Região Centro perde 110 mil postos de trabalho até 2030. A culpa é da automação

A automação vai fazer a região centro do país perder 110 mil postos de trabalho dentro dos próximos dez anos. A manufatura e a agricultura serão os setores mais afetados.

Os avanços tecnológicos nem sempre são tão positivos como, por vezes, se fazem prever. Um estudo realizado pela Confederação Empresarial Portuguesa (CIP) e pela Nova SBE mostra as consequências da automação nas várias regiões do país e quais os setores de trabalho mais afetados.

As conclusões do estudo foram hoje de manhã apresentadas em Leiria. Os dados mostram que a região Centro terá menos 110 mil postos de trabalho até ao ano de 2030. Juntas, a agricultura e a manufatura representam mais de metade das perdas. Segundo o Diário de Notícias, estes dois setores irão sofrer uma perda de quase 60 mil trabalhadores.

A região Norte é uma das que também vai sofrer mais com a automação de processos. Na agricultura, será perdida 23,1% da mão de obra, enquanto na manufatura, nos próximos dez anos, será perdida mais de metade da força laboral do norte do país. Destaque também para o Alentejo, que perde mais de um terço dos trabalhadores na agricultura.

Algarve e a Área Metropolitana de Lisboa serão as zonas mais resistentes à automação. De acordo com os dados do estudo, o Algarve perderá “apenas” 7% dos trabalhadores nos setores da agricultura e manufatura. Por sua vez, a AM Lisboa verá a sua mão de obra reduzida em 22% nestes setores.

A indústria mais afetada será a de “produtos de plástico, borracha e outros minerais não-metálicos”, com quase 14 mil postos de trabalho sob ameaça. Não muito longe, a indústria de “produtos metálicos, exceto máquinas e equipamentos” poderá perder cerca de 13 mil vagas.

Num cenário mais conservador, o estudo revela que a nível nacional poderão ser perdidos 1,1 milhões de postos de trabalho devido à automação e à integração de novas tecnologias no trabalho. No pior dos casos, a fasquia pode chegar aos 1,8 milhões de empregos.

Uma outra perspetiva

Apesar do cenário ser alarmante e um grande número de postos de trabalho estar sob ameaça, a situação pode não ser tão caótica quanto isso. Por vezes, a automação de um emprego pode não representar a sua perda. Por vezes, as novas tecnologias apenas substituem uma das tarefas.

O apresentador do programa televisivo Last Week Tonight, John Oliver, abordou o assunto num dos episódios do mês passado, dando o exemplo das caixa de multibanco. Quando surgiu esta inovação, muitos trabalhos de vários bancos ficaram preocupados com a possibilidade de perderem os seus empregos.

Os seus medos acabaram por não se confirmar — até pelo contrário. O número de postos de trabalho subiu no setor bancário dos Estados Unidos entre 1980 e 2010. “Os seus empregos não se perderam, apenas mudaram”, disse John Oliver.

“No ano de 1900, cerca de 40% da mão de obra estava na agricultura. Se um economista voltasse atrás no tempo e dissesse que dentro de 100 anos, apenas 2% da força laboral iria trabalhar na agricultura, ninguém saberia o que os outros 38% ia fazer“, exemplificou David Autor, economista do MIT.

Isto para explicar que “grande parte dos empregos que hoje temos, há dezenas de anos atrás nem existiam“, acrescentou.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

GNR já passou 2200 coimas por falta de limpeza de terrenos. Mais de cem câmaras multadas

Mais de uma centena de câmaras municipais foram multadas por falta de limpeza de terrenos, sendo a ausência de tratamento nas margens das estradas e junto às linhas de distribuição elétrica a principal infração registada …

Presidente do Governo da Catalunha pede a Filipe VI que abdique

O presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, pediu na terça-feira ao rei Filipe VI que abdique e solicitou ao presidente do parlamento que convoque uma sessão plenária extraordinária para estabelecer uma "posição comum" …

Virologista chinesa diz que novo coronavírus foi "criado em laboratório militar"

A virologista chinesa que fugiu para os Estados Unidos deu mais uma entrevista onde assegura que o novo coronavírus foi "criado num laboratório militar". Numa nova entrevista, citada pelo jornal online Observador, Li Meng-Yan, a virologista …

Ministério da Saúde abre 435 vagas para médicos de família

É o maior número de vagas dos últimos anos colocadas a concurso para a contratação de médicos especialistas em medicina geral e familiar para o SNS. De acordo com o jornal Público, o Ministério da Saúde …

MP brasileiro processa pastor por anunciar cura com feijões para a covid-19

O Ministério Público brasileiro pediu a abertura de um processo contra o pastor evangélico Valdemiro Santiago e a Igreja Mundial do Poder de Deus, que anunciaram a cura da covid-19 a partir do cultivo de …

Dívida do Estado à ADSE ascende a 200 milhões de euros

A dívida do Estado à ADSE, em 2019, ascendia a 198,2 milhões de euros, segundo o parecer do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) ao relatório e contas do ano passado, publicado no site do …

Governo dos Açores violou Constituição ao impor quarentena obrigatória

O confinamento obrigatório de 14 dias que o governo regional dos Açores tem imposto a quem chega à região autónoma é inconstitucional, dizem os juízes do Tribunal Constitucional. As autoridades açorianas violaram a Constituição ao impor …

China caminha a passos largos para a normalidade. Gaming, cerveja e Ikea dão empurrão

A China não regista, desde 17 de maio, vítimas mortais causadas pelo novo coronavírus. No entanto, há dois surtos ativos que parecem não impedir a população de caminhar em direção à normalidade. À semelhança do resto …

No regresso ao Superior, o Ministério recomenda aulas presenciais, com máscara e ao sábado

No regresso do Ensino Superior, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior recomenda que voltem as aulas em regime presencial com uso obrigatório de máscara e algumas das quais lecionadas ao sábado. Num comunicado …

"A profissionalização é fundamental". Este ano já morreram quatro bombeiros, todos voluntários

Nos incêndios deste ano já morreram quatro bombeiros. O último ano tão mortífero foi 2013, em que sete bombeiros perderam a vida. Em comparação, nos incêndios de 2019, não se registaram vítimas mortais entre esses profissionais. Como …