ao jornal francês que vitimou mortalmente 12 pessoas, entre elas alguns cartoonistas emblemáticos do semanário. Vários elementos da redação estiveram presentes em debates à frente de uma plateia repleta e também um grande dispositivo de segurança.

Minutos antes de se falar do desenho de António, Biche, cartoonista do Charlie Hebdo, explicou que o jornal evita publicar desenhos em que apareçam símbolos e que, apesar de não haver um traço particular entre os seus colaboradores, há certas regras.

Não usamos símbolos religiosos ou, por exemplo, o símbolo da paz, porque não queremos que isso crie confusão no que queremos dizer. […] Não há uma escola Charlie, cada um chega com as suas próprias experiências, estamos todos juntos e é com se fossemos todos um ingrediente da mesma receita”, indicou o cartoonista.

Neste debate, intitulado “Desenho como barómetro das nossas democracias”, o ensaísta Yannick Haenel, que contribui regularmente para este jornal francês, criticou a nova forma de puritanismo que atinge a França neste momento e ameaça a liberdade de expressão.

“Há um dispositivo, quase planetário, submisso à loucura do puritanismo. E isso exprime-se através de uma série de indignações que nos opõem uns aos outros. A liberdade é um escândalo e isso é algo muito belo. Não somos livres naturalmente, tornamo-nos livres, ao exercermos um olhar crítico sobre nós próprios e sobre os outros e tocando algo que muitas vezes é interdito”, afirmou Yannick Haenel.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Homicídio com 32 anos resolvido com a menor amostra de ADN de sempre

Um caso de homicídio ocorrido há 32 anos, que muitos consideraram impossível de ser resolvido, foi finalmente desvendado (e tudo graças à amostra de ADN mais pequena de sempre usada para decifrar um caso). De acordo …

Braços robóticos controlados remotamente podem vir a realizar cirurgias delicadas

Um equipa de investigadores está a trabalhar para eliminar movimentos rígidos nos braços robóticos, de modo a torná-los mais ágeis. O objetivo é que no futuro estes possam empilhar pratos ou até realizar cirurgias delicadas. Os …

Alemão foi forçado a remover estátua do pai por esta se parecer com Hitler

Um alemão foi obrigado a retirar uma figura de madeira de um cemitério, que seria para homenagear o seu falecido pai, por ter semelhanças com o antigo ditador nazi. As autoridades do município de Weil im …

Podcast evita morte de um condenado (seis vezes)

Curtis Flowers foi julgado seis vezes pelo mesmo promotor de justiça. Um programa de investigação mudou o seu destino. O promotor continua a acreditar que Curtis é culpado. A própria equipa responsável pelo 60 Minutes, programa …

EUA venderam álbum único dos Wu-Tang Clan (que pertencia a Martin Shkreli)

O álbum do grupo Wu-Tang Clan, confiscado em 2018 ao antigo gestor de fundos Martin Shkreli, também conhecido como "o empresário mais odiado do mundo", foi agora vendido pelo Governo norte-americano. Num comunicado divulgado esta terça-feira, …

Bezos ofereceu 1,7 mil milhões de euros à NASA para entrar na corrida da próxima viagem à Lua

O empresário norte-americano ofereceu 1,7 mil milhões de euros à NASA numa tentativa de reacender a batalha espacial entre a sua empresa, a Blue Origin, e a do "rival" Elon Musk, a SpaceX. De acordo com …

Clientes com certificado digital válido impedidos de entrar em restaurantes

Estão a ser reportados vários casos de clientes que, ao apresentarem o certificado digital para poderem entrar num restaurante, não conseguem fazê-lo porque o documento está a ser considerado inválido pelos dispositivos eletrónicos. Segundo a rádio …

Covid-19 trouxe "paranoia" ao mercado

Diretor do Norwich City, da Premier League, acha que os responsáveis por alguns clubes não sabem bem o que estão a fazer nos últimos tempos. O Norwich City iria jogar contra o Coventry City, num encontro …

Israel cria "task force" para reverter boicote da Ben & Jerry's na Cisjordânia

Israel criou uma task force para pressionar a empresa de gelados norte-americana Ben & Jerry's e a sua proprietária, Unilever, a reverterem a decisão de boicotar a ocupação israelita na Cisjordânia. "Precisamos de aproveitar os 18 …

Violência armada. 430 mortos na última semana nos EUA e 2021 pode ser dos piores anos de sempre

Só na semana passada registaram-se cerca de 430 mortos e mais de 1000 feridos associados a tiroteios, num ano que está a ser marcado pelo aumento da violência armada nos Estados Unidos. O ano passado foi …